17.5 C
Brasília
terça-feira, 21 maio, 2024

Gaza: Protestos estudantis no ocidente incomodam financiadores.

Reuters

Heba Ayyad*

O israelense Benjamin Netanyahu, que lançou um videoclipe na plataforma “X”, na noite de quarta-feira, incitou contra estudantes universitários manifestantes, chamando-os de “anti-semitas” e comparando-os aos nazistas.

Os protestos expandiram-se quando centenas de estudantes se reuniram na manhã de quinta-feira nos campi de Georgetown e da Universidade George Washington, em Washington, DC, exigindo um cessar-fogo imediato em Gaza. Mais tarde, as manifestações estudantis pró-palestinas espalharam-se por outras universidades importantes dos Estados Unidos, como as universidades de Nova York, Yale, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Carolina do Norte e Pensilvânia, até que o número atingiu mais de 23 universidades e centros educacionais, e espera-se que aumente ainda.

O “contágio solidário” espalhou-se pela França e, na noite de quarta-feira, a polícia libertou o anfiteatro da Universidade Sciences Po Paris de dezenas de estudantes pró-Palestina, que exigiam o fim da guerra israelense na Faixa de Gaza, enquanto outros participavam em defender o mesmo objetivo diante da Universidade Sorbonne. Na sexta-feira, uma manifestação de protesto contra a guerra israelense na Faixa de Gaza foi lançada na capital alemã, Berlim, onde a polícia prendeu vários manifestantes enquanto tentava dispersá-los depois de terem montado tendas à beira da estrada, com expectativas de que se espalhará para outros países e universidades com o impulso sobre a questão palestina.

Os acontecimentos nas universidades estadunidenses são, na verdade, uma expressão de uma nova fase iniciada por atividades de massa que denunciam a continuação do genocídio e seu apoio e defesa ao povo palestino.

Também ontem, centenas de estudantes pró-palestinos da Universidade de Sydney, na Austrália, montaram tendas no campus e protestaram contra os ataques israelenses à Palestina. Como parte do movimento crescente, estudantes da University College London (UCL), na sexta-feira, na Grã-Bretanha, organizaram um protesto dentro da faculdade para exigir que a administração da universidade cortasse seus laços com as empresas de armas que apoiam Israel.

Convicções

A Anistia Internacional condenou, na quinta-feira, a repressão pelas universidades estadunidenses aos protestos estudantis contra a guerra israelita contra os palestinos, sublinhando que o direito de protestar é “muito importante para falar livremente” sobre o que está a acontecer na Faixa de Gaza. A organização internacional disse na plataforma “X” que “as administrações universitárias estadunidenses enfrentaram protestos em apoio aos direitos palestinos, obstruindo-os e suprimindo-os, em vez de permitir que seus estudantes exercessem e protegessem seu direito de protestar”. A Human Rights Watch e a União Americana pelas Liberdades Civis também condenaram a prisão dos manifestantes e instaram as autoridades a respeitarem seus direitos à liberdade de expressão.

Uma grande mudança na interação pública

Hossam Shaker, especialista em assuntos europeus e internacionais de Viena, sublinhou que “os acontecimentos nas universidades estadunidenses são, de fato, uma expressão de uma nova fase iniciada por atividades de massa denunciando a continuação do genocídio e seu apoio e defesa ao povo palestino, contra a continuação da agressão na Faixa de Gaza.” Ele ressaltou que se trata de “uma nova fase e não de eventos isolados, e não surgiu do nada, mas sim de um estado evolutivo de acumulação de experiência popular, ação popular e eventos de múltiplas objeções testemunhados em ambientes ao redor do mundo, especialmente nos Estados Unidos.”

Ele prosseguiu dizendo: “As atividades estudantis estiveram na vanguarda das interações de massa ao longo dos duzentos dias de agressão e, após esse período ter passado, as experiências de ação de massa fermentaram, e há uma convicção crescente de que ficar satisfeito com manifestações típicas não é útil, por isso a tendência crescente veio a criar uma pressão concentrada e crescente nos caminhos que alimentam a ocupação israelita e reavivam a roda do genocídio, direta ou indiretamente. Portanto, o evento em si é uma consciência da necessidade de desenvolver movimentos de massa de forma mais especializada e mais capaz de pressionar, e também percebe a importância de pressionar os interesses da ocupação israelense e do seu exército, que estão interligados com as universidades estadunidenses de uma forma que ninguém esperava, como testemunhamos”, continua Shaker.

Ele afirmou que “este protesto, que originalmente foi pequeno na Universidade de Columbia, provocou uma reação muito irada por parte de uma elite política influente nos Estados Unidos, que durante a atual temporada de genocídio se acostumou a ausentar universidades de elite e a colocar pressão sobre suas administrações, privando-as de financiamento e ameaçando retirar investimentos e tomando medidas dissuasivas contra elas.

Há uma convicção crescente de que não adianta ficar satisfeito com manifestações típicas. Portanto, tem havido uma tendência crescente para criar uma pressão concentrada e crescente sobre os caminhos que alimentam a ocupação israelense e reavivam a roda do genocídio.

Shaker, um investigador sobre a situação pública de apoio à Palestina em ambientes ocidentais, sublinhou que “desafiar a vontade estudantil e recorrer à opção repressiva levou a uma reação, espalhando a experiência da manifestação em massa a todo o cenário universitário estadunidense, e de lá para outros países ao redor do mundo.” Ele acreditava que “mesmo que a repressão não tivesse sido praticada, a experiência teria se expandido automaticamente, e foi isso que a elite e as forças que fazem lobby a favor da ocupação perceberam, então lançaram uma campanha difamatória por um lado, e também uma campanha de intimidação e ameaças de repressão para deter os protestos dos estudantes. Essa cena tem um significado muito grande, pois o evento é global, pois estas universidades têm peso global e contêm as elites mundiais em ascensão, e universidades que representam um simbolismo global inspirador em todo o lado, e o que acontece reflete-se no humor dos jovens e dos estudantes”, acrescenta Shaker. E continuou: “O que aconteceu revelou uma série de dilemas na realidade estadunidense, como a falta de independência das universidades e sua submissão à autoridade dos financiadores, e a extensão da intersecção da vida acadêmica com os investimentos”. E acrescentou: “Também ficou claro que o próprio exército de ocupação está envolvido nas relações com universidades estadunidenses, incluindo a Universidade de Columbia, através de investimentos e financiamento de certas pesquisas, e isso abriu um arquivo que não havia sido anteriormente colocado no centro das atenções”. Shaker abordou um slogan que descreveu como “notável” levantado durante os protestos nas universidades estadunidenses, intitulado “Palestina em toda parte”, que confirma “que a questão palestina se tornou um assunto interno na realidade estadunidense”, disse ele.

Desde 7 de outubro de 2023, Israel tem travado uma guerra devastadora em Gaza que deixou dezenas de milhares de mártires e feridos, a maioria deles crianças e mulheres, destruição maciça e fome que ceifou a vida de crianças e idosos, segundo dados palestinos e da ONU. Israel continua a sua guerra apesar da emissão de uma resolução de cessar-fogo imediata pelo Conselho de Segurança, e apesar da sua indiferença perante o Tribunal Internacional de Justiça sob a acusação de cometer “genocídio”.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS