19.5 C
Brasília
quarta-feira, 29 maio, 2024

Gaza expõe as hipocrisias do ocidente

Imagem/ Fonte : Reuters

Heba Ayyad

Gaza, sua luz brilha sobre os mundos “como se fosse uma estrela brilhante… O seu petróleo quase brilha.” Exponha o que está escondido, a vergonha e desmantela as falsas declarações de países que reivindicam civilização, progresso, respeito pelos direitos humanos, igualdade e empoderamento das mulheres, e afirmam que não distinguem entre negros e brancos, nem entre um cidadão de origem oriental, ou cujas raízes remontam à Alemanha, à Irlanda ou à Itália. Gaza revelou a falsidade da civilização ocidental, que reivindica a humanidade de fora, mas nasce da agressão, da matança, da destruição, da discriminação, das artes malignas e do ódio por todos os que estão fora do seu sistema.

Nos Estados Unidos, não se ouve um discurso de um candidato presidencial ou legislativo, a menos que ele nos quebre a cabeça com os chamados “valores estadunidenses”, repetindo o mesmo sistema que foi lançado por Geir, e será repetido pelos concorrentes às cadeiras nos níveis municipal, estadual ou de ambas as câmaras, até a Casa Branca. Exploremos a profundidade destes valores e descobriremos que a sua aplicação é seletiva quando convém aos interesses do país, e que os ignora, os atropela e fecha os olhos quando entram em conflito com os seus interesses e os interesses do país dos seus aliados.

Eles levantam o slogan da liberdade de opinião e exigem que esta seja respeitada no Irã, na Rússia, na China, na Venezuela e na Coreia do Norte, mas quando se trata do direito dos estudantes de expressarem a sua opinião em apoio à Palestina, condenam a guerra de extermínio praticada pela entidade sionista, e exigindo que as universidades parem de investir em empresas israelenses, e parem de cooperar com universidades que apoiam a matança, a discriminação e a destruição, então a liberdade de opinião termina, e o assunto se transforma, falsa e caluniosamente, em discurso de ódio e antissemitismo. E se uma parte significativa dos manifestantes fossem judeus? A resposta rápida é que eles são “judeus que se odeiam, são mal informados, comunistas ou enganados”.

Gaza revelou a falsidade da civilização ocidental, que reivindica a humanidade a partir do exterior, mas é inata à agressão, matança, destruição, discriminação, artes malignas e ódio a todos os que estão fora do seu sistema.

A sua constituição estipula o direito à manifestação pacífica e o direito à reunião, e tudo isso é bom, especialmente se as manifestações ocorrerem em Hong Kong. O Departamento de Estado dos EUA, a Casa Branca, organizações de direitos humanos e membros de ambas as câmaras competem na condenação do que chamaram de ‘violência policial’, que não matou ninguém, não sitiou ou invadiu. A questão toda é que novas leis foram emitidas e as pessoas protestaram contra elas em 2019, e estes manifestantes tornaram-se heróis no Ocidente. Mas em Nova Iorque, Los Angeles, Texas e em todas as universidades de elite, a polícia pode atacar violentamente, quebrar barreiras, escalar muros, tomar campos de estudantes, abusar de professores tal como faz com estudantes, e prender mais de 1500. Dizem no papel que a polícia não está autorizada a invadir campus, mas se comentarem… A situação em Gaza e na Palestina e os massacres que ocorrem diante dos olhos do mundo. Não há nada de errado com ataques, arrombamento de portões, ataques. Estudantes com toda a violência, prendendo centenas deles e acusando-os falsamente de espalharem discurso de ódio e antissemitismo. O termo ‘antissemitismo’ tornou-se uma estaca na qual qualquer crítica a Israel ou às suas práticas pode ser pendurada. Se dissermos que a Palestina é livre, este é um slogan antissemita, e se dissermos que o que está a acontecer em Gaza é uma guerra de extermínio, então isto também se enquadra no antissemitismo. Eles ampliaram esse prazo e em breve chegará o dia, se você não declarar sua lealdade, amor e fascínio pela entidade e suas práticas, então você é antissemita. O mundo inteiro será antissemita, a menos que se voluntariem nas FDI para lutar em Gaza contra o povo palestino, a quem Ben Gvir exigiu o extermínio de todos eles, sem que uma voz saia dos ‘países civilizados do Ocidente’ para condenar estas declarações.

Eles elogiam o sistema de direitos humanos que se desenvolveu após a Segunda Guerra Mundial e dizem que Eleanor Roosevelt, a viúva do ex-presidente Franklin Roosevelt, desempenhou um papel essencial na consecução da “Declaração Universal dos Direitos Humanos”, que foi adotada pela Assembleia Geral em 10 de dezembro de 1948. Eles são os criadores da cultura dos direitos humanos. Como dizem, exigem que o mundo inteiro respeite os direitos humanos, políticos e civis, ignorando o resto do sistema incluído no ‘Pacto Internacional sobre a Economia, Direitos Sociais e Culturais’.

Por exemplo, a espada dos direitos humanos sobe alto quando as autoridades iranianas confrontam manifestações e prendem dezenas de manifestantes, e Mahsa Amini, que teria sido morta em 16 de setembro de 2022 pelas forças de segurança, porque não usava o hijab adequadamente, torna-se um símbolo e molda uma heroína lendária, mas a execução de Shirin Abu Aqla passa despercebida, o assassino é absolvido e a história termina em 2003. Um motorista de escavadeira israelense amassa o corpo da jovem estadunidense Rachel Corrie na área de Rafah, enquanto ela tenta impedir a demolição de casas palestinas. A administração estadunidense não se preocupa com ela, não responsabiliza Israel e o assunto termina sem condenação ou responsabilidade.

Em 1989, quando um jovem chinês ficou em frente a um tanque chinês na Praça Tiananmen, na capital chinesa, Pequim, e foi dito que o tanque o atropelou após várias tentativas de ultrapassá-lo, mas ele insistiu em não ficar na frente disso. Esse menino se tornou um herói lendário e foi chamado de ‘O Manifestante Desconhecido’ ou ‘Homem Tanque’. Sua foto foi divulgada por todas as agências de notícias e ele se tornou um símbolo de coragem, coragem e desafio. Mas quando a criança palestina Faris Odeh, durante a primeira intifada, se colocou em frente ao tanque israelense com uma pedra na mão, ele foi imprudente, impetuoso e um escudo humano.

Todo o Ocidente levantou-se para condenar o assassinato de sete trabalhadores voluntários da “Cozinha Central Mundial” no dia 1º de abril. Exigiram imediatamente uma investigação transparente, condenaram a operação e convocaram embaixadores israelitas por serem voluntários estrangeiros. Quanto ao assassinato de quatro civis em frente às câmaras, ao assassinato de 181 funcionários da UNRWA, ao assassinato de uma centena no massacre da farinha e ao assassinato de 500 pessoas perto do Hospital Al-Ahli, ninguém exige uma investigação imediata e transparente. A verdade é que os investigadores internacionais estão ocupados investigando violações que não foram provadas até agora. Foi dito que 12 funcionários da UNRWA as cometeram.

Todo o Ocidente aplaudiu Karim Khan, o Procurador do Tribunal Penal Internacional, quando emitiu um mandado de detenção em maio de 2023 contra o Presidente russo Vladimir Putin, porque, conforme indicado na acusação, transferiu 550 crianças da Ucrânia para a Rússia. Os russos não negaram a acusação, mas confirmaram que foram transferidos para sua proteção. Quanto ao assassinato de 13 mil crianças palestinas e de dezenas de milhares de feridos e desaparecidos, tudo isso não comove os sentimentos do Sr. Para fugir à responsabilidade, ele vazou deliberada e premeditadamente a acusação da “possibilidade de emitir um mandado de prisão contra o Primeiro-Ministro da entidade sionista, o Ministro da Defesa e o Chefe do Estado-Maior”, a fim de provocar todas as potências ocidentais a confrontarem tal perigo e pressionar os Estados Unidos a ameaçar o tribunal, os seus juízes, os seus mecanismos e o seu papel. Tal como Trump fez quando a antiga procuradora Fatou Bensouda levantou “a possibilidade de investigar crimes de guerra cometidos no Afeganistão”.

Karim Khan voou para a Ucrânia para visitar o local onde se diz que ocorreu um massacre em 24 de fevereiro de 2022, e as vítimas foram enterradas em uma vala comum em Bucha, perto de Kiev, capital da Ucrânia. Naquele dia, a terra tremeu. Khan designou 42 investigadores para coletar informações e documentar os crimes. Eles imediatamente apelaram ao Conselho de Segurança para investigar o massacre, no qual, segundo suas alegações, 80 pessoas foram mortas. Karim Khan voou imediatamente e visitou o que foi chamado de ‘palco do massacre’, mas a descoberta de três massacres nos pátios de hospitais em Gaza, que incluíam mais de 300 vítimas, passou despercebida, sem comoção ou impacto, porque ninguém está acompanhando, investigando ou se importando, pois as vítimas “não são como nós, não têm olhos azuis nem cabelos loiros”, como disse o primeiro-ministro da Bulgária.

Esta é a civilização ocidental personificada pelo Estado sionista com toda habilidade. Ele reuniu o mal de todas as suas partes e personificou os princípios ocidentais da melhor maneira possível. No entanto, o colapso começou para o Estado e o sistema que ele representa, e nada pode salvá-lo senão a si mesmo primeiro, e da ira de milhões de pessoas ao redor do mundo.

*Heba Ayyad

Jornalista

Escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS