13.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Gaza é um perigo no caminho de Biden para a reeleição

Washington, 12 abr (Prensa Latina) À medida que hoje aumentam as mortes em Gaza e os crimes de Israel invadem as redes sociais, crescem os perigos para o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em sua campanha à reeleição.

A Prensa Latina falou sobre o assunto nesta capital com a ativista palestino-americana Linda Sarsour, que afirmou que “a situação em Gaza certamente terá um impacto nestas eleições”.

Nascido no Brooklyn (Nova York) há 44 anos, Sarsour é o mais velho de sete filhos de um casal de imigrantes palestinos.

As eleições presidenciais dos Estados Unidos – disse – serão em novembro, parece que falta muito tempo, mas na realidade estão muito próximas e o efeito da guerra se refletirá “especialmente em estados importantes (pêndulos) que poderiam defina o resultado como Michigan, Ohio, Pensilvânia, Virgínia.”

“O presidente Biden tem que tomar uma decisão agora. Você se preocupa com a democracia? Você se preocupa com os Estados Unidos? Ou você está disposto a renunciar à democracia para apoiar inequivocamente um governo fascista como o estado de apartheid de (Benjamin) Netanyahu?”, alertou Sarsour.

Não se trata dos eleitores, acrescentou, “trata-se da escolha que o Sr. Biden vai fazer e que tem de ser inequívoca: Solidariedade com o povo palestiniano, e isso inclui levantar o cerco a Gaza, trazer todos os a ajuda necessária ao povo de Gaza e garantir um cessar-fogo permanente, com posteriormente negociações para a autodeterminação.”

Sarsour é reconhecida nacionalmente por sua defesa dos muçulmanos americanos e como co-organizadora da Marcha das Mulheres de 2017. De acordo com o Politico, ela se tornou “o rosto da resistência” contra Donald Trump, enquanto a revista Time a nomeou uma das 100 mais pessoas influentes em 2017.

Ele agora trabalha como parte de um movimento global por justiça para a Palestina.

“Somos apenas alguns dos muitos activistas de todo o mundo, incluindo a América do Sul, a América Central, a África e o continente asiático, que apoiaram a exigência da África do Sul no tribunal internacional de Haia” para condenar Israel e a favor do povo palestino, ele explicou.

O povo palestiniano merece a liberdade tal como o resto do mundo, sublinhou e reconheceu que um desses países “que demonstrou solidariedade com o povo palestiniano sempre foi Cuba”.

Desde o passado dia 7 de Outubro, os Estados Unidos têm demonstrado um claro apoio a Israel após o ataque surpresa do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas), que inicialmente deixou cerca de 1.200 mortos e vários prisioneiros detidos pelo grupo palestiniano.

Em resposta, Israel declarou guerra ao Hamas em Gaza e iniciou uma ofensiva aérea e terrestre que deixou em pouco mais de seis meses um número que ultrapassa as 108 mil vítimas civis, incluindo mortos e feridos.

Quase quatro milhões de árabes americanos vivem neste país e a popularidade de Biden entre essa comunidade despencou.

A oposição ao genocídio está nas ruas e há divisão no Capitólio sobre o apoio a Israel. A linguagem de Biden é um pouco mais dura em relação a Netanyahu, mas ele continua a enviar armas ao seu aliado histórico no Médio Oriente.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS