26.5 C
Brasília
quarta-feira, 22 maio, 2024

Gaza: A caminho da solução final

Pepe Escobar [*]

Você roubou os pomares dos meus antepassados
E a terra que eu cultivei
E não nos deixou nada
Exceto estas pedras…
Se eu tiver fome
A carne do usurpador será meu alimento.

– Poeta nacional palestino Mahmoud Darwish

Já está confirmado que a inteligência egípcia avisou os seus homólogos israelenses três dias antes do Dilúvio de Al-Aqsa que algo “grande” estava vindo do Hamas. Tel Aviv, o seu aparelho de segurança multimilionário e as FDI, “o exército mais forte do mundo”, optaram por ignorar.

Isso configura dois vetores principais.

1) Tel Aviv obtém o seu pretexto “Pearl Harbor” para implementar uma “guerra ao terror” remixada, como uma espécie de Solução Final para o “problema de Gaza” (já em vigor).

2) O Hegemon muda abruptamente a narrativa da iminente e inevitável humilhação cósmica conjunta da Casa Branca e da OTAN nas estepes de Novorossiya – uma derrota estratégica que configura a humilhação anterior no Afeganistão como um baile de máscaras na Disneylândia.

O bloqueio total dos “animais com forma humana” (direitos autorais do Ministério da Defesa de Israel) em Gaza, na verdade uma população civil de 2,3 milhões, foi imposto na última segunda-feira. Sem comida, sem água, sem combustível, sem produtos essenciais.

Isto é um crime de guerra e um crime contra a humanidade, contrário aos quatro princípios básicos da Lei dos Conflitos Armados (LOAC) – tudo devidamente aplaudido ou, na melhor das hipóteses, completamente ignorado pelo OTANstão e pelos seus variados meios de comunicação social controlados pelos oligarcas.

Cristãos, muçulmanos, judeus e outros grupos étnicos viveram pacificamente na Palestina durante séculos até à imposição do Projeto Sionista racista – completo com todos os atributos de Dividir para Reinar do colonialismo de colonos.

A Nakba é uma lembrança antiga de 75 anos atrás. Estamos agora muito além do apartheid – e entrando na total exclusão e expulsão dos palestinos da sua terra natal.

Em janeiro de 2023, o próprio primeiro-ministro israelense Netanyahu sublinhou que “o povo judeu tem um direito exclusivo e inquestionável a todas as áreas da Terra de Israel”.

Agora, as FDI enviaram nada menos que uma ordem à ONU para evacuar completamente todos os residentes do norte de Gaza – 1,1 milhão de pessoas – para o sul de Gaza, perto de Rafah, a única passagem de fronteira com o Egito. [Inicialmente em 24 horas – comentário do tradutor ]

Esta deportação forçada em massa de civis seria o prelúdio para arrasar todo o norte de Gaza, juntamente com a expulsão e o confisco de terras ancestrais palestinas – aproximando-se mais da Solução Final Sionista.

Bem-vindo ao Sociopatas Unidos

Netanyahu, um sociopata com um histórico comprovado, só consegue escapar impune de crimes de guerra em série devido ao apoio total da Casa Branca, do combo “Biden” e do Departamento de Estado – para não falar dos inconsequentes vassalos da UE.

Acabamos de testemunhar um secretário de Estado dos EUA – um funcionário com baixo QI e sem profundidade em todas as questões – a ir a Israel para apoiar a punição coletiva “também como judeu”.

Ele disse que seu avô “fugiu dos pogroms na Rússia” (isso foi em 1904). Depois veio a ligação direta – nazi – com “o meu padrasto sobreviveu a Auschwitz, Dachau e Majdanek”. Impressionante, são três campos de concentração seguidos. O secretário está obviamente alheio ao fato de a URSS ter libertado os três.

Depois veio a ligação Rússia-Nazis-Hamas. Pelo menos está tudo claro.

Internamente, Netanyahu só é capaz de permanecer como Primeiro-Ministro por causa especialmente de dois parceiros de coligação ultra-sionistas, racistas e supremacistas raivosos. Nomeou Itamar Ben-Gvir como ministro da Segurança Nacional e Bezalel Smotrich como ministro das Finanças – ambos responsáveis ​​de fato pela proliferação de colonatos de ocupação em toda a Cisjordânia, em escala industrial.

Smotrich declarou publicamente que “não existem palestinos porque não existe um povo palestino”.

Ben-Gvir e Smotrich, em tempo recorde, estão a caminho de duplicar a população de colonos nos cantões da Cisjordânia, de 500 mil para um milhão. Os palestinos – não cidadãos de fato – são 3,7 milhões. Acordos ilegais – não aprovados formalmente por Tel Aviv – estão surgindo em todo o espectro.

Em Gaza – onde a pobreza ronda os 60% e o desemprego juvenil é enorme – as agências da ONU alertam desesperadamente para uma catástrofe humanitária iminente.

Mais de 1 milhão de pessoas em Gaza, na sua maioria mulheres e crianças, dependem da assistência alimentar da ONU. Dezenas de milhares de crianças frequentam escolas da UNRWA (a UNRWA é a agência para os refugiados palestinos).

Tel Aviv está agora matando-os – suavemente. Pelo menos 11 trabalhadores da UNRWA foram mortos na semana passada (incluindo professores, um médico e um engenheiro), pelo menos 30 crianças, além de cinco membros da Cruz Vermelha Internacional e do Crescente Vermelho.

Para completar, há o ângulo do Gasodustão – como o roubo de gás de Gaza.

Pelo menos 60% das vastas reservas de gás descobertas em 2000 ao longo da costa Gaza-Israel pertencem legalmente à Palestina.

Uma consequência fundamental da Solução Final aplicada à Gaza traduz-se na transferência da soberania sobre os campos de gás para Israel – em mais um atropelamento maciço do direito internacional.

A maioria global é a Palestina

No meio da horrível perspectiva de Israel de despovoar toda a metade norte de Gaza, ao vivo na televisão e aplaudido por hordas de zombies do OTANstão, não é exagero considerar a possibilidade de a Turquia, o Egito, a Síria, o Iraque, o Irã, o Líbano, o Iêmen e as monarquias do Golfo unirem-se, em vários níveis, para criar uma pressão esmagadora contra a implementação da Solução Final Sionista.

Praticamente todo o Sul Global/Maioria Global está com a Palestina.

A Turquia, de forma problemática, não é uma nação árabe e esteve demasiado próxima ideologicamente do Hamas no passado recente. Assumindo que a atual gangue de Netanyahu se envolveria na diplomacia, a possível melhor equipe de mediação seria formada pela Arábia Saudita, Qatar e Egito.

A Índia acaba de se esfaquear na cabeça como líder da Maioria Global: a sua liderança parece ficar paralisada quando enfrenta Israel.

Depois, há os Grandes Soberanos:   a parceria estratégica Rússia-China.

A Rússia e o Irão estão, eles próprios, ligados por uma parceria estratégica – inclusive a todos os níveis militares de última geração. A aproximação iraniana-saudita mediada e conquistada pela China levou, esta semana, Mohammad bin Salman e Ebrahim Raisi ao telefone, pela primeira vez, coordenando o seu apoio inabalável aos direitos legítimos do povo palestiniano. O sírio Bashar al-Assad acaba de visitar a China, recebido com todas as honras.

O refinamento diplomático característico da China – muito além do Dilúvio de Al-Aqsa – equivale a apoiar os legítimos direitos dos palestinos. Todo o mundo árabe e as terras do Islão sentem claramente – enquanto Israel e o OTANstão permanecem imunes a nuances.

Com a Rússia chegamos ao território do heavy metal. No início desta semana, o embaixador de Israel na Rússia, Alexander Ben Zvi, foi finalmente recebido, depois de várias tentativas, pelo vice-ministro das Relações Exteriores, Mikhail Bogdanov. Foi Israel quem praticamente implorou por uma reunião.

Bogdanov foi direto ao assunto, sem rodeios:   Ben Zvi foi avisado de que o plano das FDI para literalmente destruir Gaza, expulsar a população indígena e praticar a limpeza étnica desses “animais humanos” estava “repleto das consequências devastadoras para a situação humanitária na região”.

Isto antecipa um cenário bastante possível – cujas consequências podem ser igualmente devastadoras:   Moscou – em colaboração com Ancara – lançar uma operação de ruptura do bloqueio com o apoio do Sul Global contra Israel.

Não é nenhum segredo – além do modus operandi – que Putin e Erdogan discutiram um possível comboio naval humanitário turco para Gaza, que seria protegido de um ataque israelense pela Marinha Russa a partir de sua base em Tartous, na Síria, e pela Força Aérea Russa, a partir de Hmeimim. Isso aumentaria os riscos para níveis imprevistos.

O que já está claro é que a guerra por procuração hegemônica contra a Rússia na Ucrânia e a “guerra ao terror” israelense remixada em Gaza são apenas frentes paralelas de uma guerra global única e em evolução horrenda.

16/outubro/2023

[*] Analista geopolítico.

O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2023/10/14/slouching-towards-the-final-solution/ e a tradução em sakerlatam.org/caminhando-para-a-solucao-final/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS