20.5 C
Brasília
quarta-feira, 17 abril, 2024

Forças israelenses atacam palestinos por defender as suas terras

Ramallah, (Prensa Latina) As forças israelenses atacaram nesta sexta (28) os palestinos estacionados em uma montanha na cidade de Nablus, na Cisjordânia, para impedir que colonos ocupem o território, confrontos que deixaram cerca de 40 feridos, informou a agência Wafa.
Soldados do regime de Tel Aviv abriram fogo contra dezenas de moradores, alguns dos quais foram levados para os hospitais para tratamento, incluindo um adolescente de 16 anos que foi baleado, acrescentou a fonte.

Tais confrontos ocorrem alguns dias depois que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou a construção de milhares de assentamentos (para colonos) em terras palestinas, particularmente em Har Homa e Givat HaMatos.

Uma preocupação especial levou à recente decisão do chefe de governo de reativar o polêmico projeto E1, referindo-se à construção de cerca de três mil casas em uma área importante.

Se esse programa fosse implementado, poderia dividir a Cisjordânia em duas partes, o que dificultaria o estabelecimento de um estado palestino visível e contínuo, denunciados por políticos e ativistas.

O conflito entre ambas as partes se intensificou após a apresentação do chamado Acordo do Século pelo presidente dos EUA, Donald Trump, com o consentimento de Israel.

Este plano concede a soberania da Palestina sobre uma pátria instável, distribuída em partes da faixa quase inabitável de Gaza e da Cisjordânia.

Também deixa Tel Aviv no controle do procurado Vale do Jordão e esquece os problemas de milhões de refugiados ansiosos por retornar à sua terra natal.

A iniciativa que discorda dos acordos anteriores endossados pela comunidade internacional representada na Organização das Nações Unidas (ONU), prevê um congelamento de programas para a construção de mais assentamentos em áreas árabes, mas não contempla o desmantelamento dos existentes, considerados ilegais.

No entanto, Netanyahu acaba de aprovar a construção de um número significativo de casas para judeus, no que alguns analistas chamaram de manobra em busca de votos para as eleições legislativas no próximo dia 2 de março e, ao mesmo tempo, estratégia destinada a Ramallah, 28 de fevereiro (Prensa Latina) As forças israelenses atacaram hoje os palestinos estacionados em uma montanha na cidade de Nablus, na Cisjordânia, para impedir que colonos ocupem o território, confrontos que deixaram cerca de 40 feridos, informou a agência Wafa.

Soldados do regime de Tel Aviv abriram fogo contra dezenas de moradores, alguns dos quais foram levados para os hospitais para tratamento, incluindo um adolescente de 16 anos que foi baleado, acrescentou a fonte.

Tais confrontos ocorrem alguns dias depois que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou a construção de milhares de assentamentos (para colonos) em terras palestinas, particularmente em Har Homa e Givat HaMatos.

Uma preocupação especial levou à recente decisão do chefe de governo de reativar o polêmico projeto E1, referindo-se à construção de cerca de três mil casas em uma área importante.

Se esse programa fosse implementado, poderia dividir a Cisjordânia em duas partes, o que dificultaria o estabelecimento de um estado palestino visível e contínuo, denunciados por políticos e ativistas.

O conflito entre ambas as partes se intensificou após a apresentação do chamado Acordo do Século pelo presidente dos EUA, Donald Trump, com o consentimento de Israel.

Este plano concede a soberania da Palestina sobre uma pátria instável, distribuída em partes da faixa quase inabitável de Gaza e da Cisjordânia.

Também deixa Tel Aviv no controle do procurado Vale do Jordão e esquece os problemas de milhões de refugiados ansiosos por retornar à sua terra natal.

A iniciativa que discorda dos acordos anteriores endossados pela comunidade internacional representada na Organização das Nações Unidas (ONU), prevê um congelamento de programas para a construção de mais assentamentos em áreas árabes, mas não contempla o desmantelamento dos existentes, considerados ilegais.

No entanto, Netanyahu acaba de aprovar a construção de um número significativo de casas para judeus, no que alguns analistas chamaram de manobra em busca de votos para as eleições legislativas no próximo dia 2 de março e, ao mesmo tempo, estratégia destinada a desviar a atenção do julgamento que enfrentará dentro de duas semanas por corrupção.

A proposta de Trump foi rejeitada pela Autoridade Palestina (PA), governantes de várias nações, a ONU e organizações regionais como a Liga Árabe.

No entanto, a AP considera a resposta insuficiente e coleta ações fortes para interromper sua implementação.

O mesmo repúdio gerou os anúncios de Netanyahu em torno dos novos assentamentos.

Os pactos anteriores para resolver o conflito baseiam-se na visão de dois estados com as fronteiras anteriores a 1967, concedendo adicionalmente a soberania da Palestina sobre Jerusalém Oriental, que o Acordo do Século chamou de capital indivisível de Israel.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS