21.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Ex-Primeiro-ministro dos Camarões é eleito presidente da 70º sessão da Assembleia Geral da ONU.

Reuters

Heba Ayyad*

A Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu, às três horas da tarde de quinta-feira, Philemon Yang, antigo Primeiro-Ministro dos Camarões, por aclamação, mediante aplausos gerais e sem qualquer objeção, como Presidente da septuagésima nona sessão da Assembleia Geral, que começa no próximo dia 10 de setembro.

Yang revelou suas pretensões à frente do cargo: “Vamos nos concentrar na unidade na diversidade para promover a paz, o desenvolvimento sustentável e a dignidade humana para todos, em todos os lugares”.

O próximo presidente representa o Grupo Africano, onde os grupos geográficos rodam. Esta alta posição carrega um grande peso moral, considerando que a Assembleia Geral representa o parlamento de todo o mundo com seus 193 países, além dos estados observadores da Palestina e do Vaticano. O Presidente eleito tem uma longa experiência como Primeiro-Ministro de seu país e foi descrito por Denis Francis, o atual Presidente da Assembleia Geral, como tendo também servido como Presidente do Painel de Eminentes Africanos na União Africana, demonstrando “dedicação inabalável aos princípios da paz, do desenvolvimento sustentável e da dignidade humana”.

Sua liderança firme também se caracterizou por um compromisso contínuo com o diálogo, a cooperação e a inclusão – princípios que são absolutamente essenciais para orientar o trabalho da Assembleia Geral. À luz dos múltiplos e complexos desafios que o mundo enfrenta, o Sr. Francisco sublinhou a importância do multilateralismo e da cooperação internacional. Instou todos os Estados-Membros a trabalharem em conjunto – e a trabalharem mais arduamente – para garantir que ninguém seja deixado para trás. “Com Sua Excelência o Sr. Philemon Yang à frente da Assembleia, estou confiante de que a Assembleia Geral estará à altura da ocasião para enfrentar este desafio com coragem e compaixão”, acrescentou.

Depois de agradecer aos membros da Assembleia e da União Africana e ao seu apoio à nomeação de Cameron para este alto cargo, o Sr. Yang disse em seu discurso após sua eleição como Presidente da próxima sessão que se concentraria na sua sessão na “unidade na diversidade a fim de promover a paz, o desenvolvimento sustentável e a dignidade humana para todos, em todos os lugares.” Ele disse em seu discurso: “Nossa era é infelizmente caracterizada por fortes desigualdades, egoísmo, competição pelo poder e interesses diversos, juntamente com poderosas forças centrífugas que ameaçam a coesão e a solidariedade da humanidade. As tensões geopolíticas e geoestratégicas continuam a alimentar a desconfiança entre os países.”

Yang destacou a intensificação da corrida armamentista, inclusive no espaço, o aumento maciço dos orçamentos militares e a ameaça do uso de armas nucleares. Descreveu esses desenvolvimentos como as realidades assustadoras do mundo em que vivemos hoje. Sublinhou em sua declaração que a Assembleia Geral é o fórum mais apropriado no qual os Estados-Membros, em toda sua diversidade, são convidados a expressar livremente seus interesses, propostas e oportunidades. Portanto, é o órgão representativo máximo de deliberação, onde todos os países podem discutir, e não lutar.

O presidente eleito alertou para os desafios que o mundo enfrenta hoje, incluindo os conflitos armados, a pobreza, os desafios climáticos, o crescente fosso tecnológico e os desafios sem precedentes colocados pela inteligência artificial. Prometeu cooperar com todos os Estados-Membros e com o Secretário-Geral para enfrentar esses desafios. Disse que esses desafios exigem cooperação entre todos os países, uma vez que nenhum país é capaz de enfrentá-los sozinho, por mais forte que seja.

Ao felicitar o presidente eleito, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, destacou os desafios que a comunidade global enfrenta, nomeadamente os conflitos que ainda persistem e os desastres climáticos que se agravam. A pobreza e a desigualdade são generalizadas. A desconfiança e a divisão dividem as pessoas. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estão significativamente desviados. Os países em desenvolvimento ficam sem o apoio de que necessitam para investir em seus povos e Guterres apelou a todos para não perderem de vista o objetivo coletivo de um mundo mais pacífico e sustentável. O Secretário-Geral elogiou a liderança do Sr. Ydenis Francis na sessão atual, acrescentando que o presidente eleito Yang, como ele, também desempenhará um papel importante. Ele trará uma voz vital para o cargo. ‘Ele tem uma grande experiência em representar seu país como diplomata e funcionário público… É também um africano orgulhoso e dedicado ao futuro de seu continente’, disse Guterres, acrescentando que ansiava por trabalhar com Yang.

A sessão elegeu os Vice-Presidentes (por aclamação) (além dos cinco representantes dos membros permanentes do Conselho de Segurança):

Dos países africanos: Argélia; Angola; Gana; Madagascar; Senegal;

Dos países da Ásia-Pacífico: Quirguistão; Estados Federados da Micronésia; Tailândia; Tonga; Turcomenistão;

Dos países da Europa Oriental: República da Moldávia;

Países da América Latina e Caribe: Barbados; Guatemala; República Bolivariana da Venezuela;

Europa Ocidental e outros países: Áustria; Itália. Já o Iêmen ocupará o primeiro assento no Salão da Assembleia Geral durante a septuagésima nona sessão.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS