27.5 C
Brasília
terça-feira, 23 abril, 2024

Ex-FDI: operações israelenses em Gaza estão um ‘caos total’ graças à privatização da logística

Sputnik – Tel Aviv iniciou uma invasão em grande escala da Faixa de Gaza em 27 de outubro, três semanas depois de o Hamas ter lançado os ataques surpresa da Operação Al-Aqsa Flood no sul de Israel.

As operações militares israelenses em Gaza estão em um estado de “caos total” graças à terceirização de seus serviços de logística e reparos para empreiteiros privados, alertou o major-general reformado das Forças de Defesa de Israel (FDI) Itzhak Brik.
“Há uma bagunça total sobre a qual a mídia não está comentando”, disse Brik, um veterano da Guerra do Yom Kippur de 1973 e da Guerra do Líbano de 1982, conhecido por suas críticas francas à organização e cultura das FDI modernas, ao jornal de língua hebraica de Israel Maariv no sábado (24).
“Por trás dos nossos excelentes soldados, existe um caos total. Equipamentos, logística, alimentos, tudo o que precisa ser feito não está funcionando bem, porque o Exército confiou tudo a empresas privadas”, queixou-se o oficial superior reformado.
Oferecendo um exemplo, Brik mencionou que, no sistema atual, não há capacidades no Exército que possam reparar imediatamente tanques danificados ou quebrados e enviá-los de volta para a frente de batalha, com “dezenas” permanecendo “presos até serem rebocados”.
“É claro que a mídia não fala sobre isso, mas essas coisas não funcionam”, disse o ex-general, se referindo às rigorosas leis de censura de Israel durante a guerra, que permitem ao Estado restringir a cobertura de tópicos sensíveis e pouco elogiosos relacionados ao conflito em Gaza.
Brik disse que se encontrou com Benjamin Netanyahu seis vezes desde o início da crise em outubro passado para discutir os problemas das FDI. “Eu disse a ele que o Exército não está pronto para ir imediatamente para a guerra, porque há soldados que não treinam há cinco anos e há falta de equipamento”, revelou o ex-general.
Segundo o antigo comandante, foi a sua intervenção pessoal que levou as FDI a adiarem a invasão de Gaza por duas semanas.
Benjamin Netanyahu durante a reunião semanal de gabinete no Ministério da Defesa, em Tel Aviv. Israel, 7 de janeiro de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 24.02.2024

Panorama internacional

Netanyahu convocará gabinete para aprovar plano de operações em Rafah

“Hoje, [Benjamin Netanyahu] tem pessoas muito radicais em sua coligação que o ameaçam e dizem que se ele não seguir sua direção, vão desmantelar o governo, e o governo é mais importante para ele do que o país. Este é o nosso principal problema”, lamentou Brik.

Desde que se aposentou do cargo de comissário de Reclamações dos Soldados do Ministério da Defesa, há seis anos, Brik se tornou um crítico ferrenho do fraco estado de prontidão das FDI, sugerindo em 2018 que “se uma guerra estourar hoje, a Guerra do Yom Kippur parecerá uma viagem de aniversário”. Em 2020, ele expressou preocupação com a “perda do espírito de luta” das FDI, dizendo que os soldados estavam mal treinados e careciam de motivação e prontidão para o autossacrifício. No início de 2023, Brik alertou que o Exército não estava preparado para a ameaça de ataques com mísseis e drones às suas bases e sofria graves problemas logísticos graças à privatização dos serviços militares. A falta de transparência no recrutamento de oficiais superiores, uma estrutura organizacional confusa do Exército e a falta de responsabilização entre os comandantes foram outros problemas importantes, disse ele.
guerra em Gaza se tornou o conflito mais mortal envolvendo Israel desde a Guerra do Líbano em 1982, com as FDI confirmando a morte de cerca de 578 soldados desde 7 de outubro, 239 deles desde o início da ofensiva israelense no enclave palestino sitiado. Israel enfrentou pesadas baixas em tanques e outros veículos blindados durante seu ataque, com uma matéria referenciada por uma análise de imagens de satélite sugerindo que cerca de 88 veículos blindados entre 383 enviados para o noroeste de Gaza foram danificados ou estão desaparecidos, para uma taxa total de vítimas possível de quase 25%, em meados de novembro de 2023. As brigadas al-Qassam do Hamas afirmam ter eliminado “milhares” de soldados israelenses e destruído mais de 1.100 veículos militares, incluindo quase 1.000 tanques Merkava, ou cerca de 45% das formidáveis forças blindadas de Israel.

Um número desproporcionalmente grande de civis foi morto no conflito, sendo cerca de 814 israelenses e mais de 29.600 residentes palestinos de Gaza perecendo na crise até o momento, em meio aos ataques aéreos punitivos e operações terrestres de Israel, com mais de 7.000 desaparecidos e presumivelmente mortos e mais de 85% da população de Gaza deslocada internamente.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS