14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

EUA se preparam para guerra com a China em meio a provocação de Washington sobre Taiwan

© AP Photo / LSIS David Cox / Força da Defesa de Austrália / Handout

Sputnik – Os EUA estão conduzindo jogos de guerra perto do mar do Sul da China enquanto os legisladores norte-americanos visitam Taiwan, minando o compromisso oficial de longa data de Washington com a política de Uma Só China.

“Fuzileiros navais dos EUA e das Filipinas têm realizado jogos de guerra ameaçadores em pequenas ilhas a uma curta distância de Taiwan“, escreve um jornal britânico, citando reportagens de correspondentes do The Wall Street Journal (WSJ) incorporados a um regimento militar dos EUA.

“Os exercícios incluem a implantação de equipes de fuzileiros navais de helicópteros Chinook, preparando armas de assalto desarmadas, e monitoramento de terrenos que seriam hipoteticamente usados se o conflito deflagrasse”, continua o artigo. “Os desenvolvimentos são uma visão perturbadora da perspectiva dos líderes militares dos EUA […]. Qualquer conflito direto entre os EUA e a China poderia facilmente escalar em uma Terceira Guerra Mundial com ambas as nações na posse de armas nucleares que poderiam destruir o planeta.”

A posição histórica dos Estados Unidos sobre a intervenção em Taiwan tem sido uma das chamadas “ambiguidades estratégicas”, com o país se recusando a esclarecer se enviaria forças armadas para o território. Entretanto, o presidente americano Joe Biden quebrou a tradição, afirmando que estaria disposto a enviar tropas dos EUA.
As Forças Armadas dos EUA estão se reestruturando para se preparar para uma grande guerra no Pacífico depois de décadas de combate contra forças irregulares no Oriente Médio, avança o WSJ.
Fuzileiros navais das Filipinas e dos EUA dentro do porta-aviões americano USS Ronald Reagan (CVN-76) durante escala em Manila. Filipinas, 14 de outubro de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 24.05.2024

Panorama internacional

Elevando tensões, Filipinas anunciam nova estação de sua guarda costeira em ilhas perto de Taiwan

“Estamos nos afastando do contraterrorismo e da contrainsurgência”, disse a secretária do Exército, Christine Wormuth, referindo-se aos papéis que têm estado em alta demanda nas guerras dos EUA no Iraque, Afeganistão e Síria. “Queremos estar posicionados para operações de combate em larga escala.”
Personalidades dentro das Forças Armadas dos EUA preveem que o país deve confrontar a China militarmente nos próximos anos para conter seu crescimento econômico.
“O [think tank] Rand Corporation alertou há cerca de dez anos que eles precisavam entrar em guerra com a China até 2025 para prevalecer”, observou o analista K.J. Noh.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS