23.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Estados Unidos, um parceiro perigoso na imigração

San Salvador (Prensa Latina) Os Estados Unidos são, à primeira vista, um parceiro perigoso para os países latino-americanos, incluindo El Salvador, segundo um relato da história da marcha de milhares de imigrantes da região em direção à fronteira sul da nação do norte.

Por Luis Beatón – chefe da Prensa Latina em El Salvador

Nos primeiros anos deste século, não foram poucos os especialistas que previram que a emigração se tornaria uma “bomba-relógio” que afetaria seu poderoso vizinho do norte se Ações não fossem tomadas e reformas legais adotadas com uma visão mais humanista, abrangente e inclusiva.

O ex-presidente Barack Obama (2009-2017) perdeu uma grande oportunidade ao não aproveitar uma maioria de 59 democratas, que em algum momento foi de 60, no Senado, e quase 250 na Câmara dos Deputados, para reformar o sistema de imigração sistema desde o início, do ponto de vista legislativo.

Os republicanos, ao conquistarem a maioria na Câmara dos Deputados e reduzirem a vantagem democrata no Senado em novembro de 2010, marcaram o ritmo e paralisaram o debate, algo que andou na calha de todos os governos democrata e republicano e até hoje não há solução nem concordam.

Durante anos, foram aplicadas ou aprovadas medidas, seja com o uso de poderes presidenciais e medidas como o DACA (programa criado em 2012 para proteger contra a deportação quem chegasse aos Estados Unidos quando ainda era menor de idade), band-aids sobre o problema convulsivo e contínuo da imigração.

Ao falar em “bomba-relógio”, os especialistas apontaram para a política dos Estados Unidos que consiste em atrelar as economias latino-americanas aos Acordos de Livre Comércio (TLC).

As previsões indicavam que a desigualdade que eles causavam explodiria em ondas de imigrantes para os Estados Unidos. Quando o Título 42 cessou, em 11 de maio, milhares de pessoas lotaram os cruzamentos no Texas e outras áreas da fronteira sul para entrar nos Estados Unidos, legal ou ilegalmente.

A crise era um tanto previsível e o The New York Times, como outros meios de comunicação e especialistas no assunto, anunciou os resultados antes da suspensão do regulamento sanitário, que impedia a entrada de centenas de milhares de migrantes nos Estados Unidos durante a pandemia de Covid-19.

NOVO AUMENTO DE IMIGRAÇÃO

Não há dúvida de que há um novo surto de migração que está aumentando as tensões políticas e esgotará os recursos ao longo de toda a fronteira sul, observou o Times.

No sul, Washington destacou mais de 24.000 soldados e policiais para enfrentar a chegada de dezenas de milhares de migrantes, que cruzam para as cidades fronteiriças dos EUA após o fim do Título 42, que desde 2020 permitiu ao governo dos EUA expulsar cidadãos de vários países rapidamente para o México.

Como a crise vai se desenvolver é uma questão que paira quando há mais milhares de famintos e desesperados que ainda acreditam na existência do quimérico sonho norte-americano.

Segundo o Times, essa questão está no cerne de um desafio monumental com uma história sombria. À medida que as restrições inspiradas pela pandemia diminuíram, as autoridades de fronteira retomaram um sistema de imigração que falhou em grande parte por décadas, mas com a pressão adicional de três anos de demanda reprimida.

Agora, cerca de 35.000 imigrantes estão concentrados em Ciudad Juárez, outros 15.000 em Tijuana e milhares em outros lugares do lado mexicano da fronteira de 3.152 quilômetros, o que pode ser parte do surto, apesar de a Casa Branca ter se preparado para promover uma campanha mais fluxo migratório ordenado.

Segundo estatísticas oficiais, mais de três milhões de pessoas cruzaram a fronteira nos primeiros 18 meses do governo Biden e o maior número em décadas, o que antecipa um aumento das críticas dos republicanos na Câmara que agora dominam com a maioria.

As leis de imigração estão quebradas, é uma afirmação que se ouve em Washington dos dois lados do corredor, algo que deve aumentar os confrontos entre democratas e republicanos quando se aproxima uma campanha eleitoral que sem dúvida será coberta por questões escandalosas como esta .

Mas a política pública sobre o assunto é sentida nos países do sul e, por exemplo, em El Salvador, há muitas expectativas em setores da população que dirigem seu olhar para as centenas de compatriotas amontoados no México para cruzar para os Estados Unidos Estados.

Especialistas como o economista Cesar Villalona sustentam que a estratégia de Washington é ineficaz e não conseguirá controlar a imigração. Também é contraditório porque eles precisam, enfatizam.

Eles precisam de mão de obra barata da região; Não é mais apenas o roubo de cérebros, agora há uma política legal e um aumento involuntário da imigração ilegal devido ao agravamento da desigualdade.

A imigração para os Estados Unidos tem a ver com o aumento do custo de vida, a falta de empregos, a crise da agricultura, a falta de oportunidades. Há uma competição com os vizinhos.

MÃO DE TRABALHO BARATA

Como disse Villalona, os norte-americanos precisam dessa mão de obra barata, que também é essencial em economias como a de El Salvador.

Nesse sentido, o embaixador dos Estados Unidos, William Duncan, vende aqui a ideia de que “os salvadorenhos estão enxergando mais oportunidades” em seu próprio país.

No entanto, promove o seu fluxo legal para que possam trabalhar no norte, onde não há limite de vistos para a agricultura. “Se houver uma demanda de 10.000, 20.000, podemos fazer esse número de vistos, se tiver gente aqui”, disse.

Agricultores salvadorenhos reclamam disso e apontam que o campo deste país apresenta uma crise de trabalhadores. Isso, argumentam os analistas, faz parte do tratamento desigual e das consequências dos TLCs.

A indústria agrícola nos Estados Unidos não pode sobreviver sem mão de obra estrangeira, que vem principalmente do México e da América Central, dizem os especialistas.

Estima-se que cerca de um milhão de trabalhadores recrutados a cada ano para trabalhar nos campos, até 80% são imigrantes, que agora vivem com medo de deportação.

O diplomata relatou uma redução de 40% no número de salvadorenhos que tentam sair ilegalmente para os Estados Unidos, algo que não condiz com a realidade, segundo diversos órgãos.

Durante os primeiros seis meses do ano fiscal de 2023 nos Estados Unidos -de outubro de 2022 a março de 2023-, as autoridades de imigração dos Estados Unidos realizaram 31.232 detenções de salvadorenhos. Em comparação com as 50.056 prisões nos seis meses do ano fiscal de 2022, a redução é de 37,6%.

Cálculos conservadores indicam que desde 2019 quase meio milhão de salvadorenhos entraram em território nortenho, a maioria de forma ilegal.

Isso é reconhecido como um conflito muito doloroso até pelo Papa Francisco, para quem a migração está intimamente relacionada à fome, à falta de trabalho e à tirania de um sistema econômico que tem no centro o deus do dinheiro e não a pessoa.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS