27.5 C
Brasília
terça-feira, 16 abril, 2024

Especialista alerta para nova desvalorização do dólar paralelo na Argentina, agravando a crise

© AP Photo / Natacha Pisarenko

Sputnik – O dólar paralelo, também conhecido como dólar azul, inverteu a tendência de alta na Argentina e, no mês de fevereiro, registrou uma queda de quase 14%.

Em entrevista à Sputnik, o economista Martín Kalos explicou que muitas famílias precisaram vender dólares “para fazer frente às despesas ou pagar as férias“, mas alertou para uma possível nova desvalorização entre março e abril.
Contingente de soldados russos em missão de paz na Transnístria - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2024

Panorama internacional

Situação da Transnístria reflete repressão a populações de língua russa na Europa, notam analistas

Ao contrário da alta que vinha apresentando até janeiro, o valor do dólar começou a cair durante o mês de fevereiro no mercado paralelo da Argentina. De fato, a moeda teve uma queda de 13,8% no segundo mês do ano, totalizando 165 pesos, encerrando o mês acima dos 1.000 pesos.
A mudança de tendência pode parecer surpreendente em um contexto em que a inflação, apesar de apresentar desacelerações nos primeiros meses do ano, atingiu 20,6% em janeiro, segundo dados oficiais, e teria fechado fevereiro entre 15% e 18%, de acordo com consultores privados citados pela mídia argentina.

“O que está acontecendo é que há poucos pesos para demandar dólares e uma redução nos salários reais, o que significa que as famílias que tinham certa capacidade de poupança e demandavam dólares já não possuem essa capacidade, e, portanto, esses dólares não são mais demandados“, explicou o economista argentino Martín Kalos à Sputnik.

Na Argentina, as quedas do dólar durante os primeiros meses do ano costumam ser chamadas de “veranito” na taxa de câmbio, pois muitas famílias trocam suas economias de dólares por pesos para financiar as férias, provocando a queda da moeda. Kalos destacou que, nesse contexto, há também famílias que vendem seus dólares “necessários para sobreviver“.
Kalos lembrou que muitos dos poupadores que agora estão vendendo seus dólares os adquiriram nos últimos meses de 2023, quando “cresceu a perspectiva de uma desvalorização com a mudança de governo, algo que realmente aconteceu”. No entanto, considerou que podem surgir problemas no futuro, uma vez que “há uma taxa de câmbio real que continua a se valorizar”.
Lula, Xi Jinping, Cyril Ramaphosa, Narendra Modi, e Sergei Lavrov posam para uma foto do grupo BRICS durante a Cúpula do BRICS de 2023, no Centro de Convenções de Sandton em Joanesburgo. África do Sul, 23 de agosto de 2023 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2024

Panorama internacional

Por que o BRICS é tão popular?

Dessa forma, em algum momento, segundo o especialista, o governo argentino terá que intensificar o ritmo de desvalorização da taxa de câmbio oficial para evitar um crescimento excessivo da lacuna.
Quando isso ocorrer, e na medida em que a Argentina persistir em manter restrições à compra de dólares – uma medida conhecida como “ações cambiais” –, os poupadores voltarão a demandar dólares no mercado paralelo, alertou Kalos.

“Entre março e abril, testemunharemos um ponto de virada no qual o governo terá que decidir como dar continuidade à sua política cambial, monetária e financeira. Nesse momento, será necessário avaliar se ocorrerá um aumento gradual da taxa de desvalorização ou se haverá uma desvalorização abrupta”, previu o especialista.

Encontro entre o presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, do NDB, Dilma Rousseff, e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, com a diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva. Brasília, 4 de março de 2024 - Sputnik Brasil, 1920, 04.03.2024

Notícias do Brasil

Lula, FMI e banco do BRICS: encontro é um passo rumo à reforma da governança financeira global?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS