25.5 C
Brasília
quarta-feira, 12 junho, 2024

Escassez crítica de minerais pode colocar em risco segurança energética dos EUA, dizem especialistas

© Foto / Igor Huskić, Friščić Research Group, McGill University

Sputnik – Os EUA devem desenvolver novas tecnologias de energia limpa para reduzir a dependência de minerais críticos em meio à escassez iminente e ao domínio da cadeia de suprimentos da China, ao mesmo tempo em que aumentam as reservas de emergência, disseram especialistas à Sputnik.

Na semana passada (2), o Departamento de Energia dos EUA em nova avaliação ampliou sua lista de materiais críticos, definidos como aqueles indispensáveis à transição de energia limpa com altos riscos de abastecimento, adicionando seis novos elementos em 2023.
departamento alertou que a lista só vai aumentar em meio à corrida global para zerar as emissões líquidas e destacou a importância para a segurança energética de estabelecer cadeias de abastecimento de minerais críticos confiáveis e robustas.
Níquel, platina e carboneto de silício juntam-se ao lítio e ao magnésio como elementos críticos no médio prazo (2025-2035), enquanto grafite, térbio e irídio juntam-se ao cobalto, gálio, disprósio e neodímio como elementos considerados críticos tanto no curto como no médio prazo (de agora até 2035).
O órgão estatal elevou o status do cobre e do alumínio de não crítico para “quase crítico” no médio prazo, em grande parte devido à sua importância para a eletrificação em um amplo espectro.
O relatório, citando dados da Agência Internacional de Energia (AIE), disse que a demanda por minerais críticos terá que crescer em até 600% até 2040 se o mundo quiser atingir o “net zero”, ou emissões líquidas nulas de dióxido de carbono até 2050. A demanda por minerais críticos está sendo impulsionada por um aumento na adoção de veículos elétricos, que, segundo a AIE, podem representar 60% de todas as vendas de automóveis até 2030.
Míssil Trident II D5 desarmado é lançado do submarino de mísseis balísticos USS Rhode Island, da classe Ohio (imagem referencial) - Sputnik Brasil, 1920, 02.08.2023

Panorama internacional

Citando China, EUA tentam aprovar projeto que libera uso de ‘mistura’ para mísseis voarem mais longe

O rápido crescimento nas vendas de veículos elétricos e nas redes de eletricidade verde impulsionou a demanda por componentes vitais, como baterias de íon-lítio e ímãs de terras raras, observou o relatório.
O relatório foi divulgado no momento em que a guerra comercial EUA-China aumentou ainda mais, com a revelação no mês passado dos controles de exportação de gálio de Pequim entrando em vigor em retaliação às restrições de Washington à tecnologia chinesa.
Os Estados Unidos e muitos aliados ocidentais investiram pesadamente na tentativa de alcançar a independência da cadeia de suprimentos da China. O governo Biden intensificou os esforços na semana passada em discussões com autoridades da Mongólia sobre “maneiras criativas” de extrair minerais de terras raras do país sem litoral, que faz fronteira com a China e a Rússia.

Longo caminho à frente

Os EUA enfrentam uma tarefa assustadora para quebrar sua dependência mineral da China. Por exemplo, a China é o principal país produtor de 30 dos 50 minerais que o Serviço Geológico dos Estados Unidos classificou como críticos para a economia com cadeias de suprimentos vulneráveis.
O consultor de estratégia de negócios da Artax Consulting, Jonathan Poston, lançou mais luz sobre as implicações envolvendo o domínio da China sobre os principais minerais críticos, principalmente os elementos de terras raras.
“Elementos de terras raras são um grupo de 17 elementos que são essenciais para uma ampla gama de tecnologias de energia limpa, incluindo ímãs, baterias e catalisadores”, disse Poston à Sputnik. “A China é a maior produtora mundial de elementos de terras raras, juntamente com grafite — essencial para as baterias de íon-lítio — e há preocupações sobre o controle da China sobre a cadeia de suprimentos global.”
Poston, que lecionou geopolítica e comércio em universidades no Equador, Belize e China, previu que os Estados Unidos provavelmente vão impulsionar a mineração doméstica em uma tentativa de fechar a lacuna e sugeriu a substituição inovadora como outra opção potencial.
“Também surgirão novas tecnologias que reduzem a necessidade de minerais críticos, como tecnologia de bateria que não usa íons de lítio”, disse Poston.
Os EUA vão precisar adotar uma abordagem multilateral para o problema, acrescentou. O compartilhamento de recursos, por meio de alianças globais e joint ventures, disse Poston, vai se tornar mais importante para garantir o fornecimento de minerais.
Poston disse que também está preocupado com o cobalto, outro mineral crítico usado na fabricação de ímãs de alto desempenho, essencial para veículos elétricos e turbinas eólicas.
A República Democrática do Congo (RDC), acrescentou, é o maior produtor mundial de cobalto, mas há preocupações sobre a estabilidade política do país e o histórico de direitos humanos.
A Mountain Pass da Califórnia, de propriedade da MP Materials, é a única instalação operacional integrada de mineração de terras raras nos Estados Unidos. A empresa atualmente envia o concentrado para a China para refinamento e processamento final.
Terras raras (imagem de referência) - Sputnik Brasil, 1920, 01.08.2023

Panorama internacional

China restringe exportação de terras raras e pode frustrar as ambições dos EUA, diz analista

Isso envolve o complexo processo de separação de neodímio e praseodímio, uma etapa crítica na produção de ímãs. De acordo com a Benchmark Mineral Intelligence, a China refina quase 90% do neodímio e praseodímio do mundo.
Nas últimas semanas, a MP Materials finalmente começou a processar terras raras por conta própria, com a esperança de entregar à General Mottors (GM) ímãs de motores elétricos acabados até o final de 2023.
À medida que os EUA desenvolvem planos e soluções de longo prazo para o dilema crítico dos minerais, alguns atores políticos pedem ação imediata, especialmente depois que os dados sobre a dependência dos Estados Unidos da China foram divulgados e em meio a crescentes preocupações com a segurança energética.
O estudioso da Brookings Institution, Michael O’Hanlon, membro do Conselho de Política de Defesa do Pentágono, disse à Sputnik que as reservas estratégicas de minerais e materiais dos EUA caíram 90% desde o fim da Guerra Fria. O’Hanlon disse que Washington poderia “reforçar” enquanto os Estados Unidos lutam para estabelecer cadeias de suprimentos diversificadas.
A missão do estoque é “diminuir e impedir a dependência de fontes estrangeiras ou pontos únicos de falha de materiais estratégicos em tempos de emergência nacional”, de acordo com a equipe de materiais estratégicos do Pentágono.
O estoque foi avaliado em US$ 42 bilhões (cerca de R$ 203,4 bilhões) em 1952, US$ 21 bilhões (aproximadamente R$ 101,7 bilhões) em 1989 e reduzido para US$ 888 milhões (mais de R$ 4,3 bilhões) em 2022, de acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso. No entanto, os legisladores, preocupados com o déficit com a China, destinaram recursos para reforçar as reservas no orçamento de 2023.

O Departamento de Defesa disse que o estoque armazena atualmente 47 commodities — incluindo cobalto, platina, paládio, irídio e zinco, juntamente com outros metais básicos e preciosos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS