22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Equador: insegurança, economia e dois modelos em disputa

Quito (Prensa Latina) As eleições antecipadas e excepcionais no Equador, que acontecerão no próximo domingo em meio a uma crise de insegurança e problemas econômicos, colocam sobre a mesa o dilema entre modelos opostos.

O historiador equatoriano Juan Paz y Miño falou com a Prensa Latina sobre isso e comentou que quatro dos candidatos são empresários, milionários e representam o esquema neoliberal que o país precisa superar.

Ele destacou que é um modelo empresarial e oligárquico que há seis anos contribui para o avanço do crime de drogas nessas terras andinas.

Jan Topic, Xavier Hervas, Otto Sonnenholzner e Daniel Noboa estão unidos pela mesma ideologia, independentemente do partido que representem, pois consideram o livre mercado e a iniciativa privada como pilares da economia, uma visão neoliberal já conhecida na América Latina e Equador, afirmou Paz y Miño.

Ele especificou que há outras duas opções com propostas diferentes (Yaku Pérez e Bolívar Armijos), mas são adversários com poucas chances de vitória, assim como Christian Zurita, substituto do assassinado Fernando Villavicencio.

Portanto, resta apenas a candidata Luisa González, que se apresenta como a continuidade do projeto Revolução Cidadã (RC) e a perspectiva de construir uma economia social no Equador, argumentou o também professor universitário.

Considerou que só com a sua vitória será possível fortalecer o Estado e prestar serviços públicos como a segurança social, medicina, educação, habitação, e tentar superar a pobreza e a miséria.

O maior desejo dos equatorianos, disse, é coibir a delinquência e o crime organizado para evitar mais mortes violentas e ver uma economia próspera, com benefícios para a maioria, e muitos reconhecem que isso ocorreu na época do ex-presidente e líder do RC, Rafael Correa (2007-2017).

O que o Equador vai viver no domingo, 20 de agosto, é no fundo uma disputa entre os que apostam na construção de uma economia social ou os que defendem a manutenção do modelo neoliberal e lá no fundo da tensão política, advertiu Paz y Miño.

No diálogo com esta agência, referiu-se ainda ao crescimento invulgar da criminalidade no território nacional, “um crime mafioso com poder informal que actua paralelamente ao poder oficial devido à infiltração conseguida”, desafio que as autoridades eleitas devem vencer .

Para isso não existem fórmulas mágicas, podemos contar com a experiência e colaboração de outros países como México, Colômbia, Peru, El Salvador ou Estados Unidos, mas devem se adequar à realidade do Equador e no respeito à soberania nacional, ele enfatizou.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS