25.5 C
Brasília
sexta-feira, 1 março, 2024

Entrevista de Tucker Carlson a Vladimir Putin (transcrição)

TUCKER: O que é que diria às pessoas que governam a América?

PUTIN: A nossa mensagem é que a Rússia não é vossa inimiga. Não queremos guerra. Estamos prontos para a paz. Os vossos líderes procuram o conflito. Não é isso que nós queremos. A Rússia defende o seu próprio povo. Nós não queremos o que não é nosso.

TUCKER: Iria visitar Washington?

PUTIN: Sim, claro. Já estive nos Estados Unidos antes. Gosto de viajar e encontrei-me com todos os presidentes, exceto Joe Biden. Se fosse convidado, iria. Sim.

TUCKER: Qual é a sua opinião sobre o Presidente Biden?

PUTIN: Estamos convencidos de que ele não está a governar o país. Digamos que temos boas fontes que o confirmam, mas qualquer pessoa pode ver isso por si própria. Os EUA entraram agora num período negro. Tem uma liderança irresponsável.

TUCKER: Acha que Joe Biden ganhou de forma justa?

PUTIN: Prefiro não entrar na política interna americana, mas direi que a minha embaixada informou que a vossa fronteira Sul foi mais bem gerida do que as eleições de 2020. (risos)

TUCKER: Uma sondagem na América mostra que é mais popular do que Biden – alguma reação?

PUTIN: (risos) Não sei se isso deve ser levado a sério, mas os ideais russos têm apoio. Acreditamos nos valores tradicionais; o casamento é entre um homem e uma mulher: os homens são homens e as mulheres são mulheres.

TUCKER: Quem é que gostaria de ver como próximo presidente dos Estados Unidos?

PUTIN: Mais uma vez, não nos cabe a nós dizer ou envolvermo-nos. Contrariamente às acusações de longa data, não nos intrometemos nas vossas eleições. Não precisamos de o fazer porque as mesmas pessoas acabam por governar as coisas na mesma.

TUCKER: Porque é que invadiram a Ucrânia?

PUTIN: Invadimos ou fomos invadidos? Olha para a história. Olha para as pessoas que lá vivem. Historicamente, fomos nós que fomos invadidos e agora estamos simplesmente a ripostar. As terras e o povo são russos e vamos ter de novo o que sempre foi nosso.

TRUCKER: Como se sentiria se Trump voltasse a ganhar?

PUTIN: Tínhamos boas relações quando o Sr. Trump era presidente. Não houve guerra. As nossas relações estavam num ponto alto. Dito isto, nada é previsível ou ficará na mesma. Teremos de ver.

TUCKER: O que pensa do Sr. Zelensky e qual seria a sua mensagem para ele?

PUTIN: Lembro-me de rir com as suas piadas quando ele era comediante na Rússia. Vamos voltar às gargalhadas.

TUCKER: Porquê?

PUTIN: Há entidades financeiras fortes cujo interesse é manter-nos como adversários. Um dos vossos presidentes avisou contra isso. Nós, russos, não temos esse problema.

TUCKER: Vê os Estados Unidos como um inimigo?

PUTIN: Não. Categoricamente não. Fomos aliados na Segunda Guerra Mundial. Os russos ajudaram a colonizar o Alasca, a Califórnia e também estivemos no Havai. O nosso povo não é inimigo, mas os que estão em Washington não são certamente nossos amigos.

TUCKER: Pode ser mais específico e citar nomes?

PUTIN: Seria inútil. Não nos cabe a nós resolver os vossos problemas internos. Além disso, tenho a certeza que sabem os nomes melhor do que nós.

TUCKER: Então está a dizer que o seu adversário não é o Joe Biden mas as pessoas que estão por trás dele?

PUTIN: Exatamente. Joe Biden pode nem sequer estar ciente do que se está a passar. Ele pode não compreender o nível das sanções impostas à Rússia. Quem é que elaborou essas sanções? Esses são os nossos adversários.

TUCKER: É por isso que está a defender os BRICS?

PUTIN: Os BRICS existiriam de qualquer maneira. É uma reação natural ao bloco comercial ocidental. É um contrapeso. Quando o dólar for utilizado como arma contra os Estados, haverá uma alternativa natural. É isso que nós queremos.

TUCKER: É por isso que o senhor e a Rússia têm sido visados?

PUTIN: É mais complicado do que isso, mas estou certo de que é uma boa parte da razão. Sempre que o dólar está em perigo, os Estados Unidos tomam medidas extremas. Não se podem dar ao luxo de ver o dólar falhar.

TUCKER: Mas a Rússia não é mais fraca e mais vulnerável economicamente do que os EUA?

PUTIN: Quando se olha para a dimensão das economias, somos pequenos. Mas poucas pessoas têm em conta os nossos vastos recursos naturais. A Rússia tem mais de 80 mil milhões de dólares no solo. Nenhum país se aproxima de nós.

TUCKER: Qual é a vossa opinião sobre o Presidente Biden?

PUTIN: Estamos convencidos de que ele não está a dirigir o país. Digamos que temos boas fontes que o confirmam, mas é fácil para qualquer pessoa ver por si própria. Os EUA entraram agora num período negro. Tem uma liderança irresponsável.

TUCKER: OK. Bem visto, mas não tem os mesmos problemas na Rússia?

PUTIN: Sim. Até certo ponto. Mas na Rússia esses interesses estão mais alinhados com o pensamento do homem médio russo da rua. Nos Estados Unidos, não é esse o caso. As elites abandonaram-nos.

TUCKER: Então, quem acha que está a governar os EUA?

PUTIN: As mesmas forças que sempre o dirigiram. Podem mudar os presidentes mas não mudam os que estão no poder real. É com eles que temos de lidar. Joe Biden é apenas uma fachada para esta estrutura de poder.

TUCKER: Obrigado por se sentar connosco. Como está a sua saúde? Tem havido alguns rumores……

PUTIN: Estou contente por falar consigo e através de si para o povo americano. Estou ótimo. Sinto-me bem. Tendo em conta os meus anos, estou de óptima saúde, mas o tempo é que manda.

TUCKER: Tem havido relatos persistentes de que tem cancro?

PUTIN: Garanto-vos que esses rumores são falsos. Se eu tivesse cancro e o vencesse, partilharia as boas notícias e a cura com o mundo.

TUCKER: Quando diz que alguns o temem, está a dizer que Musk tem inimigos?

PUTIN: É evidente que ele tem inimigos dentro dos Estados Unidos – a forma como foi despojado de 50 mil milhões de dólares em activos – chamaríamos a isso um tratamento especial. É injusto, à primeira vista.

TUCKER: Não temeu Musk quando ele começou a fornecer equipamento Starlink à Ucrânia?

PUTIN: Se alguém pensa seriamente que alguns pratos de internet podem derrotar o poder da Rússia – bem, o que posso eu dizer… Mas não, não tememos ou culpámos o Sr. Musk. O governo não lhe deu muita escolha.

TUCKER: Muita coisa mudou no mundo. Qual é a sua opinião sobre Elon Musk?

PUTIN: Vemos o Sr. Musk como um homem de negócios – um homem de grande sucesso. Construiu uma grande fortuna e tem um grande número de seguidores. É um pensador único com uma força de personalidade que não pode ser comprada. Alguns temem isso.

TUCKER: Tem algum conselho para Elon?

PUTIN: Eu diria para continuar. Não te deixes intimidar. Mas se as coisas ficarem demasiado difíceis, existe a Rússia. Teremos todo o gosto em abrir-lhe as nossas portas. Já demos antes as boas-vindas a homens de negócios americanos e valorizaríamos alguém do calibre do Sr. Musk.

TUCKER: Vamos falar de Trump. Primeiro, diga-me o que acha da situação atual e da probabilidade de ele ser reeleito?

PUTIN: Seria um pouco estranho e fora de ordem, mas estamos bem preparados. Ele prometeu acabar com os combates na Ucrânia e nós apoiamos essa ideia.

TUCKER: Como é que ele pode acabar com a guerra tão rapidamente?

PUTIN: Para começar, ele nunca nos insultou. Ele tem um grande respeito pela Rússia. Se começássemos numa posição de amizade e confiança, todos os problemas seriam resolvidos. Conseguiríamos resolver tudo. Confiem em mim.

TUCKER: Está a referir-se ao facto de Biden lhe ter chamado assassino?

PUTIN: Temos sido os destinatários de numerosos insultos e calúnias que remontam a algumas gerações de políticos. O Sr. Trump foi uma rutura refrescante com isso. Ele é muito popular na Rússia. Talvez isso não lhe sirva de nada.

TUCKER: Está a comunicar com Trump?

PUTIN: Não. Claro que não. Mas se ele voltasse a ganhar, as nossas linhas de comunicação abrir-se-iam instantaneamente, ao passo que, neste momento, não temos qualquer diálogo com o Presidente Biden.

TUCKER: Isso é chocante para mim. Ninguém da Casa Branca entrou em contacto consigo?

PUTIN: Exatamente. Ninguém telefonou desde que felicitámos o Sr. Biden pela sua vitória eleitoral. É intrigante para nós que as comunicações sejam mais frias agora do que durante a Guerra Fria.

TUCKER: Como é que acha que vão correr as eleições de 2024?

PUTIN: Estamos apenas a observar. É nossa responsabilidade estarmos atentos, uma vez que isso terá impacto no mundo. Esperamos que as eleições decorram de uma forma que permita acreditar nos resultados. Na Rússia não há votos por correspondência.

TUCKER: Passemos à China. Como é a vossa relação?

PUTIN: O Presidente Xi e eu somos especialmente próximos. A Rússia e a China mantêm boas relações atualmente, o que é uma vantagem óbvia para nós, uma vez que são um dos nossos maiores parceiros energéticos. Continuaremos a ser amigos.

TUCKER: Há acusações de que a China o ajudou na guerra na Ucrânia. Isso é verdade?

PUTIN: Isso não é algo que eu possa discutir. Digamos apenas que a Rússia não é uma potência isolada. Essa estratégia falhou. Temos mais aliados e parceiros comerciais agora do que antes do início da guerra.

TUCKER: Alguma vez antevê uma situação em que a Rússia e a China possam unir forças contra os Estados Unidos?

PUTIN: Quer dizer económica ou militarmente? Eu diria que não queremos nem uma coisa nem outra. Não é do nosso interesse entrar em conflito com os Estados Unidos porque todas as partes perderiam num tal conflito.

TUCKER: Por falar em conflitos, qual é a sua opinião sobre a situação em Gaza?

PUTIN: É realmente lamentável. Os palestinos estão a ser devastados. Israel está a agir de forma incontrolada. Isto mostra a terrível duplicidade de critérios no mundo. Onde estão as sanções contra Israel?

TUCKER: A Rússia está envolvida de alguma forma, especialmente através da sua aliança com o Irão?

PUTIN: Não, claro que não. Não nos opomos à existência de Israel mas, ao mesmo tempo, apoiamos o direito dos palestinos à autodeterminação. Queremos ser imparciais.

TUCKER: Está a acompanhar o que se está a passar na fronteira sul dos EUA?

PUTIN: De fato, sim. Faz parte do meu briefing diário. Nós, russos, achamos ironicamente engraçado o facto de o Congresso gastar milhares de milhões a proteger as fronteiras estrangeiras mas negligenciar as suas próprias fronteiras. É muito engraçado, mas mortal.

TUCKER: Mortal? O que é que quer dizer com isso?

PUTIN: Mortalmente sério, claro. Há pessoas que morrem diariamente a atravessar a vossa fronteira de forma descontrolada. É um vale-tudo. O mundo nunca viu nada assim na era moderna – é imprudente para um país abrir-se assim.

TUCKER: A Rússia está a aproveitar-se da situação na fronteira de alguma forma?

PUTIN: Não. Porque havíamos de o fazer. Não temos de fazer nada. A América está a autodestruir-se. E, como disse Napoleão, não se deve impedir que o inimigo se destrua a si próprio.

TUCKER: Então, vê a América como um inimigo?

PUTIN: Era só um ditado, mas a atual administração não é definitivamente um amigo.

TUCKER: Isso pode ser mudado?

PUTIN: É por isso que há eleições.

TUCKER: Mais uma vez obrigado por continuar a falar comigo sobre tantos temas diferentes. Podemos torná-los ainda mais interessantes, por assim dizer?

PUTIN: Com certeza. Estou aberto à maioria dos assuntos.

TUCKER: Vamos falar sobre as alterações climáticas. Ainda está a ser discutido nos Estados Unidos e na Europa. Qual é a sua posição?

PUTIN: A humanidade nem sequer é uma civilização de tipo 1 na escala de Kardashev. Se não conseguimos aproveitar o potencial energético do planeta, como é que podemos controlar o clima?

TUCKER: Está, pelo menos, preocupado?

PUTIN: Estou mais preocupado com questões reais. As alterações climáticas não são uma delas. A Terra faz um bom trabalho a regular-se a si própria. E se a Sibéria ficar um pouco mais quente, tanto melhor. Mais terras agrícolas para a Rússia.

TUCKER: Mas o que diria aos verdadeiros crentes que estão convencidos de que estamos a caminhar para o desastre?

PUTIN: Dir-lhes-ia que preocuparem-se com as alterações climáticas é como queixarem-se do tempo. Se não gostam do clima, mudem-se. Se estão preocupados com o tempo, arranjem um guarda-chuva.

TUCKER: Nessa linha, como é que vê o movimento dos transgéneros?

PUTIN: É interessante para mim que todas as coisas que costumavam ser alvo de chantagem são agora distintivos de honra. Na Rússia não há leis para ambos os lados, mas certamente não forçamos os nossos filhos a isso.

TUCKER: A Rússia tem sido criticada pelas suas leis anti-gay e por ser pouco amigável com os LGBTQ+.

PUTIN: Temos leis que protegem as nossas crianças. E não cobrimos as nossas embaixadas com bandeiras do arco-íris. Isso é correto. Por outro lado, não interferimos na vida privada dos cidadãos adultos.

TUCKER: Acompanha os desportos americanos? Estamos prestes a ter a Super Bowl.

PUTIN: De facto, sim. A Rússia é uma grande nação desportiva. Recebemos recentemente os Jogos Olímpicos de inverno e o Campeonato do Mundo de Futebol. Gostamos de todos os desportos.

TUCKER: O que é que acha do futebol americano?

PUTIN: É um desporto interessante. Mas porque é que lhe chamam futebol americano quando a bola é quase sempre jogada com as mãos? Também parece desnecessariamente violento, por vezes.

TUCKER: Isso é verdade. Vai estar a assistir?

PUTIN: O jogo não será exibido na Rússia.

TUCKER: Então também não vai ver a Taylor Swift?

PUTIN: Não. Fomos dispensados.

TUCKER: Obrigado, Presidente Putin, pelo seu tempo.

07/Fevereiro/2024

ÚLTIMAS NOTÍCIAS