22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Entre a catástrofe de 1948 e a corrente de 2024.

Heba Ayyad*

Estes dias marcam o septuagésimo sexto aniversário da Nakba, e o povo palestino vive em condições diferentes das que não testemunhava desde a sua primeira versão dessa tragédia anunciada. Há quase consenso de que o que está acontecendo agora em Gaza, especialmente na Cisjordânia, incluindo Jerusalém, é uma segunda Nakba, mais feroz, mais profundamente ferida e mais sofrida do que a de 1948. Parece a todo povo palestino que a Entidade Sionista, enquanto travava uma guerra de extermínio em Gaza e na Cisjordânia, tenta agora completar os episódios restantes da guerra de limpeza étnica, destruição em massa e desenraizamento abrangente que levou a cabo em 1948. A ideia de eliminar completamente a presença palestina transformou-se numa cultura geral e numa convicção que atravessa partidos, seitas e origens.

Novos partidos foram formados, especialmente após a segunda intifada, apelando à limpeza étnica e à tomada abrangente de todas as terras palestinas, cortando os laços da existência palestina e transformando a população em pequenos guetos que não conseguem comunicar entre si. A classe política fascista que governa a entidade acredita que a oportunidade já está madura e deve ser explorada para completar o que não foi conseguido na primeira Nakba. Mas a que o povo palestino em geral e os residentes da Faixa de Gaza em particular estão presenciando, apesar das tragédias que acarreta, traz consigo um estado de ascensão, confronto e firmeza sem precedentes, e anuncia a chegada de um amanhecer brilhante após a mais escura de uma noite sangrenta que se abateu sobre todos nós e deixou feridas profundas em nossos corações que não cicatrizarão com o tempo. Desde 2007, o povo palestino na Faixa de Gaza pagou o preço da firmeza e de não ser arrastado para a maligna Praça de Oslo. Se os seus episódios tivessem sido concluídos com o cerco a Gaza e a resistência ali, a ocupação teria sido capaz de declarar oficialmente sua vitória e a derrota do projeto nacional palestino lançado em meados da década de 1960.

Gaza foi sitiada por terra, mar e ar. Foi submetida a ataques que não cessaram desde 2006, começando com a Operação “Autumn Clouds” em Beit Hanoun em novembro de 2006, seguida pela Operação Chumbo Fundido entre 27 de dezembro de 2008 e 18 de janeiro de 2009, e depois pela Operação Pilar de Defesa, de 14 de novembro a 22 de agosto de 2012, seguida pela Operação Margem Protetora entre 7 de julho e 26 de agosto, passando pelas marchas de retorno em 2018 e 2019, e até a Operação Guardião dos Muros em maio de 2021. O que resta à resistência senão defender-se e ao seu povo, e responder à arrogância do inimigo sionista? Será que a opção de “negociações” que o grupo de Oslo levantou e se comprometeu a tentar convencer alguém a segui-la após todas as práticas que os palestinos testemunharam no terreno na Cisjordânia e em Jerusalém?

Adotar esta opção por mais de 30 anos não foi uma continuação da Nakba de 1948? Não foi Oslo a saída através da qual os normalizadores árabes entraram e transformaram as forças revolucionárias num dispositivo de coordenação de segurança? Serve o projeto nacional que os adeptos ao evento de Oslo elogiam? Deste contexto surgiu a operação de 7 de outubro, que, apesar de ter algumas falhas populistas, após o influxo de pessoas para participar de forma desorganizada ou deliberada, comprovou dois fatos básicos: que a possibilidade de derrotar este inimigo arrogante é possível e, em segundo lugar, que a opção de resistência é a única que fere e obriga o inimigo a pagar um preço elevado, mesmo um preço muito elevado, pela ocupação. Este aniversário também passa, independentemente das tragédias, e há uma ascensão palestina, árabe, islâmica e internacional a nível popular na vitória da Palestina. A atenção internacional agora não se desvia muito de Gaza. Pode oscilar para a direita ou para a esquerda, mas volta a apontar para Gaza.

A questão da Palestina está no topo da agenda das Nações Unidas. Não passa uma semana sem que o Conselho de Segurança realize uma ou duas sessões sobre a Palestina. Adotou três resoluções sobre Gaza? Os Estados Unidos usaram seu veto 4 vezes. O Conselho emitiu declarações, a última das quais na sexta-feira, 10 de maio, sobre a necessidade de investigar as valas comuns descobertas nos pátios dos hospitais de Gaza. A Assembleia Geral emitiu duas resoluções sobre o cessar-fogo, a primeira em outubro recebeu 120 votos positivos e a segunda em dezembro recebeu 153 votos. A Assembleia Geral também votou em 10 de outubro a favor da elegibilidade da Palestina para ser um Estado-membro de pleno direito e concedendo-lhe cerca de 10 privilégios que só são concedidos a Estados independentes. O projeto de resolução foi adotado por uma maioria de 143 países. Os Estados Unidos, que abortaram no Conselho de Segurança em 18 de Abril o projeto de resolução argelino que apelava ao reconhecimento da Palestina como um Estado de pleno direito, encontraram-se completamente isolados e apenas sete países apoiaram eles e a entidade sionista, quatro dos quais ninguém sabe onde eles estão no mapa (Nauru, Palau, Micronésia e Papua Nova Guiné).

O Tribunal Internacional de Justiça foi palco de um julgamento legal para uma entidade relativamente à guerra de genocídio que está a travar contra o povo palestino, que está sob a ocupação mais feroz da história contemporânea. O Tribunal exigiu que Israel, de acordo com as suas obrigações ao abrigo da Convenção sobre o Genocídio, “tomasse todas as medidas dentro da sua autoridade” em relação aos palestinos em Gaza para evitar a prática de atos de genocídio. O tribunal emitiu uma ordem clara a Israel para garantir, com efeito imediato, que o seu exército não cometa qualquer ato que constitua o crime de genocídio, para prevenir e punir a comissão de genocídio e o incitamento à sua prática contra os palestinos em Gaza, e para tomar medidas imediatas e medidas eficazes para permitir a prestação de serviços básicos e assistência humanitária. Israel, como sempre, vira as costas ao direito internacional, ao tribunal, aos juízes e ao mundo inteiro.

As manifestações pró-Palestina espalharam-se pela maioria dos países do mundo, de Santiago a Sydney, de Berlim a Londres, Paris e Roma, de Nova Iorque e Washington a Chicago, Dallas, Filadélfia e São Francisco, de Amã à Tunísia, de Rabat a Casablanca, de Sanaa e Taiz a Beirute, Trípoli, Bagdá e Basra. Com exceção de alguns dos países árabes de normalização anteriores e posteriores, mas não todos, que enterraram a cabeça na areia e restringiram os movimentos das massas, como se o assunto não os preocupasse, pois, o mundo inteiro apoia a Palestina, resistência e firmeza, enquanto alguns países árabes estão ocupados com festivais, canções e competições.

A revolução estudantil nos Estados Unidos não tem precedentes. O movimento começou na Universidade de Columbia e se estendeu para outras universidades de Nova Iorque e depois para cerca de 200 universidades. Depois, a revolta estudantil atravessou a fronteira para o Canadá e atravessou o oceano, desembarcando nas universidades da França, Grã-Bretanha, Espanha e Países Baixos, até chegar à Austrália, Nova Zelândia, Japão e Tunísia. Slogans semelhantes foram levantados por estudantes: parar a guerra de genocídio, libertar a Palestina, retirar investimentos da entidade e cortar laços com universidades sionistas.

A entidade está quase em colapso econômico, moral, político e social. Centenas de milhares fugiram para suas áreas de origem. Um terço da população não vê futuro para essa entidade, segundo pesquisas de opinião recentes. As divisões sociais aumentam e quase levam a confrontos violentos.

A guerra de extermínio em Gaza pintou pela milésima vez o verdadeiro quadro de que Israel quer que os palestinos desapareçam da história e da geografia. Será que as negociações falharão nesse objetivo, ou será que a resistência, a firmeza, o confronto e uma manifestação dos povos árabes e islâmicos e dos amantes da justiça e da paz em todo o mundo serão a causa mais justa da história moderna? O amanhecer está chegando apesar dos sacrifícios. Um povo alcançou sua liberdade, independência e soberania exceto através de sacrifícios? Portanto, essa memória é diferente das suas antecessoras. Estamos à beira da liberdade, independência e soberania.

*Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS