Brasília, 24 de janeiro de 2022 às 14:07
Selecione o Idioma:

Sem Titulo

Postado em 17/12/2015 5:28

Empresariado boliviano cumpriu plano de investimento anual

.

 

La Paz, (Prensa Latina) O empresariado privado boliviano cumpriu seu compromisso de investir três bilhões de dólares para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, reflete hoje um boletim da Câmara Nacional de Comércio (CNC).

“As empresas privadas cumpriram o estabelecido, tanto em investimento nacional como estrangeiro”, afirmou o presidente da CNC, Fernando Cáceres.

Na nota, Cáceres anuncia que o relatório foi enviado ao ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, que o entregará posteriormente a seu homólogo de Economia, Luis Arce.

A medida, segundo Cáceres, foi assumida pelo presidente da Confederação de Empresários Privados da Bolívia (CEPB), Ronald Nostas, no mês de junho passado durante a promulgação da Lei de Conciliação e Arbitragem.

Na opinião do presidente da CNC, o apoio dos empresários privados é importante para a economia nacional e ratificou que continuarão oferecendo-o para o bem do país.

A respeito, declarou que para 2016 analisarão com autoridades governamentais a proposta do presidente Evo Morales de que os empresários privados invistam cerca de quatro bilhões de dólares na próxima gestão.

“Vamos abordar o tema através do diálogo com os dirigentes do país para gerar as condições e elevar os investimentos”, manifestou Cáceres no documento.

O diretor também expressa no relatório que para 2016 a economia boliviana crescerá em 4,5 por cento, “mas isto dependerá do fluxo de recursos que serão investidos, através das Reservas Internacionais Líquidas e do financiamento externo”.

Será um ano difícil para a economia, disse, “por isso devemos melhorar a produtividade das empresas e fortalecer a articulação público-privada para institucionalizar a estabilidade econômica”, ressaltou.

Em 2015, o PIB da Bolívia, segundo cálculos do Instituto Nacional de Estatísticas e do Ministério de Economia, oscilará entre 4,6 e 4,8 por cento, embora aspira-se que possa chegar a cinco.

Comentários: