26.5 C
Brasília
segunda-feira, 20 maio, 2024

Eleições no México: 469 candidatos recebem proteção após 27 assassinatos durante disputa

O atual presidente do México, conhecido pelas iniciais AMLO, deixará o cargo já que o país não tem reeleição – Rodrigo Arangua / AFP

Três candidatos presidenciais contam com 24 seguranças cada: Claudia Sheinbaum, Xóchitl Gálvez e Jorge Álvarez Máynez

Redação

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Em meio à onda de violência que resultou na morte de 27 candidatos durante a disputa eleitoral no México, 469 candidatos receberam proteção do governo até esta terça-feira (14). O anúncio foi feito por Luis Crescencio Sandoval, titular da Secretaria de Defesa Nacional (Sedena).

Para a proteção dos candidatos a cargos públicos em níveis municipal, estadual e federal foram destacados 2.912 oficiais da Sedena e da Guarda Nacional (GN). Três candidatos presidenciais do México passaram a ser protegidos por 24 policiais cada:  Claudia Sheinbaum, da coalizão governista Sigamos Fazendo História, Xóchitl Gálvez, da coalizão oposicionista Força e Coração pelo México, e Jorge Álvarez Maynez, do minoritário Movimento Cidadão.

Também recebem proteção 11 candidatos a governador, com 10 policiais cada. Para os 165 candidatos ao Senado e à Câmara de Deputados, 286 candidatos a deputados locais e prefeituras e quatro funcionários eleitorais que solicitaram proteção, serão disponibilizados seis policiais para cada.

No último dia 23 de abril, o presidente Andrés Manuel López Obrador informou que 360 candidatos estavam recebendo proteção. Nos últimos 21 dias, houveram 109 novas solicitações.

Segundo o projeto Votar entre balas desde setembro de 2023, quando teve início a corrida eleitoral, foram registrados no México 228 assassinatos relacionados à disputa. Além de candidatos, o projeto considera como vítimas eleitorais familiares, funcionários públicos, membros partidários, autoridades eleitorais e oficiais de segurança.

O projeto contabiliza apenas os ataques realizados por grupos organizados e de acordo com essa metodologia, contabiliza apenas as vítimas de ataques com armas de fogo de alto calibre, utilizadas por esses grupos. Não são contabilizados assassinatos cometidos com armas brancas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS