23.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Eleição da Argélia como vice-presidente da Organização para a Proibição de Armas Químicas

HAIA – A Argélia foi eleita quinta-feira, por ocasião da 105ª sessão do Conselho Executivo da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) para representar a região africana, na pessoa da Embaixadora Salima Abdelhak, Representante Permanente da Argélia para da OPAQ, para ocupar o cargo de vice-presidente do mesmo Conselho.

A Representante Permanente da Argélia junto à Organização para a Proibição de Armas Químicas, Embaixadora Salima Abdelhak, foi eleita para um mandato de um ano com início em 12 de maio de 2024.

Durante o debate geral da 105ª sessão do Conselho Executivo da OPAQ, que se realiza em Haia de 5 a 8 de março, a Sra. Abdelhak alertou sobre “os riscos do ressurgimento de armas químicas e a ameaça da sua utilização por grupos não estatais, particularmente no contexto dos conflitos armados que o mundo atravessa actualmente.

Ela expressou “as preocupações da Argélia em relação à tragédia palestina e condenou os atos e atrocidades cometidos pelo ocupante israelense contra o povo palestino, em flagrante violação do direito internacional”. Ela enfatizou “o risco de que a potência ocupante recorra ao uso de armas químicas na sua guerra contra os palestinos, dado que a ocupação sionista não é membro da Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas e não é limitada pelas suas disposições.

Neste contexto, expressou “o apoio da Argélia ao pedido de assistência apresentado pelo Estado da Palestina ao Secretariado Técnico solicitando a abertura de uma investigação sobre o uso destas armas na Palestina”. Ela convidou ainda o Secretariado Técnico a fornecer regularmente aos Estados-Membros informações sobre os resultados das suas investigações.

Abdelhak sublinhou que “a situação desastrosa em Gaza recorda a necessidade da Organização para a Proibição de Armas Químicas continuar os seus esforços para garantir a universalidade da Convenção sobre Armas Químicas e a obrigação de todos os Estados cumprirem as suas disposições.

O Representante Permanente da Argélia junto da Organização para a Proibição de Armas Químicas também “destacou a crescente ameaça do terrorismo químico devido à proliferação de focos de tensão, onde grupos terroristas poderiam estar envolvidos, contando com desenvolvimentos tecnológicos, em particular inteligência artificial, que permite o acesso a técnicas de fabricação e ao desenvolvimento de armas químicas.

A Sra. Abdelhak defendeu o fortalecimento da cooperação internacional, com base nas orientações da Quinta Conferência de Revisão, no trabalho do grupo de trabalho sobre terrorismo e na implementação do Artigo 10 da Convenção, com o objetivo de nos protegermos e nos protegermos contra estes ameaças.

Ela também saudou “o grande sucesso” do evento regional, neste caso Chemex África 2023, organizado pela Argélia em colaboração com o Secretariado Técnico da Organização para a Proibição de Armas Químicas, de 23 de setembro a 4 de outubro de 2023 e considerou-o “um modelo de cooperação de sucesso”. Ela também aplaudiu a decisão da OPAQ de organizar a segunda edição em África em 2025 e de expandi-la para a região latino-americana.

Por último, a Embaixadora Salima Abdelhak expressou “a vontade da Argélia de partilhar as experiências e lições aprendidas com a primeira edição deste exercício”.

A eleição da Argélia na pessoa do Embaixador Representante Permanente da Argélia junto desta Organização, que coincide com a comemoração do Dia Internacional da Mulher, é mais uma prova da participação das mulheres na diplomacia argelina e do seu compromisso em fortalecer o estatuto da Argélia no âmbito internacional. organizações e defender os seus interesses e salvaguardar a sua reputação.

Fonte: APS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS