15.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

El Salvador: vulcões à espreita e possíveis tragédias por vir

San Salvador (Prensa Latina) A presença de vulcões ativos e outros envoltos em sono eterno, como o vulcão de San Salvador, chamado Boquerón, mantém sempre os moradores em alerta.

Por Luis Beaton/Correspondente-chefe em El Salvador

Durante anos, nenhuma tragédia ocorreu na simbiose de vulcões e terremotos que se reúnem neste país.

Nos últimos dias lembrou-se a quinta-feira, 7 de junho de 1917, quando “a movimentada e próspera cidade de San Salvador teria uma das noites mais trágicas da história”, como expressa uma crônica em que o historiador Carlos Cañas Dinarte aborda o tragédia que deixou os salvadorenhos de luto.

Dinarte afirma que os moradores da capital foram vítimas de um terremoto que afetou os municípios Sonsonatec da Armênia, San Julián (oeste), bem como os de La Libertad: Sacacoyo, Tepecoyo, Ateos e outros locais localizados à beira do grande falha que se estende na cadeia costeira que vai de Caluco, em Sonsonate (oeste), até a drenagem do Lago Ilopango, em San Salvador (centro).

Segundo Dinarte, durante a noite ocorreram mais dois sismos e entre o segundo e o terceiro, que ocorreram entre as 7h30 e as 8h45 da noite, “o vulcão de San Salvador é recortado contra o fundo da noite, pelas chamas. que “Eles emergem de vários pontos de sete rachaduras nas crateras secundárias que foram causadas por terremotos de magnitudes entre 5,4 e 6,7 graus na escala Richter.”

A tragédia bateu à porta dos salvadorenhos. O cronista relatou que “das 9 mil casas que existiam na capital salvadorenha, 200 ficaram intactas e cerca de 1.050 pessoas morreram na noite da tragédia em San Salvador”.

Aquela foi a última erupção do gigante que hoje dorme, mas que a dada altura poderá fazer-se sentir e que está sob constante vigilância do Ministério do Ambiente e dos Recursos Naturais (MARN).

No dia da explosão, o fluxo de lava percorreu pelo menos 7 quilómetros e atingiu a autoestrada entre Quezaltepeque e Sitio del Niño, resultando em mortes e destruição.

Muitos se perguntam se ele poderia acordar novamente? Tudo é possível, até alarmes falsos como o que ocorreu no dia 3 de abril, quando moradores do cantão El Carmen, nas encostas do vulcão, relataram emanações de gases saindo da terra.

No entanto, tudo não passou de um acidente atribuído a uma válvula subterrânea da rede de água potável.

Ao chegar à superfície, levantou a poeira do entorno e gerou o aparecimento de emanações de gases ou fumaça”, afirmou o Ministério do Meio Ambiente por meio de suas redes sociais, mas houve alarme.

As previsões são feitas em todo o país, inclusive na capital, onde é mantido o monitoramento constante do complexo vulcânico de San Salvador, com rede de estações sísmicas e câmera de monitoramento constante, com medições de temperatura, amostragem de água e gás.

UM TOQUE DE GEOGRAFIA

Terremotos, tsunamis e erupções vulcânicas afetam o chamado Anel de Fogo do Pacífico há décadas e ceifam a vida de milhares de pessoas e até mudam a estrutura do planeta, e El Salvador, junto com cerca de 25 nações, faz parte desta cobra de fogo que a torna vulnerável à região devido a desastres, e alguns desses acontecimentos que marcaram a história pelo seu nível de devastação.

O Cinturão do Pacífico ou Anel de Fogo é uma área geográfica de 40 mil quilômetros que atravessa a América, a Ásia e parte da Oceania. Esta área é conhecida pelo seu grande potencial destrutivo devido às placas tectônicas e aos vulcões que abriga.

A ameaça é latente. Por exemplo, anos de observações e estudos levaram especialistas a prever o “Big One”, um enorme e temido terramoto que dizem ocorrer na Califórnia, Estados Unidos, e que é hoje objecto de especulações e das mais variadas interpretações, incluindo a sua prováveis ​​efeitos devastadores são recriados em filmes que antecipam a tragédia do terremoto com um tsunami devastador.

Alguns dos habitantes da grande metrópole de Los Angeles vivem com um medo interno, porque parecem convencidos de que o desastre se aproxima em tempo real, e não aparecerá mais como um esquema criado por computadores.

Estudos indicam que já começou a contagem regressiva para que ocorra o rompimento da falha de San Andreas, que agora seria maior do que quando atingiu a região em 1857 com sua força de 7,9 graus de magnitude na escala aberta Richter e percorreu 400 quilômetros entre Condados de Monterrey e San Bernardino.

Alguns especialistas consideram que agora este choque monstruoso pode atingir 8,1 graus e avançar cerca de 700 quilómetros numa região altamente povoada desde o condado de Monterrey até Salton Sea, no norte do estado, onde está localizada uma das maiores economias do mundo e o “ saladeira” dos Estados Unidos.

Num estudo publicado sobre a falha de San Andreas na revista Geology, Lisa Grant, da Universidade da Califórnia, argumentou que o próximo terramoto pode estar mais próximo do que se imagina e o número de mortos é estimado em dezenas de milhares quando ocorrer. Um no sul da Califórnia.

As estatísticas mostram uma pequena parte do que pode acontecer. Algo que se imagina ser aterrorizante e extremamente perigoso. Contando o condado de Los Angeles e as cidades da região, estima-se que existam 10.000 bombeiros, mas a população chega a 10 milhões de pessoas.

Predição dos adivinhos ou reafirmação das previsões científicas, por enquanto só nos resta torcer para que a Terra trema e que o Grande não leve consigo muitos mortais.

Mas não é apenas na Califórnia e nas suas grandes cidades que a ameaça paira. 90% da atividade sísmica do planeta ocorre no cinturão, dando origem a 80% dos terremotos mais fortes da história. O Oceano Pacífico repousa sobre pelo menos seis placas que estão em constante atrito e movimento, o que significa que a área está sempre ativa.

Da mesma forma, 75% dos vulcões ativos e inativos do mundo estão localizados lá, incluindo os subaquáticos, e também crateras muito perigosas como Krakatoa (Indonésia), Monte Fuji (Japão), Tungurahua (Equador) e Popocatépetl (Don Goyo (México). ).

No caso de El Salvador, a caldeira localizada no Lago Ilopango é um dos vulcões ativos do país, considerado altamente perigoso devido à sua história marcada por erupções explosivas de grande magnitude, que afetaram todo o universo com suas nuvens de cinzas. vezes.

O Anel de Fogo é composto na América: Estados Unidos, Canadá, México, Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Chile e Argentina, enquanto na Ásia Japão, Rússia, Taiwan, Filipinas, Indonésia, Singapura e Malásia e na Oceania, Nova Zelândia, Ilhas Salomão e Samoa.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS