22.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

El Salvador e seus milhares de desaparecidos

San Salvador (Prensa Latina) Os desaparecidos, os da guerra e os mais recentes, são um problema insolúvel que El Salvador arrasta ao comemorar hoje o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados.

A véspera foi comemorada com uma exposição de fotos de pessoas das quais não se tem notícias em frente à Catedral Metropolitana desta capital e como elemento distintivo a maioria dos que não aparecem são jovens e mulheres cujos familiares pedem as autoridades e pedir pesquisas.

Os números conservadores indicam que durante a guerra entre 1979 e 1992, pelo menos 5.000 pessoas foram listadas como desaparecidas, incluindo muitos rapazes e raparigas que não foram mortos pelo exército, mas foram entregues a familiares ou amigos que os registaram como seus.

O assunto chamou a atenção quando grupos de famílias acionaram a Procuradoria-Geral da República para ajudá-los a procurar entes queridos que não se perderam no século passado e neste, e cujo paradeiro é desconhecido.

Os demandantes querem saber sobre seus entes queridos e “quem ou quem são os responsáveis ​​por estes acontecimentos e cujas famílias ficaram sem receber a atenção adequada das autoridades… pretendem reiterar o apelo à necessidade de o Estado tomar medidas concretas medidas para lidar com o problema”, indicam os porta-vozes.

Daqueles cujo paradeiro é desconhecido, a maioria está denunciada nos departamentos de San Salvador, La Libertad, Sonsonate e Santa Ana.

Um desses casos é o de José Elizar Elizondo, um menino de 14 anos que desapareceu há mais de 10 anos, especificamente em 4 de junho de 2011, e desde então sua mãe, Miriam Elizondo, o procura.

Poucos esperam que haja resposta a casos como o de Oscar Alexis Arévalo, um jovem desaparecido em janeiro de 2022, quando ainda hoje a guerra dos milhares permanece nas sombras.

“Decidimos fazer uma homenagem em homenagem aos desaparecidos que compõem os casos do Bloco de Busca, que são 35. Esta exposição fotográfica tem como objetivo tornar visíveis os rostos dos nossos entes queridos desaparecidos, a data em que desapareceram e dar uma mensagem aos do Estado, que são os principais responsáveis ​​pela sua localização”, explicou Idalia Zepeda.

Membros da Associação Salvadorenha de Direitos Humanos, como Zepeda, reuniram-se para denunciar os casos perante a Procuradoria-Geral salvadorenha de tantos casos não resolvidos.

Agora e há muito tempo que as vítimas e as organizações pedem ao Executivo que acrescente à sua agenda política “a questão do desaparecimento de pessoas, porque é uma questão muito complexa” e a Assembleia Legislativa deveria aprovar regulamentos que incluam prevenção, investigação , justiça, reparação integral e não repetição.

O Balanço Humanitário 2022-2023 do Comité Internacional da Cruz Vermelha assegurou que em El Salvador houve 692 pessoas desaparecidas em 2022.

Em geral, as vítimas são jovens e, no caso das mulheres jovens, a maioria é encontrada assassinada, abandonada em parques públicos ou em terrenos baldios.

A estes números somam-se os supostos desaparecimentos no âmbito do regime de emergência e que, em muitos casos, as autoridades negam informações após serem detidas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS