20.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

El Salvador e o fenômeno Bukele (+Fotos +Vídeo)

San Salvador (Prensa Latina) A chegada do presidente Nayib Bukele ao governo de El Salvador em 2019 é motivo de reflexão e estudo por parte de grupos de reflexão e especialistas que, em alguns casos, consideram a sua forma de governar e fazer política como “algo extraordinário”. e surpreendente.”

Luis Beaton

Correspondente-chefe em El Salvador

Num contexto político dominado no início deste século por dois partidos, a Aliança Republicana Nacionalista (Arena) e a Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), a figura do atual presidente surgiu para quebrar o tradicional sistema bipartidário.

Ganhou popularidade num contexto de desencanto político, e a sua ascensão e o sucesso da sua gestão são atribuídos a uma campanha bem financiada e orquestrada nos meios de comunicação social e nas redes sociais, onde esta figura se apresenta como uma referência “virtual” de boas práticas tanto no país como em outros.

Isto, principalmente da América Latina, onde as pesquisas o colocam à frente de qualquer mesa que mede o desempenho dos governantes da região.

Óscar Picardo, diretor do Instituto de Ciências, Tecnologia e Inovação da Universidade Francisco Gavidia, acredita que o progresso de Bukele se deve ao desencanto com as políticas públicas anteriores e ao foco em questões de segurança, como o estado de exceção e as prisões em massa .

Apesar das controvérsias e dos “danos colaterais”, os crimes em El Salvador diminuíram consideravelmente sob Bukele. A taxa de homicídios no final de Setembro caiu da mais alta do mundo para a mais baixa do Hemisfério Ocidental: 2,3 por 100.000 habitantes em 2023, uma diferença abismal desde o início do seu governo.

No caso de Bukele, é preciso dizer que não há nenhuma declaração, publicação ou análise na imprensa ou mídia política onde algum resultado positivo não lhe seja atribuído. Picardo deu a sua opinião sobre esta realidade que é valorizada por especialistas e analistas na procura de uma explicação.

“Acho que Bukele, explicou, foi muito radical, e teve a sorte de tocar no ponto central da segurança, com a questão do estado de exceção, da captura em massa, da prisão onde confina mais de 72 mil terroristas. ”

Isso de certa forma gerou o culto à personalidade e é visto por alguns como um fenômeno político, sem lógica ou ideologia clara. Sua popularidade é alta, com pesquisas que o colocam como a figura mais importante para os salvadorenhos, disse Picardo.

Criticado por setores da direita, da esquerda e pode-se dizer que pela maior parte do espectro político é difícil situá-lo em qualquer corrente, embora seja visto como um populista próximo dos Estados Unidos e da China, mas com uma marca distintiva, própria na vontade de alcançar resultados.

Em termos concretos, o seu governo enfrenta sérios desafios económicos: externamente a renegociação da dívida, internamente o aumento dos preços dos alimentos e uma diminuição das importações, exportações e investimento estrangeiro.

Recentemente, a economia ultrapassou a segurança como a maior preocupação da população, segundo uma pesquisa denominada “Avaliação Cidadã da Gestão Municipal 2023”, do Centro de Estudos de Opinião Pública (CEOP), da Fundação Guillermo Manuel Ungo (Fundaungo).

Sete em cada 10 entrevistados estimaram que o custo de vida aumentou nos últimos três meses e a economia é o principal problema, embora a segurança não tenha deixado de representar a principal carta que o presidente levanta para aspirar à reeleição, voto que é cunhado pelas consultas.

88,5 por cento dos inquiridos durante a amostragem estimaram que há um aumento do preço da cesta básica, que nos últimos meses ultrapassou os 250 dólares, um limite nunca alcançado na zona urbana e que poderá ter impacto nas urnas em 2024.

No entanto, a economia avança com uma projecção do Banco Central de Reserva de um crescimento de 2,6 por cento, que combina a queda das exportações e o aumento das remessas.

A projeção oficial é a mais próxima dos 2,1% previstos pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) ou dos 2,4% considerados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

En términos políticos, Bukele cambió su postura de oposición a la reelección y, si mantiene la alta popularidad, acudirá a las urnas para seguir en el gobierno en junio de 2024, lo cual puede ser favorecido por su gran control sobre las instituciones y los recursos do Estado.

O principal desafio para as eleições é o abstencionismo e os votos nulos, que representam cerca de 20 por cento nas sondagens. No entanto, a sua elevada popularidade dá-lhe uma vantagem considerável e muito poucos estimam que não ganhará outro mandato presidencial.

Sem dúvida, o actual presidente emergiu como uma figura política proeminente num clima de desencanto político e de foco nas questões de segurança.

Seu estilo de liderança e popularidade gerou uma espécie de deificação entre seus compatriotas, apesar de os bolsos dos salvadorenhos enfrentarem desafios econômicos que podem, em alguns casos, levar à pobreza extrema ou à fome, segundo avaliações de agências das Nações Unidas como a FAO. ou o Programa Alimentar Mundial.

No entanto, o governante encontra-se numa posição sólida face às próximas eleições, em Fevereiro de 2024, em que a oposição, tanto de esquerda como de direita, está em total fragmentação devido à incapacidade de unir forças para o confrontar.

Tem muito cálculo político, digamos relojoaria, filigrana, ou seja, acho que o Bukele também está gerando condições de muito medo. Aqui o empresariado está em pânico, a academia é igual, ninguém fala contra, então esse clima vai manter”, avaliou.

Assim como outros analistas, Picardo reiterou que Bukele acertou no tema e no tratamento dos problemas de segurança, sem descartar uma campanha de culto à personalidade bem articulada e financiada que lhe rendeu, em homenagem, uma escultura do artista salvadorenho Carlos Chávez.

Apesar dos danos colaterais dos inocentes, indicou, os homicídios despencaram, as pessoas estão calmas nas comunidades, muitas pessoas dizem isso e acho que foi fortuito e benéfico para ele. Agora, 95,6% dos salvadorenhos consideram-no a melhor coisa do seu presidente.

Dependendo do impacto da economia, para alguns o pior do momento, teremos que ver se há uma deterioração ou uma queda que possa influenciar a reeleição, até hoje algo que não está previsto no chamado Pequeno Polegar das Américas.

A seu favor está o fato de ser um jovem político que conhece o mundo das comunicações e das redes sociais e aponta o passado com muita vitalidade mesmo tendo feito parte da FMLN, mas se distancia e se distancia de um modelo disruptivo que conecta-se muito intimamente, é bom com as pessoas emocionalmente.

Para muitos analistas, estamos diante de um fenômeno de culto na figura de Bukele, com altos índices de popularidade, fazendo coisas que não têm lógica política ou ideológica, disse Picardo à Prensa Latina.

A última pesquisa da UFG mostrou que 39,5 por cento dos cidadãos disseram que o mais importante para eles é Bukele, depois a religião, com 38,9, afirmou o especialista.

Apesar de alguns escândalos envolvendo parlamentares do Novas Ideias e figuras do governo, como o assessor de segurança nacional, Alejandro Muyshondt, o que é atribuível a um desgaste típico de mais de quatro anos, onde começam a haver fissuras e alguma correlação eleitoral, Bukele mantém sua charme para a maioria da população.

Colaboraram neste trabalho:

Amélia RoqueEditora Especial Prensa Latina
Laura EsquivelEditora Web Prensa Latina

ÚLTIMAS NOTÍCIAS