14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Do rio ao mar, forjando o verdadeiro significado do slogan.

Fonte da imagem: Reuters

Heba Ayyad*

Uma das coisas estranhas é que o slogan “Do Rio ao Mar” pode ser usado pelos sionistas e não desperta a sensibilidade de ninguém, e ninguém protesta contra o seu uso. No entanto, quando os palestinos o usam, torna-se um programa anti-semita e um apelo à destruição de Israel e à morte de todos os que nele vivem. O slogan está longe daquele para os palestinos. Qual é o significado deste slogan apresentado pelos lados palestino e sionista? A apresentação sionista do slogan no dia 24 de setembro de 2023, o Primeiro-Ministro da entidade subiu ao pódio da Assembleia Geral das Nações Unidas na sua septuagésima oitava sessão, vangloriando-se de um avanço iminente na normalização com o Reino da Arábia Saudita, e levantou um mapa do que ele chamou de Estado de Israel em 2023 em comparação com o que era em 1948. No mapa, não há vestígio da Palestina: sem Cisjordânia, sem Gaza, sem Jerusalém Oriental, sem nome, sem fronteiras. Em vez disso, acrescentou o mapa de Netanyahu, as Colinas de Golã sírias ocupadas ao seu “suposto estado”. Naquela altura, não encontramos ninguém que se opusesse ao mapa, especialmente os hipócritas países ocidentais, que nos fizeram perder a cabeça com a solução dos dois Estados. Todos permaneceram em silêncio e engoliram a isca venenosa, e os ministros das Relações Exteriores árabes não recuaram, como faziam antigamente.

A Organização para a Libertação da Palestina usou a frase “libertar a Palestina do rio para o mar” para significar um único estado secular e democrático que substituiria Israel, no qual todos os cidadãos desfrutariam de igualdade.

Esta não é a primeira nem a última vez que os líderes do movimento sionista repetem que o objetivo final é estabelecer um estado judeu puro do rio ao mar. Em vez disso, as suas ambições eram maiores no início do movimento. Foi chamado de “Grande Israel”. O fundador do movimento, Theodor Herzl, publicou seu livro “O Estado Judeu” em 1896, antes da primeira conferência realizada em Basileia, na Suíça, e aprovou o princípio do estabelecimento de um estado puramente judeu. As questões não foram resolvidas até a sexta conferência em 1903, onde aprovou-se a Palestina como o estado do futuro. A percentagem de judeus na Palestina naquela época era superior a 6%.

Vladimir Jabotinsky, um dos fundadores de milícias judaicas extremistas, apelava à expulsão de todos os palestinos daquilo a que chamava “a Terra de Israel”. Seus seguidores cantavam uma canção que dizia: “O Rio Jordão tem duas margens: esta é nossa e a outra margem é nossa”. David Ben-Gurion, líder da Haganah e primeiro-ministro da entidade, recusou-se a demarcar as fronteiras do Estado de “Israel” para manter a porta aberta à expansão, controle e anexação. Ele respondeu à questão de onde ficam as fronteiras de Israel, dizendo: “Onde chegam os facões das FDI”. Desde o primeiro dia em que Israel ocupou o resto da Palestina em 1967, as operações de anexação, expansão e colonização começaram imediatamente. O muro que separava Jerusalém Oriental e Ocidental foi removido e as três aldeias muito próximas da Linha Verde foram removidas: Yalo, Emmaus e Beit Nuba na área de Latrun. O assentamento Ramot foi estabelecido perto de Jerusalém imediatamente, e as operações de demolição, construção de estradas e construção de postos avançados de assentamentos começaram. Foram arrogantes quando Golda Meir, então primeira-ministra da entidade, nascida em Kiev, negou em setembro de 1969 a existência do povo palestino. Em 1977, durante a campanha eleitoral do Partido Likud liderada por Menachem Begin, apresentou um slogan eleitoral que afirmava: “Do mar ao rio, só existe a soberania israelita”. Com a invasão dos assentamentos, e após os países árabes começarem a se retirar do campo de confronto e boicote, e chegarem a acordos de reconhecimento com a entidade, a começar pelo Egito, espalharam-se partidos extremistas e ideologias religiosas baseadas na negação de quaisquer direitos ao povo palestino. Os Acordos de Oslo de 1993, que minaram a unidade do povo palestino, a unidade da sua terra e a unidade dos seus objetivos, deram-lhes uma oportunidade de ouro para expandir a colonização e trabalhar para eliminar qualquer possibilidade de estabelecer um Estado palestino independente. Em 19 de julho de 2018, o Knesset adotou uma nova lei constitucional básica, que é considerada uma mudança ideológica perigosa na história do movimento sionista, chamada Lei da Nacionalidade.

62 membros do Knesset ratificaram-no e 55 opuseram-se, mas a sua revogação requer dois terços, o que significa que a sua adoção foi com grande dificuldade e por maioria simples, mas livrar-se dele é quase impossível. Pela seriedade desta lei, citamos as suas disposições mais importantes para definir o verdadeiro e prático significado do slogan “Do Rio ao Mar” para os Sionistas:

 R – A Terra de Israel é a pátria histórica do povo judeu, e nela foi estabelecido o Estado de Israel;

 B – O Estado de Israel é o estado nacional do povo judeu, no qual este exerce o seu direito natural, cultural, religioso e histórico à autodeterminação;

 C – O exercício do direito à autodeterminação no Estado de Israel é exclusivo do povo judeu;

 O terceiro artigo da lei afirma: Jerusalém completa e unida é a capital de Israel.

 Um dos artigos mais perigosos da lei é o que é afirmado no Artigo 7, relativo ao assentamento judaico, que afirma: “O Estado considera o desenvolvimento do assentamento judaico um valor nacional e trabalha para encorajá-lo e apoiar o seu estabelecimento e estabilização.” O acordo, que é universalmente considerado ilegal e viola o Artigo 49 da Quarta Convenção de Genebra, torna-se “um valor judaico que deve ser estabelecido e estabelecido”. Existe alguma dúvida sobre o que este slogan significa para os sionistas?

 Na sua campanha eleitoral para as eleições de novembro de 2022, Netanyahu sublinhou que não permitiria o estabelecimento de um Estado palestino entre o rio e o mar. Ele se gabou mais de uma vez de ter sido ele quem impediu o estabelecimento de um Estado palestino. Em fevereiro passado, o Knesset israelita votou por 99 votos a favor da declaração do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu rejeitando o estabelecimento de um Estado palestino “depois de aumentar os apelos internacionais para reconhecer o Estado palestino e relançar os esforços para alcançar uma solução de dois Estados”.

Compreensão palestina do slogan “Do rio ao mar”

Não existe nenhuma declaração, carta ou estatuto que exija a liquidação física dos judeus na Palestina, como afirmam os extremistas sionistas. O conceito estabelecido no estatuto do movimento Fatah em 1965 estipula que “a ocupação da Palestina não morre com prazo de prescrição, e que projetos e decisões que neguem ou diminuam o direito do povo palestino à sua pátria, independentemente da sua origem, internacional, árabe ou palestina, são inválidos, rejeitados e condenados”, de acordo com o Artigo 6. Quanto aos objetivos do movimento, se resumem na libertação completa da Palestina, na liquidação da entidade sionista, economicamente, politicamente, militarmente e culturalmente, e no estabelecimento de um Estado palestino independente, democrático e soberano sobre todo o território palestino, preservando aos cidadãos seus direitos legítimos com base na justiça e na igualdade, sem discriminação baseada na raça, religião ou crença, e Jerusalém será a sua capital, construindo uma sociedade progressista que garanta os direitos humanos e as liberdades públicas para todos os cidadãos.

Ao revisar a Carta da OLP adotada em 1968, a OLP prometeu cidadania igual para todos os judeus, incluindo aqueles que imigraram recentemente, caso abandonassem o sionismo. Assim, em 1969, a OLP usou a frase “libertar a Palestina do rio para o mar” para significar um único estado secular e democrático que substituísse Israel, no qual todos os cidadãos seriam iguais. O slogan “Do Rio ao Mar”, lançado em todas as manifestações ao redor do mundo, especialmente nas universidades, não é antissemitismo, como afirmam os defensores dos massacres, mas sim um apelo ao fim do sistema de colonialismo dos colonos, apartheid, discriminação, escravidão e ocupação baseadas no controle de um grupo étnico ou religioso sobre outro grupo étnico ou religioso e subjugando-o pela força para que permaneça sob o controle do poder dominante para sempre, se possível. Qual das duas partes está trabalhando para liquidar a outra? Qual dos dois partidos tem o direito de levantar a palavra de ordem “Do rio ao mar” sem a intenção de derramar sangue, matar violadores e liquidar outras raças e religiões?

*Heba Ayyad é jornalista internacional e escritora Palestina Brasileira.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS