26.5 C
Brasília
quinta-feira, 30 maio, 2024

Detalhes sobre a reunião dos três líderes da Argélia, Tunísia e Líbia: No centro de uma cimeira

Rachid Lourdjane/El Moudjahid

A Cimeira de Tunes, que reuniu os líderes de três países do Magrebe, Argélia, Tunísia e Líbia, encerrou os seus trabalhos com a adopção de medidas-chave visando a unificação das respectivas posições em prol da coesão tripartida como forma de garantir a estabilidade regional agora e a longo prazo.

Os trabalhos centraram-se em numerosos pontos sensíveis que dizem respeito ao presente e ao futuro da região, tanto do ponto de vista do desenvolvimento económico comum aos três países, como no desenvolvimento de novas actuações, para fazer face às dificuldades que se colocam para todos em termos de segurança. , em particular. A unidade das fileiras e a harmonia das posições políticas são a base de uma estratégia tão eficaz nas relações e na negociação com o mundo. No centro das conclusões, notamos o destaque das expectativas das pessoas para validar novas perspectivas que possam abrir uma cooperação tripartida, mais ousada e mais adaptada às exigências do momento, de acordo com o desejo reiteradamente apoiado pelo Presidente da República, Sr. Abdelmadjid Tebboune. Considerando o seu interesse estratégico, esta reunião histórica será regular. No comunicado final, os Presidentes Abdelmadjid Tebboune, Sr. país para o outro. O objetivo é alcançar um novo estágio qualitativo centrado na reflexão e na ação coletiva. O que implica a necessidade urgente, para os três países, de terem uma voz unificada e audível e uma presença influente e eficaz nos diferentes espaços regionais e internacionais de pertencimento. Sobre a necessidade de unificar posições e intensificar a consulta e a coordenação para fortalecer os factores de segurança, os líderes dos três países destacaram “a sua total disponibilidade para se abrirem a qualquer vontade política sincera e credível que partilhe as mesmas prioridades comuns construtivas para promover e enriquecer esta comunidade comum”. acção colectiva e aprofundar a compreensão e a cooperação ao serviço da segurança, estabilidade e desenvolvimento na região que deve ser protegida da política dos eixos e dos perigos da interferência estrangeira. Sublinharam “o apego dos três países à independência das decisões nacionais, emanadas da vontade dos respetivos povos, a preocupação em estabelecer relações com outros países e blocos regionais e internacionais, no quadro do respeito mútuo e da não ingerência na assuntos internos e o seu apego a uma ordem internacional multipolar que defende a cooperação, a solidariedade, a justiça e a equidade nas relações internacionais e a igualdade de todos perante o direito internacional.

Alerta contra o perigo de intervenções estrangeiras no Sahel

Os chefes de Estado dos três países insistiram na necessidade de “estender esta consulta e coordenação, para além das questões políticas, a todas as áreas do desenvolvimento socioeconómico em benefício dos povos dos três países, com vista a concretizar as suas legítimas aspirações de estabilidade, prosperidade e integração. Também “expressaram a sua total rejeição da interferência estrangeira nos assuntos líbios e o seu apoio aos esforços destinados a alcançar a organização de eleições capazes de preservar a unidade e integridade territorial da Líbia e garantir a sua segurança, a sua estabilidade e prosperidade, enfatizando ao mesmo tempo o papel fundamental dos países vizinhos da Líbia no apoio às autoridades líbias no processo de restauração da estabilidade e da segurança e nos esforços de reconstrução. O Comunicado Final também “condenou veementemente as flagrantes violações diárias, os crimes de guerra e o genocídio cometidos contra o povo irmão palestino, reiterando o apelo urgente à comunidade internacional para que ponha imediatamente fim à agressão bárbara, para o levantamento total do bloqueio imposto a na Faixa de Gaza, a fim de permitir a entrega de alimentos e ajuda médica e a acusação dos líderes da ocupação pelos seus crimes. Os três líderes, a este respeito, demonstraram “o seu apoio constante à resistência do valente povo palestiniano para a recuperação de todos os seus direitos históricos legítimos e o estabelecimento do seu Estado independente totalmente soberano, com El-Quds como sua capital, bem como como o seu apoio incondicional ao direito do Estado da Palestina de se tornar membro de pleno direito das Nações Unidas. Os líderes dos três países também “alertaram para o perigo das intervenções estrangeiras na região Sahelo-Sahariana e as suas repercussões na paz nos países da região e no mundo”, sublinhando a necessidade “de apoiar a segurança e a estabilidade dos países desta região, para proteger a sua soberania nacional e integridade territorial e para reforçar a cooperação com eles em questões económicas, comerciais e de desenvolvimento.

A crise do Sudão mencionada

O comunicado conjunto dá grande ênfase à necessidade de “uma acção conjunta árabe-africana para assumir a sua responsabilidade e papel no quadro dos esforços da ONU destinados a pôr fim ao sofrimento humanitário exacerbado do irmão povo sudanês e a impor a cessação da guerra”. hostilidades e a renúncia à violência em favor do diálogo como meio de resolver a crise no Sudão. Foi ainda sublinhada, no documento, a necessidade de “aprofundar ainda mais as consultas e o intercâmbio de análises, avaliações e informações sobre o fenómeno do terrorismo, do tráfico de seres humanos, do tráfico de droga e do crime organizado, com vista à protecção da região”. desses flagelos.” “Este foi um tema importante por óbvias razões de segurança, à luz das ameaças e desafios que os três países enfrentam devido às mudanças em curso na região e no mundo, destinadas a reforçar a capacidade nacional para enfrentar as repercussões da crise económica global. .” Os três líderes concordaram em “criar grupos de trabalho conjuntos para coordenar esforços para proteger as fronteiras comuns contra os riscos e consequências da migração irregular”. Estes grupos de trabalho serão também responsáveis ​​por “estabelecer uma abordagem participativa para o desenvolvimento destas regiões, garantindo a unificação de posições e discursos relativamente aos diferentes países afetados pelo fenómeno da migração no norte do Mediterrâneo e na África Subsaariana” .

Investimentos e parceria em hidráulica e energia

“A atenção centrou-se ainda no desenvolvimento de mecanismos para facilitar projectos conjuntos de grande escala e investimentos em áreas e sectores prioritários, como a produção de cereais e forragens, e a dessalinização da água do mar, bem como outros programas de cooperação destinados a garantir a água e os alimentos segurança dos três países. Isto envolve, entre outras coisas, “activar o mais rapidamente possível mecanismos conjuntos para a exploração das águas subterrâneas comuns no Sahara Norte, acelerando a implementação do projecto de interligação eléctrica das redes de transporte de electricidade entre os três países”. Não escapou à atenção da Cimeira “a importância do estabelecimento de parcerias no domínio da exploração, produção e armazenamento de produtos petrolíferos, do sector mineiro fornecedor de riqueza e das energias renováveis ​​e limpas como o hidrogénio verde”. Sobre a questão da circulação de bens e mercadorias entre os três países, a solução sugere “a aceleração do comércio e a criação de zonas francas comuns, bem como a adopção de medidas adequadas, através do desenvolvimento das redes de transporte rodoviário e ferroviário, e da criação de uma rede marítima regular”. linha que liga esses países. Foi também acordado “criar programas de trabalho para a promoção dos vários aspectos do património cultural comum, reforçar a cooperação nos domínios da investigação científica, da formação profissional, das tecnologias modernas e do intercâmbio de estudantes e jovens, e incentivar a produção de programas culturais e educacionais conjuntos. No final desta primeira reunião consultiva, foi decidido “encarregar os pontos de contacto, que serão designados por cada país, de acompanhar a implementação do que foi acordado como prelúdio à realização da próxima reunião consultiva, cuja data e local será fixado por acordo mútuo entre os líderes dos três países.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS