20.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Desmascarando tensões: Israel e os EUA numa dança de engano

Por Mohsen Khalif

HispanTV – Em 25 de Março, os EUA optaram por não exercer o seu direito de veto no Conselho de Segurança contra um projecto de resolução que solicitava um cessar-fogo imediato em Gaza durante o mês do Ramadão.

Esta é a segunda vez que os EUA desafiam o seu aliado Israel nas Nações Unidas. A primeira foi em 2016, quando se abstiveram de bloquear um projeto de resolução que pedia o fim dos assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada e na cidade de Al-Quds, além de confirmar a ilegitimidade dos assentamentos estabelecidos em território palestino desde 1967.

Embora as divergências entre Washington e Tel Aviv relativamente à guerra em Gaza tenham sido tornadas públicas, a reacção americana tardia no Conselho de Segurança não nos deve confundir.

O facto de a Administração do Presidente Joe Biden ter bloqueado numerosos projectos de resolução que exigiam o fim da guerra nos últimos seis meses, e de ter durante todo este tempo dado a Israel total apoio diplomático e apoio militar ilimitado para continuar a guerra em Gaza sem ter em conta os civis vidas e o direito internacional, não mudarão simplesmente porque Washington começa a criticar os ataques israelitas contra civis e finalmente permite que o Conselho de Segurança aprove uma resolução exigindo um cessar-fogo.

O Conselho de Segurança da ONU adoptou um projecto de resolução apelando a um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza durante o mês sagrado do Ramadão.

Dois pontos na política americana em relação à guerra:

Primeiro , os EUA não são apenas um aliado político de Israel, mas também um parceiro militar activo. Muitas das armas utilizadas por Israel na sua guerra contra Gaza vêm dos Estados Unidos. No final de Dezembro passado, Washington tinha enviado mais de 230 aviões de carga e 20 navios carregados de armas para Israel desde o início da guerra.

Não há indicação de que as exportações de armas tenham abrandado desde então, mesmo no meio das tensões entre Washington e Tel Aviv. Israel não poderia continuar esta guerra até agora sem o apoio militar americano em particular.

A segunda questão é que as actuais disputas entre Israel e os Estados Unidos não se centram apenas na guerra em si, mas sim na crise entre a administração Biden e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que surgiu antes da eclosão da guerra, no por um lado, e a oposição de Israel à visão americana do futuro de Gaza e do conflito no dia seguinte ao fim da guerra, por outro.

Neste sentido, Washington apoiou, e continua a apoiar, os objectivos que Israel estabeleceu nesta guerra, mas já não pode suportar o custo de permanecer calado sobre os efeitos catastróficos que a guerra está a ter em Gaza.

Se a mudança dos EUA em direcção a Israel estivesse firmemente empenhada em pressionar e impedir uma invasão total de Rafah, e em permitir que a ajuda humanitária chegasse a Gaza, então a administração Biden poderia ter evitado esta catástrofe traçando claramente as linhas de bandeira vermelha para o regime sionista desde o início. começo.

Além disso, Washington está a moldar a sua mudança em termos do interesse de Israel em encontrar uma saída da guerra antes que os palestinianos precisem dela. Mesmo no momento em que Washington se absteve de obstruir o último projecto de resolução do Conselho de Segurança da ONU, a sua abstenção, embora devido ao projecto de resolução não condenar o HAMAS, reflecte como os Estados Unidos ainda hesitam em mostrar uma posição que claramente pressione Netanyahu para acabar com o genocídio em Gaza.

É evidente que Israel, desprezando a ONU e desafiando as resoluções internacionais, não mudará sem pressão. Só os EUA, ao ameaçarem cortar as exportações de armas e de ajuda, podem influenciar. Mas Washington ainda não está a levar esta opção a sério.

Recentemente, Kamala Harris, vice-presidente de Biden, alertou sobre as consequências americanas para Israel caso este decida avançar com um ataque à cidade de Rafah, mas não especificou claramente a natureza dessas consequências. Embora a actual pressão dos EUA sobre Israel possa conseguir evitar outro massacre em Rafah, não irá de forma alguma resolver os efeitos da catástrofe causada pela guerra israelita em Gaza.

Além disso, as principais razões que levaram Biden a adoptar uma mudança de postura face à guerra estão, por um lado, na tentativa de Biden de atrair votos de Democratas e Árabes progressistas nas próximas eleições presidenciais de Novembro, e por outro, na reduzindo os riscos crescentes que os EUA enfrentam na Ásia Ocidental devido a esta guerra.

Para além destas razões, o que nos importa agora é se os Estados Unidos já mudaram a sua posição. Na verdade, é claro que esta mudança na postura da administração Biden ainda não atingiu o nível que pressionará Israel a pôr fim à guerra.

Dado que os Estados Unidos não conseguiram durante décadas levar o conflito israelo-palestiniano a uma fase de solução, isto desempenhou um papel na eclosão da guerra de 7 de Outubro. Os políticos americanos estão a começar a perceber cada vez mais a responsabilidade que Washington tem neste conflito.

A administração Biden começou a readoptar o projeto de solução de dois estados. No entanto, qualquer caminho deste tipo não pode ser bem sucedido se as condições adequadas para tal não forem satisfeitas. E não estamos apenas a falar da necessidade de acabar com a guerra em Gaza, mas também do extremismo que domina a política interna de Israel e do colonato israelita que alterou significativamente a demografia palestiniana de uma forma que torna impossível alcançar um Estado palestiniano. eliminando esses assentamentos.

Com excepção da administração do antigo Presidente Barack Obama ter aprovado um projecto de resolução no Conselho de Segurança para condenar os colonatos israelitas, nada mudou no terreno. Além disso, não se pode imaginar que a administração Biden, no pouco tempo que resta antes das eleições presidenciais, seja capaz de mudar o curso do conflito israelo-palestiniano para alcançar a solução de dois Estados.

E tal como Netanyahu procura ganhar mais tempo para continuar esta guerra durante o maior tempo possível, a administração Biden também está a fazer o mesmo para encobrir o seu papel desastroso nesta guerra genocida, em vez de exercer meios de pressão mais eficazes sobre Israel para colocar fim da guerra.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS