24.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Deputados venezuelanos repudiam “sequestro” de avião na Argentina

Hispantv – Deputados venezuelanos foram à embaixada argentina em Caracas para exigir a devolução do avião “seqüestrado” em Buenos Aires.

Uma delegação especial da Assembleia Nacional (AN), juntamente com os diretores da companhia aérea venezuelana Conviasa, entregou um projeto de acordo legislativo ao embaixador argentino Óscar Laborde, no qual se repudia a retenção do avião venezuelano e se exige sua devolução imediata . da aeronave e sua tripulação.

“Esperamos que a verdade prevaleça, que a Justiça argentina reaja, não leve essa situação de ilegalidade a outros níveis, para que nossa tripulação e nosso avião voltem”, confirmou o ministro dos Transportes, Ramón Velásquez, responsável pela entrega do documento.

O deputado e presidente da Comissão de Política Interna da AN, Pedro Carreño, também presente na embaixada argentina, destacou que o recurso legislativo é um “acordo para repudiar a intenção do governo dos EUA de se apropriar ilegalmente do avião venezuelano sequestrado na Argentina e que pertence ao povo venezuelano”.

Reclaman en Venezuela la devolución de avión incautado en Argentina | HISPANTVExigem na Venezuela a devolução de um avião apreendido na Argentina | HISPANTV

Em Caracas, ocorreu uma gigantesca mobilização exigindo a devolução de bens apreendidos em vários países para atacar o governo de Nicolás Maduro.

A pedido do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Argentina confiscou um avião venezuelano carregado de peças para empresas do setor automotivo que faria a rota Ezeiza (Argentina)-Montevidéu (Uruguai)-Caracas (Venezuela). O Boeing 747-300 entrou na Argentina em 6 de junho vindo do México e dois dias depois decolou para o Uruguai, mas pousou novamente no aeroporto da cidade de Ezeiza, em Buenos Aires, porque o país vizinho não permitiu seu pouso para reabastecimento.

Piratas roubam avião venezuelano | polimídia
As petroleiras argentinas, por sua vez, também não reabasteceram o avião, sob o pretexto de sanções dos EUA. Poucos dias depois, um juiz ordenou que os passaportes fossem retidos e que os tripulantes —cinco iranianos e 14 venezuelanos— fossem impedidos de deixar o país no âmbito de um caso infundado de possíveis ligações ao terrorismo internacional.
Mais sobre o texto originalÉ necessário fornecer o texto original para ver mais informações sobre a tradução
Enviar feedback
Painéis laterais

ÚLTIMAS NOTÍCIAS