Brasília, 9 de agosto de 2022 às 18:42
Selecione o Idioma:

Colômbia

Postado em 01/03/2020 8:05

Decisão judicial ordena eliminar imagem de execuções na Colômbia

.

Bogotá, 1ú de março (Prensa Latina) A Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP) na Colômbia considera hoje uma violação da liberdade de uma decisão judicial que ordena a eliminação de uma imagem na qual as execuções extrajudiciais são denunciadas.
A FLIP rejeitou a decisão de tutela de 21 de fevereiro, na qual é indicado ao Movimento Nacional de Vítimas de Crimes Estaduais (Movice) remover a imagem do mural das paredes, redes sociais e mídia. Quem deu a ordem? Muito difundido nas redes sociais desde outubro de 2019.

Em 18 de outubro, Movice e outras organizações da Campanha pela Verdade pintaram um mural mostrando os rostos de cinco oficiais superiores do Exército (dois deles já aposentados) com figuras de execuções extrajudiciais.

À noite, membros do Exército invadiram o local e pintaram o trabalho em branco, que foi denunciado pelo Movice através das redes sociais, disse a FLIP.

Em 19 de dezembro, Marcos Evangelista Pinto, um dos generais representados no mural, protocolou uma tutela argumentando que a publicação violava seus direitos ao bom nome, honra, dignidade humana e presunção de inocência.

Embora o juiz do processo tenha decidido a favor da Movice e reconheceu que a publicação é uma manifestação legítima da liberdade de expressão, o juiz que enfrentou o desafio instou o Movimento a remover a foto de todas as redes e mídias sociais.

A FLIP considera que a decisão do Juiz 13 Civil do Circuito é impossível de cumprir, porque remover a imagem de todas as redes sociais e meios de comunicação depois de disseminada massivamente excede a capacidade do Movimento.

Para cumprir com este pedido, as outras pessoas e organizações que responderam devem ser consultadas para retirada. Isso, além de ser irracional e altamente oneroso para o Movice, requer vincular aqueles que reproduziram a imagem ao processo de tutela, disse ele.

Diante disso, ele reiterou que a ordem vai contra o devido processo e autodefesa, porque nenhuma mídia e pessoas que publicaram a imagem estavam ligadas ao processo de tutela, de modo que não tiveram a oportunidade de se defender no processo ou contribuir Seus próprios testes.

A FLIP lembrou que o juiz deve vincular ao processo de tutela todas as pessoas que possam ser afetadas pela decisão, uma vez que todos têm o direito de ser informados dos processos que os afetam como garantia mínima do devido processo.

Em 27 de fevereiro, a FLIP apresentou um pedido de anulação da sentença perante o Juiz 13 Civil do Circuito pelas violações que elas acarretam em face do devido processo legal. Se, após a reparação da anulação, a sentença for mantida, solicitará sua revisão perante o Tribunal Constitucional.

A Fundação convidou o juiz do caso a anular ‘essa falha em violação da liberdade de expressão e do devido processo’.

Comentários: