25.5 C
Brasília
sexta-feira, 1 março, 2024

Da gaiola de ferro ao choque elétrico, é assim que Israel tortura

A cena do prisioneiro palestino, com as mãos amarradas nas costas enquanto sangrava por um ferimento na perna, despertou a raiva e a indignação dos internautas e foi classificada como um caso claro de tortura e maus-tratos.

Testemunhos de pessoas recentemente libertadas das prisões do regime israelita revelam padrões de tortura sob custódia e graves abusos físicos e mentais no meio do genocídio que se desenrola em Gaza.

A prática de prender ilegalmente palestinianos e transportá-los para locais não revelados aumentou dramaticamente desde 7 de Outubro, quando o regime israelita lançou uma guerra brutal e indiscriminada contra o território sitiado.

Mais recentemente, em 5 de fevereiro, o Dr. Haider al Qaddura, diretor geral do Hospital Al-Amal, juntamente com o diretor administrativo do hospital, Maher Atallah, foram presos e levados para um local não revelado. Seu paradeiro permanece um mistério.

Segundo fontes, a maioria dos alvos do regime são profissionais médicos e jornalistas.

“Isso ocorre depois que o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) informou o Crescente Vermelho Palestino sobre a aprovação da ocupação da passagem segura, que permitiria que as pessoas deslocadas deixassem o Hospital Al-Amal e a sede do Crescente Vermelho Palestino em direção a Al-Mawasi em Khan. Younis. Centenas de pessoas começaram a sair após duas semanas de cerco”, disse a organização.

Al-Qaddura também faz parte do comité executivo do PRCS e tem estado activo desde 7 de Outubro cuidando dos feridos na agressão israelita.

Mais de 28 mil pessoas foram mortas em Gaza desde 7 de Outubro, a maioria delas crianças e mulheres.

Nas últimas horas, o exército israelita anunciou a sua intenção de invadir Rafah, situada a aproximadamente 30 km de Gaza, onde se encontram os refugiados que foram expulsos pelas acções coloniais do exército israelita em Gaza.

Said Abdulrahman Maarouf, pediatra do Hospital al-Ahli, na cidade de Gaza, que atualmente trabalha no Hospital Abu Youssef Al Najar, na cidade de Rafah, foi libertado pelas forças do regime em 8 de fevereiro, após quase dois meses.

De acordo com o seu testemunho, as forças do regime torturaram-no após a sua detenção dentro do hospital e ele permaneceu sob custódia israelita “sob severa tortura e fome”.

“Eu não cometi nenhum crime. Minhas armas são minha caneta, caderno e estetoscópio. Não saí do hospital, estava a tratar as crianças lá dentro”, disse Maarouf, citado pelo canal catariano Al Jazeera .

“Perdi mais de 25 kg em 45 dias. Perdi o equilíbrio, perdi a concentração e perdi todos os sentimentos. “Ficamos acorrentados por 45 dias e algemados por 45 dias”, disse ele.

Muitos jornalistas palestinianos também foram detidos nas últimas semanas em diferentes partes do sul de Gaza e sujeitos a torturas horríveis enquanto estavam sob custódia.

Diaa Al-Kahlout, uma jornalista palestina, falou sobre a tortura e os abusos que enfrentou durante os 33 dias sob custódia israelense.

De acordo com o Centro Palestino para os Direitos Humanos (PCHR), foi-lhe negado tratamento médico, apesar de sofrer de uma hérnia de disco, e foi submetido a violência física e psicológica.

Os métodos de tortura incluíam seis horas de “shabeh”, uma conhecida prática de tortura em que uma pessoa é pendurada no teto pelos pulsos, de modo que os dedos dos pés saem do chão.

“Durante 25 dias consecutivos fomos obrigados a ajoelhar-nos aproximadamente das 4h00 às 23h00 e fomos contados várias vezes”, escreveu num depoimento publicado pelo PCHR.

“Os soldados me colocaram num canto de um corredor e amarraram meus pés e mãos atrás das costas com algemas de ferro. Depois os soldados penduraram-me numa posição “shabeh” com o sol sobre a minha cabeça.”

Entre os detidos, disse ele, estava um idoso palestino com Alzheimer, que também foi submetido a tortura física e mental pelas forças do regime.

Al-Kahlout mora no bairro al-Karamah em Jabalia, é casado e tem cinco filhos.

A organização Euro-Mediterranean Human Rights Monitor (Euro-Med), num relatório recente, também revelou novos testemunhos de tortura brutal e assédio sexual de detidos palestinianos em prisões israelitas. 

O objetivo deste artigo é analisar a desumanização dos palestinos e sua origem no que se conhece como modernidade ocidental, um tipo de discurso que se baseia na criação de dois espaços antagônicos: os que são humanos e os que não o são.

“Recebemos testemunhos de detidos que foram submetidos a assédio sexual direto por soldados do exército de ocupação e foram forçados a despir-se e a retirar o hijab”, disse o grupo de direitos humanos.

“Os soldados ameaçaram violar e agredir indecentemente os detidos e as suas famílias como parte do processo de tortura e chantagem”, acrescentou.

O Euro-Med Monitor afirmou ainda que os militares israelitas e o Shin Bet trataram os detidos palestinianos como “animais não humanos”, de acordo com depoimentos recebidos pelo grupo.

O campo militar de Sde Teman, localizado entre Beersheba e Gaza, tornou-se uma prisão semelhante a Guantánamo, com detidos “em condições muito duras, semelhantes a gaiolas de galinha ao ar livre”.

Um dos recentemente libertados disse que não estão detidos em circunstâncias de detenção legal e que são forçados a permanecer dentro de jaulas de ferro apesar do clima rigoroso, suportando espancamentos severos, tortura com choques eléctricos, queimaduras intencionais com pontas de cigarro e outras formas de tortura. .

Expressando alarme face aos abusos sofridos pelos detidos palestinianos, o movimento de Resistência HAMAS, numa declaração, apelou às organizações internacionais e de direitos humanos para que tomassem nota dos testemunhos.

Estes testemunhos, observou o Movimento de Resistência Islâmica Palestiniana (HAMAS), constituem novas provas de crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos pelo regime israelita e requerem acompanhamento jurídico perante os tribunais internacionais.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS