19.5 C
Brasília
domingo, 3 março, 2024

Cupincha de Cunha na Caixa diz: Ele recebeu R$ 52 milhões de propina

O ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto confirmou, na negociação para uma delação premiada, a existência de pagamentos de propina a seu padrinho político, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS.
CGN

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo desta sexta-feira (25). Cleto, que foi indicado ao cargo por Cunha, disse que passou a negociar uma delação com a Procuradoria-Geral da República (PGR) depois de ter sido alvo de uma operação de busca e apreensão da Polícia Federal, em dezembro, cinco dias depois de ter sido exonerado do cargo.

De acordo com a reportagem, o ex-vice da Caixa confirmou que houve os pagamentos de propina a Cunha relatados pelos delatores da Carioca Engenharia, Ricardo Pernambuco e Ricardo Pernambuco Júnior.

Segundo a matéria, os empresários confirmaram que Cunha cobrou R$ 52 milhões de propina em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha, do qual a Carioca obteve a concessão em consórcio com as construtoras OAS e Odebrecht. A PGR investigava uma possível ligação de Cleto com o esquema, quando ele entrou em contato em busca da delação.

Ainda segundo a Folha, as declarações foram dadas em uma fase preliminar da delação e, caso confirmada sua colaboração, este será o sétimo investigado da Operação Lava Jato que acusa Cunha de envolvimento com corrupção.

Do Portal Vermelho, com informações de agências

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS