24.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Cuba denuncia exclusão da Cúpula das Américas

Havana (Prensa Latina) O chanceler cubano, Bruno Rodríguez, denunciou nesta segunda (25) a exclusão da ilha dos preparativos da IX Cúpula das Américas e da negociação de documentos estranhos à realidade latino-americana.

Em declarações à imprensa nacional e estrangeira, Rodríguez destacou que Washington engana a opinião pública internacional sobre os convites para essa reunião, marcada para a cidade de Los Angeles em junho próximo, e que exerce extrema pressão sobre os países da região contrários a essa reunião. exclusão.

O ministro salientou que um eixo principal do evento será a saúde, mas sobre este assunto “é negociado de forma opaca com muitos elementos neoliberais e com muitas deficiências em relação às reais necessidades do povo, um chamado plano de ação em saúde e resiliência das Américas até o ano de 2030”, destacou.

O chefe alertou que este texto exclui Cuba e outros estados membros da Organização Pan-Americana da Saúde que participam desses processos.

O Ministro das Relações Exteriores lembrou que Cuba, de forma modesta, mas altruísta, tem prestado uma cooperação internacional em matéria de saúde que é reconhecida em escala global”, destacou.

Ele destacou que a questão migratória também estará no centro da cúpula, sobre a qual está sendo negociado outro documento às escondidas da opinião pública, que pretende forçar os estados latino-americanos a reprimir a migração e absorver os migrantes que os Estados Unidos rejeitam, com um racista e xenófobo

O chanceler destacou que Washington engana os cubanos porque “não são os países de trânsito, mas os Estados Unidos que colocam obstáculos para quem quer viajar”.

Ele classificou como positiva a retomada das conversações bilaterais na semana passada, o reconhecimento pela delegação norte-americana das violações e o desejo expresso de retomar os serviços consulares em Havana, embora de forma muito limitada.

A esse respeito, Rodríguez considerou necessário perguntar às autoridades em Washington quando cumprirão os 20.000 vistos anuais, quantos serão concedidos em 2022, até quando os cubanos terão que viajar para a Guiana para realizar os procedimentos e o que acontecerá com o programa de reagrupamento familiar.

Em suas declarações, o ministro atualizou que os danos causados pelos Estados Unidos a Cuba durante mais de 60 anos de bloqueio econômico, comercial e financeiro totalizam 150 mil e 410 milhões de dólares.

Esclareceu que estas perdas ascendem a um trilião de 326 mil 432 milhões de dólares tendo em conta a desvalorização do dólar face ao ouro no mercado internacional, que representa mais de 365 milhões de dólares por mês em detrimento de uma economia pequena e subdesenvolvida como o cubano.

Ele também considerou que os Estados Unidos carecem de autoridade moral para se configurar como um modelo de direitos humanos e democracia, questão que também será discutida na cúpula de Los Angeles.

Convidou o governo da potência do norte a conversar bilateral ou multilateralmente sobre essas questões delicadas nas quais, segundo ele, Washington tem muitos problemas.

Afirmou que Cuba apóia os esforços para promover o diálogo e a cooperação entre a América Latina e os Estados Unidos, e sua exclusão constituiria um grave retrocesso histórico em relação às duas cúpulas anteriores, que contaram com sua participação.

Seria surpreendente se o presidente dos EUA, Joe Biden, se afastasse da política da qual foi vice-presidente (sob o governo de Barack Obama 2009-2017), e até mesmo do republicano Donald Trump (2017-2021) que convidou Cuba à Cúpula de Lima, Peru, observou.

Por fim, ressaltou que os Estados Unidos devem entender que a América Latina mudou para sempre e não há espaço para impor a visão da Doutrina Monroe, contra a qual lutaram os heróis da independência dos povos da região.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS