23.5 C
Brasília
quarta-feira, 22 maio, 2024

Cuba critica “incapacidade” das medidas do Conselho de Segurança contra Israel

HispanTV – O Corpo de Guardas da Revolução Islâmica do Irã (IRGC) realizou com sucesso  uma grande operação de mísseis e drones  contra bases militares israelenses entre a noite de sábado e a manhã de domingo, em retaliação ao ataque israelense em 1º de abril contra a seção consular da embaixada iraniana na Síria, onde sete conselheiros militares iranianos perderam a vida.

A este respeito, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba, através de um comunicado publicado domingo, afirma que “a incapacidade do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) de responder com determinação ao anterior bombardeio ao Consulado foi um catalisador para o Irã resposta da noite passada”.

Da mesma forma, considera que o ataque ilegal ao consulado da República Islâmica do Irão em Damasco, em clara violação do Direito Internacional e da Convenção de Viena de 1961, pôs em perigo a paz e a segurança internacionais, promovendo a possível regionalização do conflito com consequências imprevisíveis para o mundo. paz.

Havana, na sua nota, exige a redução da violência na região da Ásia Ocidental “que envolve necessariamente um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza”.

Especificamente, apela a Israel para que ponha fim ao genocídio contra o povo palestiniano na Faixa de Gaza, onde os bombardeamentos israelitas mataram mais de 33.600 palestinianos nos últimos seis meses. “Cuba estará sempre ao lado da paz, da justiça e do respeito ao Direito Internacional”, enfatiza.

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, reiterou o apoio do seu país à Palestina face às agressões de Israel e apelou ao fim do genocídio na Faixa de Gaza.

O Ministério das Relações Exteriores de Cuba reitera que não alcançará a paz e a estabilidade na região da Ásia Ocidental até que “uma solução ampla, justa e duradoura para o conflito palestino-israelense seja alcançada” e “a entrada do Estado da Palestina como membro pleno da a Organização das Nações Unidas.”

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, destacou domingo em seu relato X que Havana “alertou sobre os perigos que acarreta a impunidade com que Israel agiu contra os países do Oriente Médio (Ásia Ocidental). ) com a cumplicidade e apoio do Governo dos Estados Unidos”

Na manhã de domingo, o Irão realizou um ataque contra Israel ao abrigo do “Artigo 51 da Carta das Nações Unidas”, que estabelece o direito inerente de legítima defesa no caso de um ataque armado.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS