27.5 C
Brasília
segunda-feira, 20 maio, 2024

Cuba: A Ilha com o peito a meio mastro

Apenas uma semana depois, aquele pedaço de Havana onde outrora o hotel Saratoga estava imponente, ainda é um lugar triste. Tal como naquela sexta-feira azarada, hoje, os restos expostos do edifício e das casas próximas ainda mostram… a nudez da tragédia.

Se existe algo diferente hoje, além da poeira que assentou e dos muitos escombros que já não existem, é que a luta pela vida, a luta sustentada pela esperança das famílias e de toda a Cuba, cessou.

Com a descoberta do último corpo, a certeza implacável de 45 pessoas mortas é estabelecida, e cada uma delas dói, porque em todas as suas idades, em seus sonhos truncados, em seus afetos, podemos nos ver. Porque não havia ninguém que não dissesse para si mesmo: «Poderia ter sido eu, poderia ter sido algum ente querido».

Em meio ao desastre, alguma beleza retumbante enche a alma, a da ferocidade com que as heroínas e heróis do Resgate e Salvamento trabalharam sem pausa entre as pedras e o ferro, sem consideração pelo perigo ou fadiga; e a forma como continuaram, quando era praticamente improvável encontrar sobreviventes, para dar aos entes queridos o conforto de um corpo, de fechamento. E suavizam a bondade e a fortaleza daqueles que deram e ainda dão, para curar, para informar, para ajudar, para doar, para restaurar, para dirigir.

Como sinal de respeito impecável, o Luto Oficial chega quando o trabalho de resgate termina, mas há um profundo luto interior que a Ilha carrega há uma semana. Assim como a bandeira está a meia haste, há a dor no coração das pessoas boas, onde sempre haverá um estremecimento quando se diga Saratoga.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS