16.5 C
Brasília
sábado, 15 junho, 2024

Críticas ao projeto de criação de uma nova polícia no Peru

Lima, 1º de agosto (Prensa Latina) As críticas à criação de uma nova polícia com graduados das Forças Armadas se intensificaram no Peru, apesar dos esforços do governo para obter aceitação para o projeto.

As objeções aumentam apesar das declarações do primeiro-ministro, Alberto Otárola; e o chefe do Interior, Vicente Romero, sobre como cobrir o déficit entre 40.000 e 50.000 policiais com jovens que terminam o serviço militar voluntário e recebem seis meses de preparação.

Apesar das indicações que vêm de especialistas em segurança, Romero afirmou que a chamada aos ex-militares será lançada assim que o Parlamento aprovar a lei e garantiu que os membros da nova polícia vão apenas desempenhar tarefas de prevenção de crimes de roubo , roubo e vandalismo. .

O ex-vice-ministro de Segurança Pública, Ricardo Valdés, disse que o governo está tentando criar o equivalente a guardas municipais, mas com armas e com viaturas e motocicletas, com autoridade para perseguir e eventualmente matar suspeitos de crimes.

Da extrema direita, o ex-ministro do Interior Fernando Rospigliosi qualificou o projeto anunciado no sábado passado pela presidente Dina Boluarte como péssimo, desastroso e que pode piorar muito a situação.

Acrescentou que o projecto permite aos que não conseguiram a qualificação entrar na actual escola de agentes para integrar a nova força policial.

Para Stefano Miranda, advogado especializado em questões policiais, o projeto é inconstitucional e com uma ideia “de gente tentando experimentar a Polícia Nacional e suas funções, um projeto de lei populista mas nada sério ou técnico”.

Ele considerou arriscado ter policiais que não são da raça, porque “não conseguimos controlar os atos de corrupção e improbidade” que eles possam cometer.

Para o advogado César Bazán, o projeto é enganoso porque propõe dotar a Polícia de mais pessoal, mas “à custa da qualidade e do profissionalismo”, com a agravante de que serão dotados de armas.

A ideia foi considerada aceitável pelos ex-ministros do Interior Carlos Morán, ex-general de polícia; e Rubén Vargas, embora o primeiro tenha dito que o projeto deveria ser discutido e o segundo apontado que a seleção e preparação dos novos policiais deveria ser cuidada.

Vargas destacou que “entregar uniforme de policial e arma de fogo a policiais sem formação adequada” seria criar uma bomba-relógio.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS