23.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

Cristianismo sem Jesus

Charge: Vaccari

Por Jair de Souza

Logo após o ato político bolsonarista na Av. Paulista, em São Paulo, no passado 25/02/2024, alguns pontos vão se tornando ainda mais cristalinos. Uma das primeiras constatações que pudemos fazer é que a extrema direita no Brasil está aglutinada no eixo ideológico abrangido pelo bolsonarismo, o nazifascismo e o sionismo.

Ainda que estejamos mencionando um amalgamado de três correntes políticas, é preciso ressaltar que sua linha mestra é traçada pelo sionismo. Em outras palavras, é o sionismo que baliza as forças de extrema direita no Brasil na atualidade, é o que lhes norteia, conduz e inspira. Mas, como entender um fenômeno de tais características se sabemos que os judeus não conformam nem sequer 1% da população brasileira?

A indagação que acaba de ser feita se justifica em função da incompreensão que ainda permeia em boa parte das pessoas com respeito à composição do sionismo. Muito embora haja gente que veja no sionismo uma corrente política essencialmente judaica, a ampla maioria de seus aderentes (no Brasil, e no mundo como um todo) não tem nenhum vínculo direto com o judaísmo, seja pelo lado étnico, nacional ou religioso. Além do mais, há muitos judeus que se opõem ao sionismo.

No citado ato promovido há poucos dias por essas forças políticas de extrema direita, foi a bandeira sionista do Estado de Israel o símbolo mais destacado de toda a manifestação, ainda que tenha sido quase que inexistente a concorrência ao mesmo de pessoas que pudessem ser catalogadas como parte da comunidade judaica.

Sim, quase não havia judeus por ali, mas havia uma maioria de muitos milhares de sionistas. É que nos estamos referindo aos chamados sionistas cristãos. Aliás, vale enfatizar, o mais destacado articulador e financiador desse megaevento é um conhecido empresário do negócio da fé, dono de uma empresa-igreja que se autodenomina formalmente como cristã. E empresas-igrejas semelhantes à dele são as principais supridoras de massa humana de apoio para os projetos políticos de interesse dos setores do grande capital que se beneficiam com as orientações impulsadas pelo sionismo cristão, ou seja, os grupos ligados ao grande capital financeiro e os do capital agroexportador.

Ao analisar as imagens disponíveis do acontecimento, é quase impossível não perceber que a bandeira sionista do Estado de Israel despontava como o símbolo aglutinador daquelas forças extremistas de direita. A função que no passado era tradicionalmente exercida pela suástica nazista apresenta-se agora com nova aparência, novos desenhos e novos contornos. Porém, os propósitos ao que serve parecem permanecer como eram os de outrora.

Outra interrogante que constantemente vem à tona ao abordar-se esta questão diz respeito ao papel que a figura de Jesus desempenharia no atual contexto, em que estão involucrados, além dessas empresas-igrejas que se autodefinem como cristãs evangélicas, certos grupos integrados à estrutura da Igreja Católica, como é o caso dos chamados “católicos carismáticos”.

Uma conclusão imediata que extraímos após uma rápida análise da composição das forças que constituem o sionismo cristão é que, para elas, Jesus perdeu toda sua relevância prática, e já não tem quase nada a ver com aquilo que elas propõem e defendem como meta a alcançar. Portanto, fica-nos a impressão de que os exemplos de vida de Jesus servem muito mais para atrapalhar os planos dos sionistas cristãos do que contribuir para sua realização.

Muito possivelmente em consequência das razões recém mencionadas, o legado de vida de Jesus vai sendo por eles abandonado, a cada dia de maneira mais evidente. É difícil negar que quase tudo o que os próceres do sionismo cristão colocam como sua pauta de ação prioritária se contrasta abertamente com os postulados que eram prioritários para o próprio Jesus. Para fazer esta dedução, basta dedicar alguma atenção aos relatos de sua vida nos Evangelhos.

Então, levando isto em conta, vamos poder compreender mais facilmente porque está ocorrendo o descarte de Jesus por parte dos sionistas cristãos. Os ensinamentos de vida por ele ministrados vão sendo abandonados. Para fugir de tamanha inocultável evidência, os sionistas cristãos vêm procurando se embasar tão somente nos textos do Velho Testamento, com um afastamento de tudo o que concerne diretamente a Jesus. Em outras palavras, o que se deseja é consagrar um cristianismo sem Jesus!

É devido a isto que, apesar de em vida, Jesus ter lutado pelos direitos dos mais humildes a uma vida digna e em igualdade, pelo fim da exploração dos trabalhadores pelos ricos e abastados, pelo respeito e pela tolerância entre os diferentes povos, pela construção de um mundo de justiça onde caibam todos os que queiram praticá-la, a despeito de tudo isto, os sionistas cristãos querem que o cristianismo sirva para objetivos diametralmente opostos. Para tanto, eles precisam se livrar de Jesus o mais rápido possível. E é isto o que estão fazendo.

Uma prova da posta em marcha deste plano, é constatar que líderes de empresas-igrejas formalmente cristãs estejam apoiando o covarde massacre das crianças e mulheres palestinas pelas forças armadas do sionista e colonialista Estado de Israel. Pudemos observar como esses mesmas pessoas não hesitavam em dar seu aval a um estado que já destruiu as moradias de mais de dois milhões de seres humanos, um Estado de Israel que mantém à beira da fome toda essa população e que, além disso, é capaz de fuzilar impiedosamente aos que se acercavam em busca de comida.

Jesus jamais compactuaria com um crime tão horrendo, um crime que só encontra paralelo no Holocausto da Alemanha hitlerista. Um crime que só é menos monstruoso do que o de fazer uso do nome de Jesus para tratar de justificá-lo, como os sionistas cristãos estão fazendo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS