17.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Crise ucraniana/russa expõe parcialidade de empresa de segurança

Crise entre as nações deu mostras de preferência da empresa FIRST pelo país em que tem sede, Estados Unidos fugindo da imparcialidade política. (Foto: Jornal Moscou Times)

Heba Ayyad

Em 1995, os Estados Unidos criaram o FIRST, que significa Fórum para Resposta a Incidentes de Segurança Cibernética, em resposta à propagação de ameaças informáticas e para garantir a segurança e a resposta a incidentes cibernéticos. A missão principal daquela organização estava dividida em dois objetivos:

  1. Unificar os esforços de todas as empresas similares em todo o mundo.

  2. Combater ataques informáticos e cibernéticos de forma eficaz e atempada.

Inicialmente, a organização foi fundada como um “grupo informal” em 1989 por uma série de equipes de resposta a incidentes, depois que um vírus chamado “WANK” se destacou globalmente, demonstrando uma necessidade urgente de criar uma ampla coordenação global nas atividades de resposta a incidentes entre organizações relevantes.

À medida que sua atividade se desenvolveu e expandiu globalmente, em 2018, as Nações Unidas a classificaram como um “terceiro” e “neutro” que pode ajudar a construir confiança e a trocar melhores práticas e ferramentas durante incidentes de segurança cibernética.

Apesar das barreiras linguísticas e das diferenças nas normas técnicas e nas culturas, esses objetivos foram amplamente alcançados ao longo do tempo, e os esforços globais têm conseguido produzir uma proteção eficaz.

Em geral, as experiências dos países na resposta a incidentes cibernéticos diferem entre si. Mas, apesar dessas diferenças, qualquer ataque cibernético direcionado a qualquer um dos participantes, e relatado nessa reunião, garantirá que seja rapidamente sitiado. Qualquer outro significado é o oposto: qualquer parte que esteja exposta a um ataque cibernético e não o denuncie poderá assim impedir que outras partes ou usuários se preparem para esses ataques. Portanto, os resultados serão desastrosos para todos.

Boicote à Rússia sob o pretexto de sanções.

Com o início da guerra russo-ucraniana em fevereiro de 2022, o FIRST ignorou este princípio fundamental e foi além dos padrões aceito entre os países participantes, sob o pretexto de sanções estadunidenses e ocidentais impostas contra a Rússia e suas afiliadas. Como resultado, a maioria das empresas e organizações russas, bem como as bielorrussas, foram excluídas da lista de cooperação, levantando dúvidas sobre a eficácia e abrangência dessa organização.

Nesse momento, Moscou considerou que a suspensão “unilateral” do FIRST de sua cooperação com os centros russos foi uma decisão que levantou muitas questões sobre os princípios da neutralidade, objetividade e cooperação aberta entre especialistas e organizações em vários países do mundo.

Segundo os russos, esse comportamento ” não está em harmonia com os princípios dessa organização”. Em vez disso, viu isso como uma confirmação de que essa organização “trabalha para o benefício do seu país patrocinador”, ou seja, os Estados Unidos, e não para o benefício de garantir a segurança cibernética em todo o mundo, numa tentativa da empresa de cruzar com a política e as aspirações dos países ocidentais.

A preocupação está se expandindo globalmente.

Com o tempo, esse comportamento começou a suscitar preocupações entre países e empresas fora da Rússia, especialmente os fundadores do grupo e os participantes nesse projeto transfronteiriço e transcontinental. A preocupação começou a insinuar-se nas suas almas sobre as tentativas de envolver a organização na política, o que ameaça o seu fracasso em garantir um trabalho eficaz sem as empresas bielorrussas e russas em particular, uma vez que são empresas muito pioneiras nos domínios cibernéticos e têm demonstrado grande sucesso no combate a esses ataques durante muitos anos. Empresas como “Ros Telecom”, “Cyberbank”, “Info Security” e especialmente o conhecido “Kaspersky Lab”, que tem sede em Moscou e está espalhado por escritórios regionais na China, Japão, Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Coreia, Polônia, Romênia e Países Baixos.

O Departamento de Comércio dos EUA tentou inicialmente tomar medidas executivas contra essa empresa, e um relatório publicado pelo jornal “The Wall Street Journal” há meses afirmou que a Administração do Presidente Joe Biden “está considerando tomar medidas executivas” contra a “Kaspersky Lab” sob as suas regras de segurança na Internet, acusando-a de “cooperação com as autoridades russas na guerra que assola a Ucrânia”. No entanto, a administração estadunidense recuou nessa decisão retaliatória injustificada, devido às suas grandes repercussões em todo o mundo.

Os programadores russos estão entre os melhores especialistas da indústria de TI, e esse fato é reconhecido em todos os países do mundo, e sobretudo pelas elites estadunidenses, apesar da hostilidade e oposição demonstrada pelos Estados Unidos em relação à Rússia. As empresas estadunidenses e ocidentais de cibersegurança em geral dão preferência a “especialistas em TI” originários da Rússia.

Atividades Politizadas?

Hoje, alguns países envolvidos na área de cooperação cibernética começam a acreditar que a FIRST está caminhando para deixar de cumprir suas obrigações e funções declaradas, que são a neutralidade e a objetividade na cooperação aberta entre especialistas e organizações.

Além disso, circula entre aqueles que trabalham na área de segurança cibernética em todo o mundo a informação de que a FIRST já não é 100% neutra, mas começou a exceder suas funções e a trabalhar de acordo com uma “agenda” política premeditada, à medida que copia dados e informações pertencentes a empresas não estadunidenses em todo o mundo, sob a influência de argumentos para “atualização de bancos de dados”.

Essas operações ocorrem em segredo e não são anunciadas, pois o vazamento de tais notícias é extremamente sensível e afetará inevitavelmente a integridade dessas informações, podendo o vazamento afetar negativamente a imagem da organização FIRST, que os Estados Unidos parecem estar utilizando efetivamente!

Tudo isso indica que as diferenças políticas entre Washington e Moscou começaram a afetar a profundidade da cooperação entre países de todo o mundo em vários domínios, e essa disputa pode atingir o nível da segurança cibernética global, que está ameaçada devido à insistência dos Estados Unidos em politizar tudo e lançá-lo na fornalha da “guerra ucraniana” sem distinguir entre beneficiário e vítima, enquanto o único objetivo que a administração democrática tem em mente é apenas a hostilidade à Rússia a todo custo e em todos os campos, e isso é o que há de mais perigoso no assunto!

#Heba Ayyad

Jornalista internacional

Escritora Palestina Brasileira

ÚLTIMAS NOTÍCIAS