21.5 C
Brasília
domingo, 3 março, 2024

Covid-19, lastro cruel para o desenvolvimento do Caribe

Havana (Prensa Latina) As áreas continentais do Caribe estão entre as mais atingidas pela pandemia dos Covid-19, a julgar pela dependência de atividades turísticas praticamente paralisadas.
Geralmente feridos por numerosos desastres naturais que forçam a região a se recuperar uma e outra vez a cada ano, as nações da região agora terão que enfrentar os estragos de uma epidemia global cujos efeitos a longo prazo ninguém sabe ao certo.

De acordo com um relatório da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Eclac), os países do Caribe estão enfrentando uma queda nas visitas devido ao turismo, estimado entre 57 e 75% em 2020.

As perdas desse conceito não são desprezíveis: estima-se que estejam entre 22 e 28 bilhões de dólares. Além disso, lembrou a agência, estão as vulnerabilidades que há muito estão presentes na área: alta exposição às mudanças climáticas e um alto nível de dívida pública.

Como se o confronto com 400 desastres naturais ocorresse na última década, dos quais 9,4% foram causados ??por fenômenos hidroclimáticos, não fosse suficiente para prejudicar o desenvolvimento do Caribe, durante a atual estação ciclônica, está previsto um flagelo de pelo menos 16 tempestades nomeadas.

Além disso, a CEPAL alertou para a preeminência de uma característica fatal: a região possui uma relação dívida / produto interno bruto acima do limiar de sustentabilidade de 60%.

Como revelou recentemente a secretária-executiva da entidade, Alicia Bárcena, o serviço de alta dívida nos países do Caribe limita seu espaço fiscal para responder à crise de Covid-19.

Atualmente, disse ele, esses países estão gastando US $ 1,2 bilhão para responder à pandemia, mas o serviço da dívida é muito alto, entre 30 e 70% de sua renda, o que pressiona bastante seu espaço fiscal. .

Um relatório conjunto da CEPAL com a FAO também alerta que, de todos os países da América Latina, os mais vulneráveis ??são o Caribe em termos de segurança alimentar. Em 11 deles, ele acrescentou, o valor das importações excede 50% da receita de exportação e em seis excede 100%.

A vulnerabilidade dos Estados do Caribe em termos de dependência das importações aumenta devido ao fato de seus fornecedores estarem concentrados nos Estados Unidos e na União Europeia, o que implica um risco à segurança alimentar em caso de interrupções no fornecimento de energia. cadeias internacionais de distribuição de alimentos, concluiu a análise.

Em suma, a CEPAL estimou que a contração na área excederá cinco pontos percentuais este ano.

Para mitigar os danos da pandemia, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) considerou necessário recuperar, mas também reestruturar, as economias criativas do Caribe ou a gerada pela indústria cultural com manifestações artísticas. onde moda, design, entretenimento, artesanato ou gastronomia também são encontrados.

Apesar de considerar que nesta área a economia criativa é uma fortaleza natural, a renda dela sofre devido ao cancelamento de festivais e grandes festas para onde vai um número considerável de turistas do segmento MICE, ou seja, eventos e incentivos.

A Unctad defende, então, a diversificação e a agregação de valor nesse tipo de indústria, com maior inclinação para o uso de tecnologia digital capaz de favorecer sua promoção.

A agência argumentou que isso forneceria novas fontes de renda e maior cobrança de divisas, aumentaria a resistência do setor e facilitaria uma melhor penetração dos profissionais criativos do Caribe nos mercados estrangeiros.

Maior e melhor exploração da economia criativa não é a única opção que a região tem hoje para buscar soluções em meio às adversidades.

De acordo com o diretor executivo do Centro Caribenho de Energia Renovável e Eficiência Energética, Gary Jackson, a Comunidade do Caribe (Caricom) deve estar preparada e usar esse tempo para aumentar a capacidade do item.

‘Precisamos implementar medidas de eficiência energética e de uso de energia renovável em todas as nossas operações, principalmente em setores com alto consumo desse recurso, como o turismo’, afirmou.

Ele acrescentou que as indústrias de turismo podem se beneficiar de operações sustentáveis, pois procuram reconstruir seus produtos durante esse período de inatividade.

Paralelamente a essas alternativas, a CEPAL considera que, para responder à crise desencadeada e enfrentar as vulnerabilidades da região, é imperativo receber apoio financeiro concessional, ou seja, empréstimos ou transferências de dinheiro em que pelo menos 25% do valor seja caracterizar por doação ou gratificação.

No entanto, de acordo com sua secretária executiva, existem países, especialmente no Caribe, que não têm esse tipo de apoio e a Assistência Oficial ao Desenvolvimento que recebem é muito baixa.

Em meio a esse contexto, a agência propõe algumas medidas, como uma iniciativa de alívio da dívida por meio de um swap de dívida para adaptação às mudanças climáticas, que inclui a criação de um fundo de resiliência e a suspensão do serviço da dívida.

Ele também recomenda uma mudança nos critérios de elegibilidade das instituições financeiras internacionais para a concessão de financiamento concessional: títulos de contingência, especialmente com cláusulas sobre furacões, e apoio à liquidez através da emissão de direitos de saque especiais .

Mas talvez, para o Caribe, não exista arma mais forte do que a unidade, aquela que, segundo o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, lhe permita superar os grandes desafios que estão pela frente.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS