17.5 C
Brasília
terça-feira, 18 junho, 2024

Coreia do Norte: ajuda militar dos EUA a Taiwan desencadeará guerra

Mísseis antinavio Harpoon AGM-84 fabricados nos EUA são carregados na frente de um caça F-16V, Taiwan, 17 de agosto de 2022. (Foto: AFP)

A Coreia do Norte acusa os Estados Unidos de alimentar as tensões na região ao tentar estabelecer uma base em Taiwan para atacar a China.

HispanTV – Em nota veiculada pela agência oficial de notícias KCNA , o diretor-geral do Departamento de Assuntos Chineses do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Maeng Yong Rim, criticou o fornecimento de um pacote de assistência militar dos Estados Unidos a Taiwan. com o objetivo de levar a tensão a “outro ponto de ignição da guerra”.

“É a intenção sinistra dos EUA transformar Taiwan em uma base avançada inafundável contra a China e a trincheira da linha de frente para executar sua estratégia de dissuasão contra a China”, acrescentou o comunicado.

Segundo o texto, a única coisa que a venda de armas dos Estados Unidos para Taiwan fez foi transformar a ilha em um gigantesco campo de exposição de armas descartadas.

A Coreia do Norte junta-se aos países que rejeitam a visita de Nancy Pelosi a Taiwan e criticam a “interferência” dos EUA nos assuntos internos de outro país.

Os Estados Unidos planejam fornecer a Taiwan US$ 1 bilhão em apoio emergencial de defesa a cada ano, além de injetar US$ 10 bilhões em ajuda militar nos próximos cinco anos.

Neste contexto, o funcionário acrescentou que tal carregamento de armas viola gravemente o princípio de ‘uma China’ e as disposições das três declarações conjuntas entre a China e os Estados Unidos, viola gravemente a soberania e os interesses de segurança da China e destrói as relações, a paz, bem como a estabilidade entre Pequim e Washington no Estreito de Taiwan.

As tensões entre China e Estados Unidos estão em seu nível mais alto nos últimos anos, entre outras questões, devido ao apoio dos Estados Unidos a Taiwan em atividades como venda de armas e visitas de autoridades americanas à ilha, que Pequim considera parte inseparável de seu território sob o princípio de ‘uma China’.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS