24.5 C
Brasília
domingo, 25 fevereiro, 2024

Cordas e ritmos dominicanos cativam a Bolívia

La Paz, 5 dez (Prensa Latina) A República Dominicana é hoje classificada como referência cultural na Bolívia após o concerto protagonizado pela estrela mundial do violino nascida naquele país Aisha Syed e pela Sinfônica Boliviana de Chuquiaqo.

Sob a direção do diretor geral desse conjunto, o maestro Christian Asturrizaga, a jovem virtuosa cativou o público que lotou o Teatro Municipal Alberto Saavedra de La Paz e foi pródiga em aplausos pela execução do Concerto para Violino e Orquestra em Ré Maior opus. 35, de Piotr Ilitch Tchaikovsky.

Com seus três movimentos, a obra escrita em Clarens, na Suíça, em 1878, em plena crise conjugal, é considerada uma das mais difíceis deste criador russo.

Desde a introdução caracterizada pelas suas dimensões e formas clássicas, Syed mostrou-se uma artista sensível e ao mesmo tempo profunda, capaz de passar com maestria do carácter lírico às transições emocionais e depois dominar facilmente os gestos severos do segundo movimento.

A energia e o brilho exalados pela artista no movimento final cativaram, apesar de mostrar em cena a sobriedade e contenção de quem não precisa de maneirismos para demonstrar o virtuosismo que aos 11 anos a tornou a mais jovem solista da Sinfónica Nacional. de sua terra natal.

Os aplausos prolongados foram apreciados com um fragmento solo da Partita para violino solo nº 2, BWV 1004 em Ré menor, de Johann Sebastian Bach como bis, compositor cuja música Syed ouviu aos oito anos e o influenciou decisivamente a se dedicar dedicar-se ao estudo da música.

Novamente junto com a orquestra, a violinista prestou homenagem à sua terra natal com a interpretação da canção Por Amor, de Rafael Solano, descrita por ela como o segundo hino nacional de seu país.

No início da segunda parte do concerto, o maestro Asturrizaga agradeceu ao embaixador da República Dominicana na Bolívia, Claudio Marte, a quem descreveu como um incansável promotor da cultura e dos atrativos daquela nação caribenha.

Esta ajuda permitiu a Chuquiago iniciar a parte final da gala com a Sinfonia número 1 (Quisqueyana) de Juan Francisco García, e continuar com Al son de los Atabales, fragmento da Suíte Folclórica, de Rafael Ignacio.

Orquestrações sinfônicas dos merengues Compadre Pedro Juan, de Luis Alberti; Caña Brava, de Antonio Abreu, e La Bilirrubina, de Juan Luis Guerra, estabeleceram forte comunicação com o público.

Se havia alguma preocupação entre os dominicanos e outros caribenhos presentes sobre a ausência de um tambor para garantir o sabor do merengue, ela foi dissipada, graças a um conjunto de percussão composto por tímpanos e uma bateria de congas e bongôs, aos quais com a batuta, Asturizaga soube trazer à tona o ritmo que fazia a sala bater palmas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS