Brasília, 22 de outubro de 2021 às 01:38
Selecione o Idioma:

Argentina

Postado em 06/08/2020 7:01

Congresso da Argentina sanciona leis que procuram consolidar soberania das Ilhas Malvinas

.

AMÉRICAS

A Câmara dos Deputados da Argentina sancionou leis que buscam consolidar soberania do país nas ilhas Malvinas.

“A defesa da soberania, o interesse nacional, o amor à nossa Pátria e a luta contra o colonialismo, nos conduzem a sustentar uma política externa soberana; a questão Malvinas é uma dívida da nossa jovem democracia“, afirmou o deputado Eduardo Valdés durante a sessão parlamentar, informou a Câmara em sua conta no Twitter.

Um projeto estabelece a nova demarcação do limite exterior da plataforma argentina sobre as águas do Atlântico Sul, as Ilhas Malvinas e seu espaço marítimo em volta.

Outro projeto cria o Conselho Nacional de Assuntos Relativos às Ilhas Malvinas e estará a cargo da Presidência da Nação.

O conselho terá como objetivo contribuir a geração de consensos políticos e sociais necessários para projetar e implementar políticas de Estado que apontem a efetivar o exercício pleno da soberania sobre as Malvinas, as Ilhas Geórgia do Sul e Sandwich do Sul e os espaços que as cercam.

As Ilhas Malvinas estão sob controle britânico desde 1833. Desde então, Argentina e Reino Unido mantêm um litígio pela soberania da região.

Em abril de 1982, a última ditadura militar na Argentina (1976 – 1983) tentou recuperar as Malvinas por meio de uma guerra que culminou em 14 de junho com derrota do país sul-americano e com quase mil mortos no total.

Soldados argentinos no Monumento aos Soldados Caídos durante a Guerra das Malvinas, Argentina, 2 de abril de 2007
© AP PHOTO / EDUARDO DI BAIA
Soldados argentinos no Monumento aos Soldados Caídos durante a Guerra das Malvinas, Argentina, 2 de abril de 2007

Em 10 de junho deste ano, dia da Afirmação dos Direitos Argentinos sobre as ilhas Malvinas, o governo do país sul-americano pediu ao Reino Unido para reiniciar as negociações bilaterais sobre as ilhas, e salientou seu “direito inalienável” sobre esses territórios.

Sputnik

Comentários: