24.5 C
Brasília
sábado, 25 maio, 2024

Como os iranianos “fervem um sapo”? Lenta e metodicamente.

– A aparente contenção do Irã face à agressão israelense não deve ser confundida com fraqueza. Teerã exerce pressão constante sobre Tel Aviv através dos seus próprios métodos, preparando cuidadosamente o cenário para o desmoronamento de Israel.

Shivan Mahendrarajah [*]

Diz a lenda que um sapo colocado numa panela com água a aquecer num fogão permanecerá feliz enquanto a temperatura sobe e não saltará da panela se a água atingir lentamente o ponto de ebulição e matá-lo. . A mudança de um grau de temperatura por vez é tão lenta que o sapo só percebe que está a ser fervido quando já é tarde demais.

Embora a história seja uma fábula destinada a transmitir uma lição significativa, muitas vezes é mencionada por militares e geopolíticos para descrever o “jogo longo ” destinado a alcançar objectivos estratégicos.

Hoje, são o Irão e os seus aliados regionais que estão a utilizar uma abordagem comedida para aumentar as temperaturas na Ásia Ocidental até que a água ferva os “sapos” dos EUA e de Israel até à morte. Estratégia, disciplina e rara paciência – a antítese da visão curto-prazista ocidental – trarão a vitória ao Irão. Citando o Talibã:   “Os americanos têm relógios, mas nós temos tempo”.

O tempo está agora do lado do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão (IRGC) e dos seus aliados regionais. Dois exemplos interligados mostram como o IRGC está a calibrar temperaturas tal como cientistas num laboratório.

O sapo ianque

Após o lançamento da operação de resistência liderada pelo Hamas, Al-Aqsa Flood, em 7 de Outubro do ano passado, o Presidente dos EUA, Joe Biden, enviou meios da Marinha dos EUA para o Golfo Pérsico e o Mar Mediterrâneo a fim de “defender” Israel.

No dia 26 de novembro, o USS Eisenhower e a sua escolta navegaram pelo Estreito de Ormuz e ancoraram no Golfo Pérsico, do lado da Arábia Saudita. Enquanto isso, as forças navais do Iêmen alinhadas com Ansarallah inicialmente atacaram navios israelenses e o porto de Eilat com os seus primeiros tiros em 19 de outubro. Mas em 29 de Novembro, os seus ataques escalaram para incluir navios com destino ou origem em Eilat, independentemente da bandeira ou propriedade.

Este padrão culminou no anúncio do Pentágono da ” Operation Prosperity Guadian ” em 18 de Dezembro, destinada a salvaguardar os interesses económicos de Israel à custa do pessoal militar dos EUA. Posteriormente, o Eisenhower e as suas escoltas navais deslocaram-se do Golfo Pérsico para o Mar Vermelho e o Golfo de Aden, supostamente para “defender” o estado de ocupação.

Em vez disso, o posicionamento dos meios da Marinha dos EUA no Mar Vermelho e no Golfo de Aden deixou-os susceptíveis a potenciais ataques do Irão ou de armamento fornecido pelo Irão, incluindo mísseis de cruzeiro, mísseis balísticos e drones.

Apesar dos esforços da US Navy (USN) e da Força Aérea dos EUA (USAF), Ansarallah permanece invicto. Os ataques aéreos anglo-americanos anteriores no Iémen revelaram-se ineficazes, enquanto o ritmo em curso e a expansão do âmbito crescente das operações no Iémen estão a sobrecarregar os recursos navais e a enfraquecer o moral .

Ao contrário dos “canhões de Hollywood”, os navios da US Navy não possuem mísseis interceptadores ilimitados, nem podem ser recarregados no mar. Quanto ao moral do pessoal americano, irá quebrar a longo prazo, especialmente porque muitos, se não a maioria, dos marinheiros e fuzileiros navais simplesmente não estão empenhados no combate por Israel.

No mês passado, o capitão Chris Hill, comandante do USS Eisenhower, disse: “As pessoas precisam de pausas, precisam ir para casa”.

Enquanto marinheiros, fuzileiros navais e aviadores ficam impacientes evitando diariamente os drones e mísseis de Ansarallah, o ‘Yankee Frog’ está a remanr alegremente em sua banheira de hidromassagem em Washington, acreditando que o ‘poder’ da USN derrotará os incômodos ‘Houthis’.

Esta foi sem dúvida uma medida bem calibrada apoiada pelo Irão que alcançou dois objectivos: primeiro, tirou o grupo de combate de porta-aviões do Golfo Pérsico e, segundo, sugou os EUA para uma armadilha crescente. O Yankee Frog está no hotpot do Mar Vermelho/Golfo de Aden. Não pode vencer.

Ou saltará e fugirá humilhado, destruindo ainda mais a credibilidade das forças armadas dos EUA após a sua humilhante derrocada de 2021 no Afeganistão; ou permanecerá na panela quente e será fervido até à morte – com a perda de navios e de vidas.

Seja qual for o resultado, o Irão vence. Da mesma forma, uma derrota iraniana dos EUA será bem recebida pela China, pela Rússia e por vários estados adversários dos EUA, especialmente em todo o sul global. Como observou um astuto utilizador do Twitter/X, Armchair Warrior (descrevendo as prováveis ​​respostas da Rússia às provocações ucranianas), pelas suas ações o Irão demonstrou “controlo reflexivo” sobre as ações de Washington. Com isso, ele quer dizer: “Se cada ação militar que você provocar uma reação simétrica, então você poderá controlar a natureza, o local e o ritmo do conflito em seu benefício”. Isto é precisamente o que o IRGC está a fazer de forma inteligente.

O sapo israelense

Entretanto, o pequenino “sapo israelense”, sonolento na água quente, sonha com o seu “novo Israel” – o Israel que criará quando tiver feito a limpeza étnica de Gaza. Ele tem planos de desenvolver Gaza, construir condomínios de luxo à beira-mar e construir ali unidades habitacionais para novos colonos.

Arquitetos já estão a elaborar projetos. O genro do ex-presidente e atual candidato republicano Donald Trump, Jared Kushner, um netanyahuista e benfeitor do partido Likud, está a medir cortinas para seu condomínio à beira-mar em Gaza.

Contudo, os militares israelenses não derrotaram o Hamas. Este continua a infligir danos significativos ao equipamento militar e aos recursos humanos israelenses. Segundo uma estimativa, o Hamas só foi degradado em 15-20 por cento. O exército de ocupação depende totalmente dos EUA e dos seus estados vassalos europeus para armamentos, uma vez que as suas capacidades de produção interna são limitadas.

De acordo com uma estimativa, cerca de 500 mil colonos regressaram às suas terras natais; a maioria não retornará . Desde 7 de Outubro, a conscrição deixou de ser uma exigência segura, embora inconveniente, de três anos:   os pais temem pelos seus filhos e filhas.

O adormecido movimento “recusnik” que emergiu da invasão israelense do Líbano em 1982 voltou a despertar. Os recrutados se recusam a servir e, como resultado, são presos. A isenção de recrutamento para judeus ultraortodoxos expirou em 1º de abril; eles ameaçam fugir de Israel, cuja sobrevivência depende de judeus a mudarem-se para lá .

Se os representantes dos judeus ultraortodoxos abandonarem a coligação do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, isso poderá derrubar o seu governo extremista. As tensões internas na sociedade israelense estão a aumentar, alimentadas por pressões socioeconómicas e pela desilusão com a forma como o governo está a lidar com a guerra.

A economia israelense está em farrapos. A cotação do shekel está a cair. Agora é de 3,60 ILS para 1 USD, de máximos de 4,01 ILS para 1 USD, com probabilidade de novas quedas. Os défices orçamentais e o endividamento dispararam. A Moody’s degradou a classificação do crédito de Israel de A1 para A2 em 9 de fevereiro. A indústria do turismo de Israel entrou em crise. A maioria das grandes companhias aéreas já não voa para Israel. As bases industriais e agrícolas do país são pequenas. Israel tem acesso limitado aos recursos naturais e à energia; depende de linhas terrestres vitais para a Jordânia e o Egipto, com o petróleo e o gás do Azerbaijão a chegarem a Haifa vindos da Turquia.

O Irão está a fazer a Israel exatamente o que Israel lhe fez com sanções económicas. Mas, ao contrário de Israel, o Irão tem reservas abundantes de petróleo e gás, 85 milhões de pessoas alfabetizadas e instruídas que não planeiam fugir, e formidáveis ​​bases agrícolas e industriais.

Teerão está a estrangular metodicamente a economia de Israel. O porto de Haifa está na lista de alvos do Hezbollah. Se Haifa for encerrada, juntamente com Eilat, Israel só terá linhas vitais terrestres para abastecimento de alimentos e energia. O Aeroporto Internacional Ben Gurion e outros aeroportos poderão ser alvos no futuro.

Aumentando o calor, um grau de cada vez

O recente ataque israelense à missão diplomática iraniana em Damasco, supostamente em resposta a um drone iraquiano que atingiu Eilat, reflete as apreensões e frustrações de Netanyahu – de que “o mundo inteiro está a unir-se contra nós”.

A estratégia de Netanyahu parece ser incitar o Irão a uma escalada de tensões, potencialmente levando-o a atacar ativos militares americanos na região, atraindo assim os EUA para a Guerra de Gaza. No entanto, não se sabe se Teerão morderá o isco.

Embora seja provável que o IRGC responda, tentará evitar cair na armadilha de Netanyahu. Em vez disso, o Irão pode optar por reforçar o seu domínio económico sobre Israel, possivelmente visando locais estratégicos como Eilat, Haifa e o Aeroporto Ben Gurion.

O IRGC compreende que a economia de Israel não pode sustentar um conflito prolongado. Portanto, a sua estratégia pode envolver uma escalada gradual – efectivamente fervendo lentamente a rã israelense – através de acções coordenadas envolvendo o Hezbollah, o Ansarallah e várias facções baseadas na Síria e no Iraque.

Como observou o economista Herbert Stein: “Se algo não pode durar para sempre, irá parar”. Embora Israel esteja longe de estar à beira do colapso, as ações disciplinadas e calculadas do IRGC estão a aumentar continuamente as tensões regionais. Se não for controlado, isto poderá ter repercussões significativas para a sociedade israelense e a sua economia – tudo sem que ela se aperceba, como a pequena rã a ferver.07/Março/2024

[*] Analista, iraniano.

O original encontra-se em thecradle.co/articles/how-do-iranians-boil-a-frog-slowly-and-methodically

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS