24.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

Como é que a linguagem desumanizadora facilita o genocídio na Palestina?

HispanTV – Quando Edward Said escreveu o seu famoso livro “Orientalismo” em 1978, provavelmente já imaginava que o paradigma que descreveu continuaria a ser o prisma através do qual o mundo islâmico seria visto nas décadas seguintes.

Há poucos dias, quando o presidente dos EUA, Joe Biden, falou do “ódio ancestral” como explicação para tudo o que aconteceu na região desde o ataque de 7 de outubro pelo HAMAS, ele pareceu confirmar a perspectiva de Edward Said.

Esta declaração, feita durante a chamada “Semana da Memória do Holocausto”, sugere não só um mal-entendido fundamental da história da região, mas também uma vontade política de adoptar uma visão específica que tenha implicações claras para a região. Ao afirmar que o HAMAS é “movido por um desejo de longa data de eliminar o povo judeu da face da terra”, Biden não está apenas a distorcer a história, mas também a dar voz ao discurso sionista que tenta obscurecer a realidade da sua ocupação colonial. da Palestina por trás deste suposto “ódio ancestral muçulmano contra os judeus”.

Pode argumentar-se que esta retórica do Presidente dos Estados Unidos serve para justificar as acções genocidas de Israel ao apresentar o Estado colonial como vítima do ódio muçulmano.

O problema para Biden é que não há como explicar como o HAMAS, grupo criado em 1987 em resposta à ocupação sionista, pode ser responsável por este suposto “ódio ancestral” aos judeus na região. La única manera posible de explicar estas declaraciones del presidente estadounidense es, como ya se ha sugerido, que sirven como altavoz al discurso sionista que busca presentarse como una víctima inocente en medio del supuesto odio musulmán al que no tiene más remedio que responder para poder vivir em paz.

Se o sionismo tenta esconder a sua dimensão colonial, é porque reconhece que o modelo colonial continua a ser a melhor forma de analisar o sionismo. É importante lembrar que o discurso sionista nas suas fases iniciais não teve escrúpulos em apresentar-se como um movimento colonial de colonização. Embora o sionismo tenha posteriormente tentado esconder esta dimensão colonial, sem sucesso, o seu objectivo sempre foi a construção de um Estado judeu demograficamente exclusivo, o que implica a expulsão e/ou eliminação dos palestinianos.

O discurso de Biden contribui para os objectivos do sionismo ao enquadrar a situação na Palestina como uma luta entre a civilização e a barbárie, sem abordar a questão principal da ocupação. Esta suposta divisão entre civilização e barbárie fornece uma justificação para o projecto colonial sionista.

Durante décadas, o discurso orientalista tem sido utilizado tanto pelo Estado de Israel como pelos seus aliados ocidentais, especialmente os Estados Unidos, para retratar o Estado sionista como um farol de democracia e progresso numa região hostil habitada por bárbaros.

Não só Biden usa este discurso para justificar o genocídio sionista na Palestina. Em postagem já excluída na rede social A lei da selva”. Um editorial do jornal israelense Jerusalem Post afirmou que “em 7 de outubro, a civilização ocidental perdeu e os bárbaros prevaleceram”. O presidente israelita, Isaac Herzog, declarou que a guerra de Israel em Gaza “tem como objectivo… salvar a civilização ocidental”, argumentando que Israel estava a ser “atacado por uma rede jihadista” e que “se não fosse por nós, a Europa seria a próxima, e os Estados Unidos seguiriam.”

Cada vez que a acusação é feita contra os “selvagens”, o mecanismo de projeção é acionado. Ou seja, a suposta barbárie é apresentada como necessária para apoiar o projeto colonial sionista e o imperialismo norte-americano sob o pretexto de representar e defender a civilização. Tudo isto contribui para justificar o genocídio na Palestina ao criar a percepção do “perigo muçulmano”, uma ameaça que, como se observou, não afecta apenas Israel, mas todo o mundo ocidental. Este medo dos “selvagens muçulmanos” facilita o genocídio na Palestina, bem como todas as medidas que fazem parte do que poderia ser chamado de aparato disciplinar da islamofobia.

Neste contexto, pode-se citar a aparição do diretor do FBI, Christopher Wray, perante o Senado dos EUA, onde alertou sobre o aumento da ameaça terrorista após 7 de outubro: “A guerra em curso no Oriente Médio aumentou a ameaça de um ataque contra os americanos nos Estados Unidos num nível completamente diferente”, declarou, apesar da falta de provas de ameaças iminentes.

A utilização deste tipo de linguagem, que representa os palestinos e os muçulmanos como uma ameaça, leva à sua desumanização. As vidas da população palestiniana tornam-se danos colaterais, algo que pode ser descartado para manter a ilusão de segurança e civilização. Infelizmente, esta retórica desumanizadora não é nova, como observou Edward Said em 1979: “Praticamente o único grupo étnico sobre o qual os insultos raciais são tolerados, até mesmo encorajados, no Ocidente são os muçulmanos”. Esta análise pode parecer absurda até nos lembrarmos das palavras do colunista do New York Times, Thomas Friedman, comparando árabes e iranianos a insectos.

A persistência do discurso desumanizador sublinha a necessidade de enfrentar a opressão e reconhecer a Palestina como “a pedra de toque” da luta anticolonial global. Esta luta é bloqueada pelos Estados Unidos para preservar o mito da luta contra “os bárbaros”, ao mesmo tempo que tentam evitar que a realidade brutal em Gaza mina esse mito. A preservação deste mito explica as acrobacias políticas que Biden e os seus conselheiros têm praticado diariamente desde o início do genocídio em Gaza.

Como explicam vários autores, quando Biden reiterou insistentemente que Israel não deveria entrar em Rafah, onde mais de um milhão de palestinianos vivem mal como refugiados, fê-lo para tentar defender o mito de uma guerra defensiva contra um inimigo que tem um “ódio ancestral”. no local de uma guerra de ocupação colonial. Para manter esse mito, Biden tentou argumentar que o exército colonial sionista “ainda não tinha entrado no centro da cidade”, como se a pequena cidade costeira fosse uma megalópole com um centro claramente diferenciado do resto do território.

As palavras de Biden sobre o “ódio ancestral” dos muçulmanos aos judeus fazem com que a análise de Said pareça tremendamente actual e relevante, tal como a forma como Said ligou o movimento de libertação palestiniano a outras lutas anticoloniais em todo o mundo. “Todos os estados ou movimentos nos territórios anteriormente colonizados de África e da Ásia identificam-se hoje plenamente, apoiam plenamente e compreendem a luta palestiniana”, escreveu ele em “A Questão da Palestina”. “Em muitos casos, há uma semelhança inegável entre as experiências dos palestinos árabes nas mãos do sionismo e as experiências daquelas pessoas negras, amarelas e pardas que foram descritas como inferiores e subumanas pelos imperialistas do século XIX.”

Xavier Villar

ÚLTIMAS NOTÍCIAS