29.5 C
Brasília
sexta-feira, 1 março, 2024

Começa corrida eleitoral no Panamá para eleição presidencial de 2024

Por Mario Hubert Garrido
Cidade do Panamá, 1 jun (Prensa Latina) Com o pedido de inscrição de candidatos por livre postulação, começa hoje o processo eleitoral geral no Panamá, cuja votação será em 5 de maio de 2024.

Anteriormente, o Tribunal Eleitoral (TE) do Panamá anunciou o Decreto Regulamentar e empossou os membros de 33 comissões de trabalho responsáveis pelo planejamento, desenvolvimento e execução da consulta.

Dessa forma, inicia-se o programa de renovação de todas as autoridades eleitas: presidente e vice-presidente da República, deputados à Assembleia Nacional, Parlamento Centro-Americano (Parlacen), prefeitos e demais autoridades locais.

A partir deste 1º de junho e até 31 de julho próximo, terá espaço um período chave para os chamados candidatos independentes.

Conforme informado pelo magistrado do TE, Eduardo Valdés, o período de coleta de assinaturas para esses requerentes terá início em 15 de agosto e término em 31 de julho de 2023.

Nesse sentido, o deputado independente Juan Diego Vásquez, líder da coalizão “Vamos” que busca reunir candidatos que não pertencem a partidos políticos, indicou que estão em fase final de definição das listas e que pode haver cerca de 100 pessoas.

Vásquez disse ao canal de notícias TVN que, um dia após o início do processo de publicação do regulamento, em vez de incentivar a participação informada, eles a desencorajam e não a promovem.

A enorme tarefa do “Vamos”, afirmou, é apresentar candidatos em todo o país, em um momento em que os panamenhos estão cansados da política tradicional e das velhas práticas de mentira, corrupção e clientelismo.

De acordo com as regras, nos círculos eleitorais com menos de 10.000 eleitores, a direção regional da respectiva Organização Eleitoral emitirá a resolução motivada com o reconhecimento da pré-candidatura e autorizará o início da recolha de rubricas de apoio.

No caso de áreas com mais de 10.000 eleitores, se não houver objeções ou se algumas das apresentadas forem rejeitadas, a conta de campanha será aberta no caso de pré-candidatos ao cargo de Presidente da República e a arrecadação de rúbricas de apoio.

Candidatos independentes terão até 31 de junho de 2023 para coletar assinaturas de apoiadores (devem ser 2% dos votos válidos emitidos na última eleição).

Os partidos políticos – cerca de oito reconhecidos até agora pelo TE e quatro em formação – têm até 31 de dezembro deste ano para se constituir e poder indicar candidatos às eleições.

O calendário prevê a realização das primárias de 1 de junho a 31 de julho de 2023; e os demais eventos internos em julho daquele mesmo ano.

No mês de setembro de 2023, os partidos políticos devem formalizar as alianças acordadas perante a Secretaria-Geral do TE.

Os novos períodos de campanha eleitoral no caso do futuro chefe de Estado foram aumentados de 60 para 90 dias e terminam à meia-noite da quinta-feira anterior à votação.

Em 2019, pouco mais de 2,7 milhões de eleitores, metade deles mulheres, foram convocados para eleger o Presidente e o Vice-Presidente da República, 71 deputados à Assembleia Nacional e 20 ao Parlacen; bem como 81 prefeitos e outros 700 funcionários

ÚLTIMAS NOTÍCIAS