12.5 C
Brasília
domingo, 26 maio, 2024

Com quem Putin conversou?

 [Foto: Grigorov/Sputnik via AP]

Dmitry Orlov [*]

A julgar pela reação dos media ocidentais a entrevista de Putin com Tucker Carlson causou muita confusão. O mais terrível disso, do ponto de vista dos editores do New York Times, do Washington Post e dos outros suspeitos de sempre, é que as pessoas no Ocidente – mais de cem milhões delas – puderam realmente ouvir Putin falar. A entrevista rompeu um bloqueio de informações:   as fontes dos media ocidentais não têm permissão para citar Putin diretamente e devem interpretar cuidadosamente suas palavras de forma errada para que se encaixem nas narrativas ocidentais aprovadas. Assim, elas não puderam abordar o conteúdo da entrevista diretamente; incapazes de citá-la, foram forçados a recorrer a circunlóquios, descaracterizações e insinuações. Felizmente, eles são muito bons nisso.

Verbete 'Ucrânia' na Enciclopédia Britânica.

Mas o que os mais de cem milhões de pessoas no Ocidente que de fato assistiram à entrevista ganharam com isso? Será que agora elas se lembram com carinho do ano em que o antecessor de Putin, Vladimir, o Grande, batizou os russos? (Isso foi em 988 d.C.). Será que agora elas entendem os meandros legais da dissolução da URSS e as promessas feitas na época em que foi concedida a independência à Ucrânia (que desde então foram violadas de todas as formas possíveis)? Afinal, o que houve com aquela aula de história?

Putin parece ter feito o dever de casa sobre Tucker. Tucker estudou história enquanto frequentava o Trinity College em Hartford, Connecticut (mas não conseguiu se formar). Como Tucker foi demitido como jornalista e atualmente está desempregado (ou seja, é um blogueiro), Putin naturalmente presumiu que Tucker é um historiador amador com formação profissional incompleta que veio como emissário político para ouvir algumas palavras de sabedoria do líder de uma grande nação sobre um determinado assunto específico – a Ucrânia.

Portanto, Putin considerou perfeitamente razoável preencher a lacuna na educação de Tucker apresentando um breve resumo dos últimos mil anos da história russa com um foco específico no território que, apenas nos últimos 3% dessa história, foi chamado de “Ucrânia”, “Ucrânia” ou “okraina”. Essa palavra é traduzida como “arredores; franja; periferia; distritos fronteiriços; distritos periféricos; terra marginal”. Essa definição gera uma pergunta óbvia: “A ukraine/okrainа de quê?” Da Rússia, obviamente!

Tucker parecia desnorteado com a lição de história de Putin. Toda a sua tática de fazer perguntas provocativas e rir das respostas havia descarrilado e ele não sabia mais o que fazer. Assim, ele voltou ao básico, que, para qualquer americano, são os negócios. E os negócios dependem de The Art of the Deal (A arte do acordo), de autoria do senhor e mestre de Tucker, Donald Trump. Assim, o pobre Tucker se viu reduzido a fazer algumas perguntas óbvias:   Putin está disposto a negociar? A resposta surpreendente foi que, sim, a Rússia nunca se recusou a entrar em negociações e quer paz e prosperidade para todos.

No que diz respeito ao conflito na Ucrânia, a Rússia quase conseguiu o que queria em Istambul, em 22 de julho de 2022, mas então o tonto Boris Johnson apareceu e disse aos ucranianos para rasgarem o acordo e lutarem – lutarem – lutarem. Não importa; se os EUA e a OTAN quisessem pôr fim às hostilidades na Ucrânia, tudo o que teriam de fazer seria cortar o fluxo de armas e, algumas semanas depois, a guerra estaria terminada.

Mas e quanto à guerra iminente entre a Rússia e a OTAN, sobre a qual vários líderes europeus têm falado? Se a Rússia for atacada ou invadida, disse Putin, isso significaria guerra; se não, então não. A Rússia não está nem um pouco interessada em atacar países como a Polônia ou os Bálticos: não há nada lá que a Rússia possa querer. Tudo o que a Rússia quer deles é que parem de ameaçar a Rússia. Com isso, eles podem viver felizes para sempre ou se enforcar e morrer – a Rússia não se importaria.

Isso é tudo sobre a guerra; e quanto à energia? Bem, disse Putin, os americanos explodiram o Nord Stream, mas há um tubo dele (das quatro originais) intacto e os alemães poderiam abri-lo se quisessem. Há outro tubo que atravessa a Polônia que foi fechado – converse com os poloneses sobre isso. E a Ucrânia fechou um de seus dois dutos – pergunte a eles sobre isso. O fato de a UE estar passando fome de energia não é problema da Rússia: eles podem abrir as válvulas a qualquer momento.

Suponho que Tucker conseguiu o que queria: agora ele pode voltar para Trump e dizer que Putin está pronto para negociar e que o caminho a seguir está claro. A agenda imediata é:

  • 1. Interromper o apoio à Ucrânia; isso acabará com a guerra. Depois, conversem sobre o que fazer com as várias regiões da antiga Ucrânia. Putin deixou claro que parte desse território é de direito polonês, húngaro ou romeno. Coloque todos na mesma página e realize uma conferência de paz. Não faz sentido convidar os ucranianos:   eles são russos (como Putin explicou pacientemente, entregando a Tucker uma pasta de documentos de arquivo que comprovam esse fato) e qual é o sentido de convidar os russos duas vezes?

  • 2. Diga aos líderes da OTAN para pararem com seu belicismo insípido. Ou eles param de ameaçar a Rússia, ou não haverá mais dinheiro para eles. Essa parte é muito fácil; mais uma vez, como Putin explicou pacientemente, os chefes da OTAN sempre fazem exatamente o que seus mestres de Washington lhes dizem para fazer.

  • 3. Abra os gasodutos:   um através da Ucrânia, outro através da Polônia e o restante do gasoduto Nord Stream. Isso deve ser suficiente para salvar o que resta da indústria alemã.

  • 4. Putin também tem alguns pedidos para os americanos. Fechem a fronteira sul… façam algo a respeito da dívida de US$ 33 milhões de milhões… no mínimo. Lidem com seus próprios problemas, por favor! Não se preocupem com a Rússia ou a China, elas ficarão bem sem a ajuda de vocês.

Isso parece ser suficiente para Tucker levar para o escritório central. Ele se saiu bem; dê-lhe a vice-presidência. Mas e quanto ao público – os mais de cem milhões de pessoas que assistiram à entrevista até agora?

Imagino que tenha sido um pouco chocante para eles ouvir o líder de um país falar por duas horas inteiras sobre uma ampla gama de tópicos sem [consultar] anotações, citando muitos fatos, datas e números e expondo de forma sucinta várias teses importantes. Eles não precisaram realmente entender tudo o que ele disse, ou mesmo uma parte substancial, para apreciar o tipo de pessoa que Putin é, assim como não é necessário ter formação em música clássica para ouvir Itzhak Perlman tocar o Rondo Capriccioso para violino e orquestra de Camille Saint-Saens para saber que ele é um excelente violinista.

E então eles podem olhar para Olaf Sholtz aprendendo a tocar kazoo ou Annalena Berbock improvisando alguns barulhos de pato com suas axilas suadas e decidir que esses palhaços não são exatamente um material de liderança nacional nem de longe. E nem mesmo olhe para o velho Joe Biden – ele está ocupado almoçando com Napoleão Bonaparte. Ou isso, ou ele está ao telefone com Átila, o Huno… ou será Genghis Khan… ele nunca consegue se lembrar qual é qual.

Só podemos esperar que um número suficiente de pessoas chegue a uma conclusão simples: elas precisam fazer algo para encontrar e recrutar alguns líderes nacionais de verdade – que acabem com essas guerras estúpidas, normalizem as relações internacionais, façam a energia e o dinheiro fluírem novamente, fechem as fronteiras, expulsem os ilegais e comecem a servir de fato ao interesse público, como os servidores públicos adequados sempre devem fazer.

13/Fevereiro/2024

[*] Escritor.

A versão em inglês encontra-se em www.nakedcapitalism.com/2024/02/ecuador-pays-price-for-giving-russian-made-weapons-to-us-in-bananas-and-flowers.html e a tradução em sakerlatam.org/com-quem-putin-conversou/

Este artigo encontra-se em resistir.info

ÚLTIMAS NOTÍCIAS