26.5 C
Brasília
terça-feira, 28 maio, 2024

Com Maduro, Alba debate alternativas ao capitalismo com líderes de esquerda em Caracas

Maduro coordenou mesa que contou com a presença do ex-presidente da Bolívia Evo Morales e do membro da direção nacional do MST, João Pedro Stedile – Anaís Pérez/Prensa Presidencial Venezuela

Presidente da Venezuela coordenou uma mesa de debate e disse que o caminho é um ‘mundo multipolar’

Lorenzo Santiago

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela) |

Movimentos populares se reuniram em Caracas para discutir as possibilidades de um novo mundo frente ao capitalismo. O Encontro para uma Alternativa Social Mundial começou na quinta-feira (18) e vai até sábado (20) no Hotel Meliá, na capital venezuelana. Os debates contaram com a representantes de organizações de 60 países, com protagonismo da América Latina.

Organizado pela Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América -Tratado Comércio dos Povos (Alba-TCP) e o Instituto Simón Bolívar, a série de debates tem como objetivo discutir alternativas ao modo de produção capitalista a partir de um projeto de sociedade que contemple as demandas e a luta dos movimentos populares.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, participou do evento. O chefe do Executivo venezuelano disse que a Alba é a “verdadeira alternativa” para uma nova sociedade e disse que, para pensar um modelo econômico que seja melhor que o capitalismo, é preciso construir um mundo multipolar.

“A construção de um mundo multipolar já nasceu. Começou a contagem regressiva para o fim do império de coletivos do Ocidente e a humanidade que vem será melhor”, afirmou.

Para o secretário-executivo da Alba-TCP, Jorge Arreaza, o debate é importante para pensar possibilidades a partir de uma construção coletiva de ideias e pensamento.

“Oferecemos ao mundo o caminho para unir todos que possam se unir para enfrentar o inimigo principal. Os povos são o combustível, a energia, mas precisam estar em contato com uma institucionalidade democrática para poder comunicar seu sentimento e autoridade democrática”, afirmou.

Quatro mesas de debate marcaram a abertura do primeiro dia. Professores, pesquisadores, lideranças de movimentos e políticos latino-americanos falaram sobre os principais problemas enfrentados no sistema atual e as possibilidades de novos caminhos para a sociedade. Os temas discutidos foram: perigos e ameaças da humanidade, a civilização decadente, a necessidade de um projeto comum e um só imperialismo, um só inimigo.

O segundo dia foi marcado pela presença de Nicolás Maduro. Participaram também os ex-presidentes da Bolívia Evo Morales, e de Honduras, Manuel Zelaya, o membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) João Pedro Stedile e Llanisca Lugo, integrante do Centro Martin Luther King.

O líder boliviano falou sobre a importância de fortalecer uma posição anti-imperialista e reforçar a ideia de um novo modelo econômico possível.

“As medidas dos EUA sempre foram de ingerência, intervenções e golpes de Estado. O golpe na Bolívia acontece porque não aceitam outro modelo econômico melhor que o neoliberalismo, não aceitam índios e não aceitam uma outra forma de gestão dos recursos naturais, que no caso da Bolívia é o lítio”, afirmou Morales.

O encerramento do evento será neste sábado, com o seminário Juventudes Anti-imperialistas em Luta e por uma Solidariedade.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS