14.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

Claro-escuro por uma semana no Irã

Caracas (Prensa Latina) Na semana passada fui nomeado pelo Ministério da Cultura da Venezuela para representar nosso país na 35ª. Feira Internacional do Livro de Teerã. Nesta ocasião, a delegação venezuelana foi liderada por Omar Rangel, presidente da Monte Ávila Ediciones Latinoamericanas. No meu caso, participei do evento como redator daquela prestigiada editora venezuelana.

Sergio Rodríguez Gelfenstein*, colaborador da Prensa Latina

Na segunda participação da Venezuela na Feira Internacional do Livro de Teerã, fomos objeto de múltiplas atenções por parte da Fundação Omar Khayyam vinculada ao ministério da cultura do país anfitrião, que atuou como anfitriã de nossa delegação. Além da presença com uma mostra expositiva de 68 títulos, a delegação venezuelana teve encontros com outras instâncias da cultura e da academia do país persa.

Assim, fomos recebidos pelos professores e alunos do Departamento de Estudos Latino-Americanos e do Centro de Estudos Hispânicos da Faculdade de Estudos Mundiais da Universidade de Teerã onde realizamos um raro intercâmbio em que os participantes se interessaram pelo contexto da América Latina e especialmente para a Venezuela. Tivemos também um debate original na sede do jornal ANA, instituição privada que se caracteriza por reportar nas áreas académica, de ciência e tecnologia e de inovação.

A Venezuela, ao lado de outros 16 países e 60 editoras, fez parte do avanço internacional da Feira. Pessoalmente, foi muito interessante cumprimentar e, na medida do idioma, trocar com editores, livreiros e autores de países tão distantes como Iêmen (país convidado da Feira), Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar, Paquistão, Cazaquistão e Quirguistão, entre outros. Conversamos também com representantes da Síria, Líbano, Rússia e Vietnã, países que conhecemos melhor. A Venezuela, juntamente com o México, foi responsável por representar a América Latina na exposição de livros escritos em espanhol.

Com o lema “Vamos ler e acreditar” a feira decorreu durante 11 dias na Grande Mesquita Mosalla do Imam Khomeini, um enorme complexo cultural religioso ainda em construção, mas quando totalmente concluído terá uma área de mais de 20 km² , com centro cultural e turístico, universidade, seminário, shopping center e estacionamento para 20 mil veículos. Com mais de 2.700 editoras, a Feira Internacional do Livro de Teerã é um evento considerado o de maior prestígio e o maior na área cultural de toda a Ásia Ocidental. A próspera indústria editorial iraniana publica cerca de 115 mil títulos anualmente por quase cinco mil editoras.

Para nós foi uma surpresa especial e comovente conhecer diretamente o grande número de jovens e até crianças interessadas em estudar e aprender espanhol. Com um fluxo interminável de participantes, dezenas de cidadãos de todas as idades e sexos vieram ao nosso stand para ver os nossos livros, trocar opiniões ou simplesmente conhecer a Venezuela e partilhar as suas impressões. Particularmente emocionante foi saber como o nome da Venezuela foi imediatamente ligado ao Comandante Hugo Chávez, por quem o povo iraniano professa um especial respeito e admiração que não esconde no diálogo.

A visita de Saba, uma menina de 12 anos que nos contou em espanhol perfeito que no ano passado ganhou de presente um livro venezuelano e agora precisava de outro, depois de cumprir a promessa de lê-lo na íntegra, causou um choque significativo na nossa delegação. Omar perguntou-lhe se conhecia a literatura de Aquiles Nazoa, brilhante escritor, jornalista e ensaísta venezuelano, um dos intelectuais mais destacados do século XX em nosso país, que escreveu abundante literatura infantil. Quando questionada, com absoluta confiança, Saba respondeu: “Conheci-o mas não li a sua obra”, ao que Omar lhe deu um livro do nosso stand que ela mesma escolheu. Saba nos contou que era autodidata e que, além da língua nativa e do espanhol, falava inglês e francês e estava aprendendo alemão. Ela também nos informou que era “professora de inglês para crianças pequenas”.

Em geral, os iranianos (homens e mulheres, adultos, jovens e crianças) são muito abertos e falantes. Em nenhum momento o nosso estande ficou vazio, pelo contrário, foi muito difícil atender à avalanche de pessoas que se aproximaram apresentando múltiplas expressões de apreço e proximidade à Venezuela. Nos diálogos nunca ouvi qualquer sinal de ódio, desprezo ou exclusão em relação a outro país, setor ou pessoa. Tudo isto e a presença massiva de dezenas de milhares de participantes diariamente na feira, ajudaram a compreender que o grande evento do livro era a expressão de um verdadeiro festival cultural da nação persa, que depois de milénios continua a cultivar o seu apreço e respeito pelo sabedoria e conhecimento.

Sempre pensei que em todos os momentos a vida busca sempre o equilíbrio. Tudo nunca é ruim ou tudo bom. Existem compensações. Depois de uma semana extraordinária de experiências positivas, na noite de domingo, quando nos preparávamos para regressar no dia seguinte, a notícia infeliz encheu o ambiente, a surpresa deu lugar ao estupor e esta à esperança. O helicóptero que transportava o presidente Ebrahim Raisi, o ministro das Relações Exteriores Hossein Amir Abdollahian e outros altos funcionários do governo iraniano caiu no chão.

Veio-me à mente um acontecimento semelhante ocorrido há 20 anos, envolvendo um colega do gabinete do governo do estado de Chiapas, no México. Desde o primeiro momento, embora agarrado ao milagre, soube que era muito difícil para qualquer um dos passageiros sobreviver. Na segunda-feira, já no aeroporto, em plena tensão e prestes a embarcar no avião, a desastrosa notícia foi confirmada pelas autoridades iranianas.

Ao chegar a Istambul, os meios de comunicação social foram inundados com conjecturas, teorias da conspiração e opiniões de analistas atenciosos que “estavam em contacto com pessoas muito bem informadas”. Dias antes haviam me contatado para que durante minha estada de algumas horas naquela cidade eu desse uma entrevista para o canal de notícias turco NTV. Embora o foco da entrevista fosse a Venezuela e as eleições presidenciais de julho, sabendo que eu vinha do Irã, me perguntaram sobre o assunto.

Eu disse que o Irão era um país com instituições sólidas e consolidadas. Sendo um Estado teocrático, o chefe de Estado é o líder supremo eleito pela Assembleia de Peritos. O presidente da república é o chefe do governo. Assim, após a morte do Presidente Raisi, foram postos em funcionamento os mecanismos constitucionais estabelecidos para o efeito, foi nomeado um presidente interino e foram convocadas eleições para 27 de junho para eleger um novo presidente. O mesmo aconteceu no Ministério dos Negócios Estrangeiros quando quase imediatamente o perito diplomático Ali Bagheri foi nomeado chanceler interino.

A infeliz perda do presidente iraniano não trará mudanças importantes na política do país persa. A sua continuidade é dada pela liderança do aiatolá Ali Khamenei. Curiosamente, esta terça-feira, dia 21, foi inaugurada uma nova Assembleia de Peritos, para começar a debater a sucessão de Khamenei, de 85 anos. O órgão composto por 88 clérigos, dos quais 83 estiveram presentes, é eleito para um mandato de oito anos e tem a missão de supervisionar o trabalho do dirigente e o poder de o substituir.

A força institucional do Irão torna-se evidente quando, após a morte dolorosa e inesperada do Presidente Raisi, que significará a realização de novas eleições, se manifesta também a possibilidade de eleger um novo líder supremo, a fim de prolongar, encadear e projectar com sucesso na futuro.

*Bacharel em Estudos Internacionais, Mestre em Relações Internacionais e Globais. Doutor em Estudos Políticos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS