25.5 C
Brasília
terça-feira, 11 junho, 2024

China ‘disparou a 1ª salva de retaliação’ na guerra de sanções contra os EUA, diz especialista

Sputnik – A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, chegou à China hoje (6), no que parece ser a segunda tentativa de Washington neste ano de salvar as relações com Pequim por meio de conversas conduzidas por um alto funcionário dos EUA.

secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou Pequim apenas no mês passado, mas ainda não está claro se ele conseguiu ajudar a melhorar as relações entre os EUA e a China. Não muito depois de sua viagem, o presidente dos EUA, Joe Biden, chamou publicamente o presidente chinês Xi Jinping de “ditador”, potencialmente retrocedendo em qualquer progresso.
Durante uma entrevista à Sputnik, o jornalista e analista político especializado na região da Ásia-Pacífico, K.J. Noh, observou que Pequim aparentemente mudou sua abordagem para lidar com Washington devido à maneira como os EUA se comportam.
Quando a China pediu aos EUA que “recuassem” suas sanções à indústria de fabricação de chips da China, Blinken disse que os EUA basicamente se absteriam de tentar “impedir o desenvolvimento da China” depois de se reunir com o presidente chinês Xi Jinping, argumentou Noh.

“Então, logo após o término desta reunião, o que aconteceu?” ele perguntou, referindo-se ao encontro mencionado entre Xi e Blinken durante a visita do secretário de Estado dos EUA à China. “Biden chamou Xi de ditador, Blinken afirma que ele é um ditador. Eles enviam o USS Ronald Reagan bem perto da China.”

Mais importante, Noh disse que os EUA pressionaram o governo holandês “para impedir que a ASML, o fabricante, enviasse máquinas de litografia ultravioleta profunda para a China“, apesar do fato de que esta é uma “tecnologia estabelecida” e não uma “nova tecnologia de ponta”.

Bandeiras da União Europeia (UE) e da China são vistas no edifício Europa em Bruxelas, 17 de dezembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 06.07.2023

Panorama internacional

Estratégia da UE para ‘minimizar riscos’ contra China é insensata e afeta empresas europeias

Portanto, argumentou o especialista, a China “disparou sua primeira salva em resposta” ao restringir as exportações de gálio e germânio, dois elementos de terras raras usados na fabricação de semicondutores. A partir de 1º de agosto, todas as entidades que desejam exportar essas terras raras da China devem obter as licenças apropriadas do Ministério do Comércio chinês.
Embora os Estados Unidos tenham seu próprio suprimento de germânio, não extraem esse recurso há décadas devido à poluição causada pelo processo, observou Noh, acrescentando que os EUA teriam que “ignorar muitas leis ambientais” se decidissem para começar a minerar este elemento em seu próprio território.

“Então, acho que o resultado disso é que vai aumentar o preço desses minerais. Isso também aumentará o preço das fichas”, refletiu.

Noh sugeriu ainda que a China pode eventualmente decidir adicionar “metais mais críticos à sua lista de sanções” e que o plano dos Estados Unidos de “isolar a China da indústria de chips não funcionará”, já que Pequim estaria efetivamente dizendo a Washington: você pode controlar o maquinário, mas possuímos as matérias-primas.

“Eventualmente, a China inventará o maquinário, as máquinas de litografia que os EUA não estão dando ou impedindo de ir para a China”, explicou Noh. “Mas você não pode inventar um metal, você não pode inventar um elemento. Não tem jeito.”

As relações entre os Estados Unidos e a China seguem se deteriorando desde o início de uma verdadeira guerra comercial entre os dois Estados, iniciada em 2018 pelo então presidente dos EUA, Donald Trump.
Nos últimos anos, os EUA vêm impondo restrições à exportação de semicondutores e microchips para a China, pressionando seus aliados a fazerem o mesmo.

Washington também reprimiu as exportações de tecnologia de chips para a China em um esforço para impedir que Pequim desenvolva sua própria indústria avançada de microchips.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS