27.5 C
Brasília
sábado, 20 abril, 2024

China apoia processo eleitoral da Venezuela diante da interferência estrangeira

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, entre apoiadores, vai à CNE para se inscrever nas eleições presidenciais, Caracas, 25 de março de 2024.

HispanTV – A China rejeita a “interferência externa” dos EUA e da França nas eleições venezuelanas, na sequência da decisão desta última de excluir candidatos da oposição.

“Respeitamos a independência nacional e soberana da Venezuela, apoiamos a Venezuela no avanço das eleições de acordo com a sua Constituição e as suas leis, e nos opomos à interferência externa nos assuntos internos da Venezuela”, disse na sexta-feira o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. da China, Lin Jian.

A Plataforma de Unidade Democrática (PUD) da Venezuela registou esta semana o ex-embaixador Edmundo González Urruti como candidato da oposição às eleições presidenciais.

O registo gerou críticas dos Estados Unidos e da França porque a sua candidata preferida, a oposicionista María Corina Machado, foi desqualificada e a sua sucessora, Corina Yoris, não conseguiu registar-se para votar.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, garante que em seu país a “fórmula extremista” como a argentina Milei ou o brasileiro Bolsonaro nunca prevalecerá.

No entanto, o PUD registou Urruti como “candidato provisório”, mas o presidente francês Emmanuel Macron não gostou disso.

“Condenamos veementemente a exclusão de um candidato sério e credível deste processo”, disse Macron.

Um dia antes, Washington afirmou que a Comissão Eleitoral só aceitaria “candidatos da oposição com os quais [o presidente venezuelano Nicolás] Maduro e os seus representantes estivessem satisfeitos”.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller, afirmou que a medida “contradiz eleições competitivas e inclusivas que o povo venezuelano e a comunidade internacional acreditam ser legítimas”.

Os Estados Unidos impuseram duras sanções à Venezuela para punir o governo de Maduro após a sua reeleição em 2018, um resultado que os Estados Unidos e outros governos ocidentais rejeitaram.

As sanções dos EUA proibiram a petrolífera estatal PDVSA (a estatal Petróleos de Venezuela) de exportar para determinados mercados desde 2019.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS