Brasília, 13 de janeiro de 2022 às 23:01
Selecione o Idioma:

Chile

Postado em 04/03/2020 5:41

Chile: Presidente será alvo de manifestações no dia 8 de março

.

Santiago do Chile, (Prensa Latina) Às portas do Dia Internacional da Mulher, a presidente do Chile é alvo de duras críticas de organizações de mulheres e outras personalidades após declarações que foram classificadas pelo menos como infelizes.
Na véspera, o presidente promulgou em uma cerimônia uma nova lei que amplia a criminalização do feminicídio e aumenta as penas para quem comete esse crime, o que é considerado um avanço importante para fazer justiça às mulheres chilenas.

Entre outros pontos, a legislação elimina qualquer tipo de justificativa para quem comete um feminicídio e aumenta as penas contra os autores desse fato de um período mínimo de 15 anos para a prisão perpétua.

Mas a promulgação da Lei Gabriela, em homenagem a uma jovem que, junto com sua mãe, foi assassinada pelo namorado em 2018, tornou-se uma dor de cabeça para o presidente, ao sugerir que as mulheres também são responsáveis por serem atacadas.

Textualmente, Piñera expressou em seu discurso que ‘às vezes não é apenas a vontade dos homens abusar, mas também a posição das mulheres a serem abusadas’, o que gerou uma chuva de críticas ao presidente.

Nesse sentido, a vice comunista Karol Cariola lembrou que ‘se temos a Lei Gabriela hoje, não é exatamente por causa da mentalidade avançada do presidente’, mas pelo contrário, porque com essa frase os autores são exculpados e as vítimas são culpadas.

Em sua conta no Instagram, a Coordenadora Feminista 8M disse que ‘a culpa não é e nunca foi nossa. A culpa é dos que nos abusam e nos violam e da estrutura institucional que os protege. É o Estado, os juízes, os pacos (carabineros’). ) e o presidente ‘.

Da Frente do Poder Feminista, a porta-voz Estefanía Campos considerou as palavras de Piñera um tapa para as mulheres em todo o país e alertou que ‘ele é incapaz de entender os níveis de violência aos quais estamos expostos todos os dias’.

Enquanto isso, Gabriel Alcaíno, pai de Gabriela e que esteve na cerimônia, mais tarde descreveu as palavras do presidente como ‘bastante lamentáveis, porque ele não está ouvindo, não entendendo que a culpa da mulher não está aqui’.

Inúmeras críticas forçaram o presidente a tentar alterar suas palavras duas vezes e apontam que ‘a posição de nosso governo é de tolerância zero contra todos os tipos de violência ou abuso contra mulheres’.

Até a ministra da Mulher, Isabel Pla, saiu para dar explicações, apontando que o que o presidente queria dizer não tem a ver com responsabilizar as vítimas, mas, quando decidirem denunciar os abusos, encontrarão o apoio da sociedade, das instituições e todos os poderes do Estado.

Os analistas também consideram que Piñera não poderia escolher um momento pior para cometer esse erro, porque precisamente nesta terça-feira, a ministra Pla será desafiado na Câmara dos Deputados por, entre outras coisas, sua passividade aos ultrajes que muitas mulheres foram vítimas durante os últimos meses nas mãos das forças policiais.

Comentários: