26.5 C
Brasília
quarta-feira, 28 fevereiro, 2024

Chile: Críticas no plano de Piñera em meio a votação histórica

Santiago do Chile,  (Prensa Latina) Com todo o Chile assistindo a uma votação histórica na Câmara dos Deputados, cujo resultado é incerto, o presidente Sebastián Piñera recebe hoje repetidas críticas ao seu plano ‘reforçado’ para ajudar a classe média empobrecida.
No dia anterior, o presidente anunciou este programa, que foi imediatamente descrito na mídia política e nas redes sociais como uma ‘oferta de última hora’, destinada sobretudo a interromper uma reforma constitucional patrocinada pela oposição e que o governo rejeita.

A apresentação das medidas ocorreu durante o debate na Câmara dos Deputados sobre a reforma constitucional para permitir a retirada de 10% de suas economias aos membros das Companhias de Seguros do Fundo de Pensão (AFP), símbolos do modelo neoliberal chileno.

Na opinião dos analistas, o anúncio do presidente visa mais evitar que esta iniciativa prospere do que responder às necessidades urgentes da classe média, que mais de quatro meses após o início da pandemia no país ainda está fora de toda a ajuda aprovada até o momento.

A nova versão inclui como elemento essencial um bônus não reembolsável de cerca de 635 dólares à taxa de câmbio atual, que beneficiará, disse o presidente, todos os trabalhadores que tinham renda semelhante antes da pandemia e que perderam mais de 30% dessa renda.

O plano também prevê o adiamento de seis meses no pagamento de dividendos; um subsídio de aluguel por três meses até 250.000 pesos por mês (317 dólares), o adiamento de contribuições, e um empréstimo estatal para compensar até 70% da queda na renda dos trabalhadores.

Após o anúncio, o Poder Executivo e os partidos pró-governamentais saudaram as medidas, embora os deputados de direita a favor da iniciativa a ser aprovada hoje reiterassem que manteriam seu voto favorável, embora outros advertissem que entrariam em ‘reflexão’.

O presidente da Comissão de Constituição da Câmara Baixa, Matías Walker, disse que Piñera ‘não teria feito este anúncio se a retirada de 10% dos fundos da AFP não estivesse em jogo’.

Na mesma linha, o presidente da Convergência Social, Gael Yeomans, disse que o plano para a classe média ‘chega tarde e apenas porque o governo estava contra as cordas, desesperado sobre como o sistema AFP está sendo ameaçado.

Parece que a nova proposta presidencial não teve um impacto favorável na La Moneda nas ruas, pois depois que Piñera falou, latas e panelas foram ouvidos em várias áreas da capital.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS