21.5 C
Brasília
sexta-feira, 23 fevereiro, 2024

Chile cria palavra-chave para mulheres denunciarem violência doméstica

Experiências na Espanha e na Argentina mostram que pressão gerada pela quarentena aumenta o risco de uma mulher ser vítima do companheiro

As mulheres chilenas podem denunciar em farmácias atos de violência doméstica durante a quarentena pelo novo coronavírus utilizando uma palavra-chave – “mascarilla19” (máscara19 em português).

Funcionários de mais de 3 mil farmácias em todo o Chile foram instruídos para estar alertas quando uma mulher se aproximar e pedir “mascarilla19”, cuja menção ativará um protocolo para ajudar a denunciante, explicou Carolina Cuevas, ministra da Mulher, durante a apresentação do novo programa.

“Esta é uma ferramenta a mais que somamos para que as mulheres possam pedir ajuda e para aumentar a disponibilidade de canais de comunicação. Tomara que um dos aprendizados que esta pandemia nos deixe no tema da violência intrafamiliar é que nunca mais podemos justificar a violência contra as mulheres”, acrescentou Cuevas.

➤ Leia também:

A palavra-chave será usada quando a denunciante se sentir ameaçada, vivendo uma situação de violência ou sua vida estiver em risco. Os funcionários deverão, então, pegar os dados da mulher e colocá-la em seguida em contato por telefone com o Ministério da Mulher ou, se for um fato grave, com a Polícia.

A iniciativa foi usada com sucesso na Espanha e na Argentina, onde a experiência revelou que o estresse e a pressão provocados pela quarentena aumentam os riscos de uma mulher ser vítima de agressão do companheiro, informou o Ministério da Mulher.

No Chile, são realizadas quarentenas seletivas por região e toque de recolher noturno em todo o país. O número de feminicídios reportados (4) é baixo frente ao aumento das denúncias contra violência doméstica, que, em algumas localidades como Providencia, de classe média e alta, cresceram 500%. O país contabiliza 7.213 contagiados e 181 mortos por covid-19 até este sábado, segundo dados oficiais.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 25 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

ASSINE  ou, se preferir, Apoie a Carta.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS