24.5 C
Brasília
sábado, 22 junho, 2024

Cerca de seis mil empregos em risco devido à disputa Paraguai-Argentina

Assunção, 3 out (Prensa Latina) A polêmica entre Paraguai e Argentina depois que Buenos Aires cobrou pedágio às embarcações locais na hidrovia comum e a rejeição de Assunção ameaça cerca de seis mil empregos no setor, informou nesta terça (03) a Rádio Ñandutí.

O sindicato marítimo gera esses empregos diretos que estão agora em risco devido à escalada do conflito bilateral devido a esta medida, que a Argentina considera um direito e o Paraguai uma violação, declarou o vice-presidente do Centro de Armadores Fluviais e Marítimos, Esteban Dos Santos.

“Há muito capital estrangeiro investido nas operações no Paraguai”, explicou o gestor. A fonte de mais de seis mil empregos está no Paraguai para seus habitantes, o que faz do setor marítimo um dos maiores contribuintes.”

O líder dos armadores guaranis questionou o governo do Estado vizinho, que continua impedindo o escoamento de produtos comerciais no canal hidrológico Paraguai-Paraná, “embora tenha concordado com o governo de Assunção em cessar os embargos às embarcações por falta de pagamento de 60 dias.”

A autoridade pediu a resolução da polêmica, que começou em janeiro com a exigência argentina de cobrar uma taxa de US$ 1,47 por tonelada aos navios que navegam na hidrovia, única saída para o Atlântico para as exportações do Paraguai, que mobiliza 80% de sua carga por meio daquela hidrovia. canal.

Dos Santos comemorou as ações diplomáticas, técnicas e políticas tomadas pelo executivo local para resolver esta e outras divergências com o país vizinho, como o pagamento de uma suposta dívida argentina na hidrelétrica de Yacyretá e o bloqueio de caminhões paraguaios na fronteira comum.

“Acredito que o nosso Itamaraty toma as medidas que deveriam ser tomadas. Vemos bem esta demonstração de interesse por parte do nosso presidente, Santiago Peña, em se envolver pessoalmente”, disse o vice-presidente do Centro de Armadores Fluviais e Marítimos.

Representantes de Buenos Aires na também chamada Entidade Binacional Yacyretá rejeitaram em comunicado nesta segunda-feira declarações do dia anterior do lado paraguaio sobre uma suposta omissão argentina em efetuar pagamentos pela transferência paraguaia de energia em 2022.

Por sua vez, os enviados do lado paraguaio na Central lembraram que seu governo mantém a exigência de que a Argentina salde uma dívida de 150 milhões de dólares “com o Tesouro Nacional de Assunção e com a própria binacional, pela transferência e utilização de energia”.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS