24.5 C
Brasília
domingo, 19 maio, 2024

‘Casamento de conveniências’? Entenda ‘cúpula’ de Biden e Bolsonaro e futuro dos EUA nas Américas

© AP Photo / Evan Vucci

Sputnik – Terminou na noite desta sexta-feira (10) a Cúpula das Américas, realizada em Los Angeles, nos Estados Unidos. Entre boicotes, pressão internacional e um anfitrião “sob críticas”, especialista avalia quais lições o Brasil pode tirar do encontro.
O subsecretário do Departamento de Estado dos EUA Jose W. Fernandez descreveu a relação entre os EUA e a América Latina como um casamento, em que nem tudo é perfeito, mas as partes moram na mesma casa, compartilham interesses, problemas, e desfrutam de um “diálogo único”, que não têm com mais ninguém no mundo.
O entendimento norte-americano acerca de seus parceiros na América Latina é historicamente enviesado. Enquanto Fernandez relativizou recentes embates com países do continente, a maioria dos chefes de Estado que foram à Cúpula das Américas de alguma forma criticou o evento organizado por Joe Biden.
As razões são inúmeras. O “diálogo único” citado pelo subsecretário, por exemplo, não existia até esta semana em se tratando de Biden e Jair Bolsonaro, os maiores líderes políticos e econômicos da região.
Para o professor de Relações Internacionais Marcos Cordeiro Pires, da Universidade Estadual Paulista em Marília (Unesp), em nenhuma das oito edições anteriores foram vistos avanços significativos que pudessem mudar a qualidade do relacionamento entre os EUA e os países latino-americanos e caribenhos.
“A Cúpula do Panamá, em 2015, parecia ser um alento para a superação do clima de guerra fria que continua a influenciar o relacionamento entre a América Latina e o governo de Washington”, disse o especialista, lembrando da aproximação do ex-presidente americano Barack Obama com Raul Castro, ex-presidente de Cuba. “Mas isso durou pouco”, lamentou.
O presidente Jair Bolsonaro discursou na Cúpula das Américas em 10 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
O presidente Jair Bolsonaro discursou na Cúpula das Américas em 10 de junho de 2022. Foto de arquivo
Por isso, Pires é reticente ao avaliar o plano nomeado de Parceria das Américas para a Prosperidade Econômica, recém-anunciado por Joe Biden, nesta quinta-feira (9), durante a cúpula. Segundo ele, a iniciativa pode ser mais uma na lista de projetos que não saíram do papel, como a Aliança para o Progresso, a América Cresce e a Build Back Better World (B3W).
“Resta esperar para se saber sobre o futuro dessa proposta. O histórico de fracassos pesa muito”, disse.
O especialista também levanta dúvidas com relação à eventual eficácia da política para imigração de Biden, chamada pelo presidente de Declaração de Los Angeles. Para ele, a ausência no evento de líderes de países como Guatemala, El Salvador e Honduras, de onde parte o maior contingente de imigrantes ilegais, já não é um bom indício.
“Sem combater as causas da imigração, como o desemprego, a miséria e a violência armada, não se pode esperar que o desespero que angustia os imigrantes tenha um bom termo. Neste momento uma nova caravana com milhares de pessoas cruza o México com destino à fronteira. Os Estados Unidos não têm nada a oferecer senão o aumento da repressão”, apontou.

Biden x Bolsonaro

Os episódios de animosidades entre Joe Biden e Jair Bolsonaro foram recorrentes nos últimos anos, mas é inegável que o encontro bilateral, ao longo da Cúpula das Américas, foi fundamental para minimizar as diferenças entre os dois, principalmente em função do desgaste político do presidente americano na América Latina.
Presidente da República Jair Bolsonaro, durante encontro com o Presidente dos Estados Unidos da América, Senhor Joe Biden, 9 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022
Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante encontro com o presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, em 9 de junho de 2022. © Foto / Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0
Segundo Pires, o encontro foi conveniente para ambos os lados. De um lado, o presidente dos Estados Unidos “conseguiu salvar o encontro” frente ao esvaziamento provocado pela recusa de Lopez Obrador em participar devido à ausência de Cuba, Venezuela e Nicarágua, que não foram convidadas, em sua avaliação. Do outro, ele acrescenta, o fato de Bolsonaro aparecer em foto ao lado do presidente dos Estados Unidos “o ajuda a superar o isolamento internacional em que se encontra”.
Apesar disso, o especialista avalia que não há “resultado palpável” para nenhum dos dois. Pires ressalta que, nem o governo Bolsonaro obteve concessões na área de comércio, nem Biden terá garantias reais de avanços na defesa da integridade da floresta amazônica e de seus habitantes.

“Fica a questão se saber como esta reaproximação afetará a posição dos Estados Unidos frente às ameaças de Bolsonaro em não reconhecer os resultados das próximas eleições caso não seja reeleito. Ter ou não o aval do Departamento de Estado para eventuais rupturas institucionais é sempre um selo de grande utilidade, tal como vimos em Honduras, Paraguai e Bolívia“, afirmou.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, à esquerda, se encontra com o presidente Joe Biden, dos EUA, durante a Cúpula das Américas, em 9 de junho de 2022, em Los Angeles - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Brasil preserva ‘muito bem’ a Amazônia, diz Bolsonaro a Biden na Cúpula das Américas

‘Estados democráticos’?

Foram muitas controvérsias ao longo do evento. O governo de Joe Biden quis convidar apenas “Estados democráticos”, sendo que Nicarágua, Venezuela e Cuba ficaram de fora. Em resposta, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, declarou que só viajaria para a Califórnia se todos os países do Hemisfério Sul fossem convocados. Bolívia, Honduras e algumas nações do Caribe aderiram, igualmente anunciando sua ausência.
A ofensiva diplomática norte-americana teve sucesso pouco sucesso com a realização da Cúpula das Américas. Jair Bolsonaro anunciou que só viajaria para os EUA mediante algumas benesses, como um encontro pessoal com Biden, no qual o presidente dos EUA não criticaria abertamente o chefe de Estado brasileiro e sua política ambiental.
O presidente venezuelano Nicolás Maduro participa de uma coletiva de imprensa após seu encontro com o presidente da Turquia em Ancara, 8 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Panorama internacional

O que Maduro está procurando na Turquia e como isso pode se refletir no mundo multipolar?

Em um dos discursos mais comentados do encontro em Los Angeles, Alberto Fernández não poupou o presidente Joe Biden e a política externa dos EUA de críticas. O presidente argentino fez um dos discursos mais duros, e defendeu Cuba, Venezuela e Nicarágua, dizendo a Joe Biden que “o país anfitrião não tem direito de rejeitar países“.
O fato é que os EUA têm pouco a oferecer ao continente, e seus acenos ao longo das reuniões da Cúpula deixam isso evidente: há pouca contribuição ou solução para os assuntos mais prementes da América Latina: migração, comércio e pobreza crescente. Dono de política migratória restritiva, Biden preferiu não desagradar seus eleitores a propor soluções para um continente em crise, ainda em processo de recuperação após dois anos de pandemia.
Enquanto os EUA fecham as portas, a China penetra cada vez mais na América Latina. A Argentina, por exemplo, acaba de se tornar a mais nova parceira dos chineses em sua Iniciativa da Nova Rota da Seda, passando a ser o 20º país da região vinculado ao acordo em troca de investimentos, créditos e acesso a mercados. Dos grandes da América Latina, agora só o México, Brasil e Colômbia não estão comprometidos com a China.
Presidente da Argentina, Alberto Fernández, apela a apoiadores em Buenos Aires, Argentina, 17 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 10.06.2022

Panorama internacional

Na Cúpula, presidente da Argentina faz duras críticas a Joe Biden e à política externa dos EUA

Ao mesmo tempo, o conflito na Ucrânia valoriza a América do Sul como fornecedora de matéria-prima e energia, com seus países pretendendo permanecer neutros entre os blocos de poder mundial.
Para o professor da Unesp, não seria palpável os EUA acreditarem ser capazes de afastar o Brasília de Moscou, principalmente devido à dependência do fornecimento de fertilizantes russo e belaruso.

“Vale considerar que o interesse em apartar o Brasil da Rússia ficou evidente nos primeiros dias da operação especial na Ucrânia, quando o secretário de Estado Antony Blinken pressionou o ministro Carlos França com vistas a um alinhamento no Conselho de Segurança da ONU para condenar a Rússia”, afirmou.

O especialista lembra que, apesar de o Brasil ter se posicionado ao lado do Ocidente, o governo brasileiro não tomou parte das inúmeras sanções econômicas impostas a Moscou.
“Nesse aspecto, vale a pena prestar atenção na próxima cúpula dos BRICS, pois se verifica uma maior integração entre os cinco países do bloco, algo que pode reverter o esvaziamento político dos últimos três anos”, ressaltou.
Da esquerda para a direita: Xi Jinping, presidente da China; Vladimir Putin, presidente da Rússia; Jair Bolsonaro (sentado), presidente do Brasil; Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia; e Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul. Líderes do BRICS se reuniram no Palácio do Itamaraty, em Brasília, Brasil, 14 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 10.06.2022

Exportações entre países do BRICS totalizaram R$ 2,24 trilhões em 2021, diz governo brasileiro

Compromissos ‘verdes’ ou ‘genéricos’?

Embora o presidente dos Estados Unidos tenha apresentado na quinta-feira (9) uma série de medidas para enfrentar a crise climática, criar empregos verdes e reforçar a segurança energética, a agenda foi descrita pelo jornal El País como “abundantes compromissos genéricos“.
Outros tratados também foram apresentados, como o compromisso norte-americano na luta contra o desmatamento e o anúncio de uma contribuição de US$ 12 milhões (R$ 58,6 milhões) para Brasil, Colômbia e Peru em defesa da Amazônia. Uma iniciativa para reduzir o desmatamento associado à exploração madeireira e de matérias-primas e as emissões de gases de efeito estufa relacionadas às cadeias de suprimentos agrícolas.
Já Kamala Harris, vice de Biden, lançou uma aliança dos EUA com países do Caribe para enfrentar a crise climática. Washington coordenará esforços (estimados em R$ 239 bilhões) de diversos bancos regionais de desenvolvimento para fazer os investimentos necessários ao enfrentamento do desafio climático na região.
O acesso ao financiamento será facilitado para os países que enfrentam desastres climáticos, como furacões, enchentes e crises em geral que causam grandes ondas de migração. Um esforço considerado pequeno para o país que, em 2018, na Cúpula das Américas sediada no Peru, “esqueceu” de enviar o seu principal representante, o então presidente Donald Trump.
Manifestantes protestam contra o desmatamento da Amazônia na frente da Embaixada do Brasil em Londres, Inglaterra, 23 de agosto de 2019 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Mídia: na Cúpula das Américas, EUA oferecem ao Brasil quantia ‘modesta’ para combate ao desmatamento

Os sinais de que o interesse de Washington na região estão diminuindo acumularam-se ao longo dos anos, com cada vez mais líderes criticando abertamente a política externa norte-americana.
Por isso, para o professor de Relações Internacionais, o envio de um emissário americano para negociar a participação de Bolsonaro no encontro foi importante para preparar o terreno para o governante brasileiro na Cúpula de Los Angeles.

“O relacionamento pessoal entre Biden e Bolsonaro estava desgastado por conta das posições do presidente brasileiro com relação às eleições de 2020 e o seu declarado apoio à Donald Trump. Adicionalmente, as posições ideológicas de Bolsonaro o colocam no polo oposto às percepções políticas e ideológicas de amplos setores do Partido Democrata”, pontuou o especialista.

Questões como o respeito aos direitos humanos, planejamento familiar, equidade étnica e de gênero e a defesa do meio ambiente “criaram uma brecha de 180 graus entre o dirigente brasileiro e a elite que está no poder em Washington”, segundo Pires.
Pelo lado brasileiro, a diplomacia dos Estados Unidos cumpriu a promessa de não criar embaraços à comitiva de Bolsonaro, aponta o especialista. Já para os americanos, ele avalia que o encontro foi útil para gerar um “contraponto de direita” às visões de governos de centro-esquerda da Argentina, do México, do Chile, do Peru, dentre outros.
“Os Estados Unidos têm o governo brasileiro como aliado para fustigar os governos de Cuba, Venezuela e Nicarágua. Utilizando a metáfora de Bolsonaro, o seu encontro com Biden foi um ‘casamento de conveniências'”, disse.
Mapa da América Latina - Sputnik Brasil, 1920, 08.06.2022

ÚLTIMAS NOTÍCIAS